Pular para o conteúdo principal

NA ONDA DE "HOMENAGENS À MPB", IVETE SANGALO E CRIOLO PEGAM CARONA EM TIM MAIA


A Música Popular Brasileira, sabemos, se perde em homenagens intermináveis que nada mostram de novo, e mais parecem um misto de réquiem, extrema-unção e estado de decomposição avançado de cadáver, porque os parasitas estão aí para devorar o legado do emepebista condenado ao esquecimento.

Depois do constrangedor tributo caça-níqueis de Chitãozinho & Xororó, que destruíram a obra de Antônio Carlos Jobim e anularam o que havia do espírito bossa-novista dele - ouvindo o CD Tom do Sertão, ele remete mais aos tempos das pseudo-serestas bolerificadas e mofadas de 1955 - , agora é a vez de Criolo e Ivete Sangalo pegarem carona em Tim Maia.

Ivete Sangalo é caronista de carteirinha, levando às últimas consequências, mas sem conhecimento de causa, a mania de apropriação de Caetano Veloso, tão criticada pela imprensa musical, sobretudo nos anos 70 e 80. Se deixarmos, Ivete participa até do tributo ao Ratos do Porão, João Gordo é que tem que tomar cuidado.

Criolo, por sua vez, é, ao lado do Emicida, um dos queridinhos de Pedro Alexandre Sanches, o "aluno-modelo" de Otávio Frias Filho que andou passeando tendenciosamente na imprensa de esquerda para empastelar seu debate cultural e depois abrir caminho para Rodrigo Constantino, Lobão, Luiz Felipe Pondé e companhia.

Criolo e Emicida mais parecem um pseudo-neotropicalismo com um forte odor de Soros Open Society, pessoas que fingem ameaçar uma ruptura com o esquemão midiático-cultural de hoje, para depois mergulharem fundo dentro dele e se servirem da "máfia do dendê" com um certo apelo global-folhista.

Juntos, Ivete e Criolo juntam suas respectivas formas de fazer "MPB de resultados", mais voltada ao aparato do que ao conteúdo - por sinal, sem pé e nem cabeça - para a milionária necrofilia ao exigente Tim Maia, que, descontando uma fase lamentável comandada pelo coronelista musical Michael Sullivan, o Rei do Jabá, sempre foi um grande artista da soul music brasileira.

O excesso de tributos a Tim Maia chegam mesmo a abalar completamente a aura musical do cantor e compositor, fazendo com que muitos se cansem de ouvir parte de seus clássicos como "Sossego", "Do Leme ao Pontal", "Não Quero Dinheiro", "Azul da Cor do Mar" e outros, e que mais parece uma estratégia de promover a vaidade de ídolos medíocres diante de seu vazio criativo.

Claro, tem muito ídolo de axé-music, tem muito cantor pseudo-soul, com voz de crooner de comercial de creme dental, que não compõe coisa que preste, se infiltra em reality shows para arrancar alguma visibilidade e, depois, vai feliz da vida fazer "tributo a Tim Maia" confundindo talento de cantor com talento de animador de plateia.

Afinal, o que se tem aí é cantor ou cantora muito mais preocupado com aquilo que entende como "interagir com a plateia" do que em cantar de maneira decente e com personalidade. O que se vê é um monte de gente gritando em vez de cantando e que, antes de cantar o refrão, ainda comete a besteira de dar palavras de ordem: "quero ver todo mundo cantando", "comigo", "sai do chão" etc.

Bem fez o sobrinho de Tim Maia, o também cantor, músico e compositor Ed Motta, que sabiamente recusou o convite para participar ao lado dos dois cantores, observando o caráter oportunista de ambos e a banalização das ditas homenagens ao seu falecido tio. Escreveu Ed no Facebook:

"Uma empresa de creme me procurou para fazer o "projeto" Tim Maia, a grana não era compatível com meu desprazer em fazer isso... Para mim a música de Tim Maia é intocável, fica bom mesmo é com ele, é preciso honestidade e vergonha na cara para admitir isso...
O cara que teria REALMENTE cabedal para um tributo ao Tim Maia seria o Cláudio Zoli, por conta do timbre de voz, e também a história e envolvimento de carreira.
O compromisso com o soul/funk carioca etc etc.
Mais do que sacanagem, (o "Viva Tim Maia") é um desrespeito por gente que dedicou a vida inteira a isso.
Vontade de vomitar, que coisa PODRE...".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…