Pular para o conteúdo principal

O PESADELO NÃO-ASSUMIDO DAS "QUENUNCAS"


A reportagem de hoje da revista Época mostra o lado dramático das mulheres que adoram beber álcool, divulgando uma pesquisa recente que as mulheres estão bebendo álcool mais cedo e bebendo mais, e a maior ocorrência está nas mulheres de classe média alta.

O caso está tão sério que é definido como uma "tempestade", devido à elevação do número de mulheres alcoolistas, um drama que, pouco tempo atrás, parecia mostrar seu lado "cor-de-rosa" por causa de uma atriz de televisão que "bebia do céu as estrelas".

O alto consumo de bebidas alcoólicas entre mulheres as torna bastante vulneráveis a doenças, além do fato de que os tratamentos tradicionais de combate ao vício não são eficientes. Para piorar, as mulheres já estão consumindo álcool na adolescência, mais do que os homens na mesma faixa etária.

Entre os casos narrados, há o de uma mulher divorciada de 42 anos, com dois filhos, um já crescido, que bebia álcool "por tédio" ou para inibir o apetite e evitar comer muito, e depois bebia por vício mesmo, e que, com isso, passou a sentir lapsos de memória e até amnésia. Ela procurou tratamento para recuperação, que está em andamento.

Consta-se que as mulheres têm menor resistência física à bebida alcoólica, e tendem a ser mais vulneráveis aos problemas de saúde decorrentes do vício. Em muitos casos, as mulheres que se embriagam desde a juventude tendem a viver menos, correndo risco de câncer e outros males.

Isso é o que o sonho dourado dos "quenuncas" se recusou a saber e que ouve até mesmo "deitaço" para que se abafem advertências e dramas correspondentes ao vício do álcool. A patota foi fazer manifestação por nada e desconhece que o consumo regular de álcool só trará sérios problemas de saúde para o futuro.

Será que, na hora da dor mais cruel, os "quenuncas" irão, no hospital, dizerem esnobemente "Quem nunca?...".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…