Pular para o conteúdo principal

"PHOTOSHOP" DE MARINA RUY BARBOSA FOI ILUSÃO DE ÓTICA

NESTA FOTO, A CINTURA DE MARINA ESTÁ BEM, SÓ A ILUSÃO DE ÓTICA É QUE ENGANOU MUITA GENTE, QUE VIU "FOTOXOP" ONDE NÃO HÁ.

Mais uma polêmica sem sentido nas mídias sociais pode revelar o exagero que a falta de observação pode causar. Hoje foi publicada uma das fotos da atriz Marina Ruy Barbosa (tetraneta do político e escritor Rui Barbosa - antigamente grafado como Ruy - , um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras) para a revista Boa Forma deste mês.

Os comentários ficaram por conta de que a cintura da atriz ficou "fina demais" e que a técnica do Photoshop - programa do Adobe comumente usado para alterar imagens digitalmente - teria exagerado na dose.

No entanto, uma observação muitíssimo cuidadosa feita por mim faz concluir que não houve Photoshop, e que o tal "fotoxop" deve estar mesmo na mente das pessoas. O que ocorreu foi uma grande ilusão de ótica, que podemos esclarecer com o fragmento da foto ampliado.


CASACO ABERTO DEU A FALSA IMPRESSÃO DE "CINTURA FINA DEMAIS", QUANDO A CINTURA FOI, EM PARTE, ESCONDIDA. ANALISEM A POSIÇÃO DO ZÍPER.

Notem que a cintura não foi afinada, mas escondida pela parte interna do casaco que se virou para fora. É um casaco aberto e, por isso, deixa mostrar a parte de dentro da referida roupa, tanto que o zíper preto aparece no lado esquerdo (direito, pela nossa perspectiva), e não no lado oposto.

Prestando bem atenção na cintura de Marina, ela não foi afinada. Note-se que, entre o casaco e o jeans, a cintura aparece, sem se curvar para uma cintura fina demais, o que indica que o casaco escondeu a parte da cintura que os internautas pensaram inexistir.

A cintura parece "fina demais" por causa do casaco aberto que escondeu a outra parte da cintura, o que mostra que não houve alteração pelo Photoshop, e sim uma ilusão de ótica. Se assim não fosse, o zíper preto da parte esquerda do casaco (exibida na direita da foto) estaria em posição oposta a que se encontra.

Portanto, foi muito barulho por nada, e vindo provavelmente de pessoas que querem "derrubar" a coitada da Marina. Se fosse uma funqueira em ascensão, não havia acusação de "fotoxop", mesmo quando o recurso do Adobe Photoshop fosse realmente utilizado.

Isso mostra o quanto o show business brasileiro é cruel, protegendo sub-celebridades que buscam sua ascensão através de "pistolões" e apelações, e facilitando seu caminho na medida em que atores em evidência passam a ser alvo de notas maldosas da mídia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…