Pular para o conteúdo principal

AXÉ-MUSIC ESTÁ MESMO DECAINDO EM SALVADOR

NETO LX, ÍCONE DO "ARROCHA-OSTENTAÇÃO" - CANTO DO CISNE DA MÚSICA COMERCIAL BAIANA?

A grande mídia tentou abafar, transformando o Carnaval de Salvador deste ano num grande camarote ao ar livre, e seus defensores logo inventaram que a axé-music, que celebra 30 anos, está "se reinventando". No entanto, é clara sua decadência e sua crise que criou até um clima de "bruxa solta" em vários momentos da música comercial baiana.

Acusações de sonegação fiscal e irregularidades trabalhistas envolvendo medalhões do "axé", outras de estímulo às baixarias dos ídolos "menores" - sejam axézeiros antigos e fora do topo das paradas, sejam "pagodeiros" e arrocheiros - , além de quedas de camarotes e gafes de ídolos locais, tudo isso faz com que a era da monocultura do "axé" esteja com os dias contados.

Num carnaval em que Bell Marques perdeu a cabeça por causa de um trio elétrico parado e quando Cláudia Leitte é alvo de vaias, o Psirico voltou a lançar um hit somente local, "Tem Xhenhenhém", depois que tentou o sucesso nacional com a constrangedora "Lepo-Lepo" (que a intelectualidade "bacana" quase usou para sepultar de vez o "Lero-Lero" de Edu Lobo).

"Lepo-Lepo", de andamento cansativo e um vocal preguiçoso de Márcio Victor, mais parecia um réquiem de artista decadente, desses sucessos derradeiros que só mesmo um Brasil tomado de provincianismo do Oiapoque ao Chuí - e, surpreendentemente, sobretudo no Rio de Janeiro, que regressou ao matutismo pré-1905 - consagrou como grande sucesso da música brasileira.

O É O Tchan parecia viver de glórias passadas, com o encontro das Sheilas (Sheila Mello e Scheila Carvalho) com Carla Perez. E o marido de Scheila Carvalho, Toni Salles, fez sua estreia no carnaval como novo vocalista do Parangolé, enquanto Léo Santana segue carreira solo com seu físico por demais "bombado".

Alinne Rosa, ex-cantora da banda Cheiro de Amor, foi processar os empresários, num desses incidentes que o contexto das "bandas com donos", ou seja, lideradas não por qualquer dos músicos, mas pelo respectivo empresário, tenta evitar vazar, já que é um processo trabalhista que volta e meia gera algum escândalo na mídia.

Atores e atrizes de TV estiveram para fazer propaganda do Carnaval de Salvador e fingir que eram fãs de axé-music. Mas se foram os "grandes tempos" em que jovens atores e atrizes ficaram no trio do Chiclete com Banana, com Bell Marques à frente, fingindo que eram chicleteiros enquanto, por trás de seus sorrisos amarelos, achavam a banda chata e Bell um "grande mala".

Claro que tais coisas nem Fabíola Reipert é capaz de divulgar, ela que chega mesmo a apostar na rivalidade de Ivete Sangalo e Cláudia Leitte, mas não pode ir longe nos bastidores do popularesco, que infelizmente possui boa conta em colunas desse tipo. Se fizesse, daria prejuízo e talvez sua coluna saísse do ar.

Há dúvidas que a axé-music permaneça de pé por muito tempo. O desgaste da grande mídia e dos barões do entretenimento em Salvador é grande, com sucessivos escândalos e incidentes. Pode ser que a queda seja adiada, mas a crise aos poucos se revela insustentável.

Não será a cobertura da grande mídia, que descreve uma falsa "democratização" do Carnaval (dos donos de blocos) de Salvador e, contraditoriamente, define o evento como um grande camarote vip, que resolverá essa crise, porque marketing nunca teve a ver com a realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…