Pular para o conteúdo principal

BIBLIOTECA NACIONAL E ZIMBIO MOSTRAM ARQUIVOS POSSIVELMENTE "INFECTADOS"


A página da Hemeroteca Digital, do portal da Biblioteca Nacional, está com um aviso no Google Chrome que aponta uma página suspeita, identificando um suposto malware presente na página, que normalmente leva para a consulta de arquivos digitalizados pela instituição.

Não se sabe se o aviso corresponde a um "falso positivo" - quando páginas em manutenção, até pelo fato de webmasters entrarem com suas contas para intervir nas páginas, algo bastante natural - ou se a página realmente foi invadida por hackers. Em todo caso, isso compromete a consulta pelos internautas.

É possível que os serviços de vigilância digital, como os anti-vírus e anti-spywares possam identificar como "suspeitas" páginas que, na verdade, passam por processos de manutenção e suas contas foram "invadidas" apenas pelos seus próprios responsáveis.

É como ocorre quando um músico entra num bastidor da apresentação de sua banda e o segurança não o reconhece e pede seus documentos. O segurança entende que teria sido um invasor querendo entrar no palco pela porta dos fundos, quando é um dos próprios participantes do evento que se dirige ao local.

O problema é que não há garantia, do lado dos internautas, de qual página passa por manutenção ou qual foi realmente invadida por um ataque digital. A própria apresentação da página suspeita já é um indício de que teremos que evitá-la, mesmo que seja um "falso positivo".

Espera-se que a Biblioteca Nacional possa dar um parecer sobre o caso, até para prestar esclarecimentos ou, no caso da página ter sido realmente atacada, que o problema seja resolvido imediatamente.

ZIMBIO TEVE PÁGINA SOBRE ANOS 90 "INFECTADA"

Já o portal Zimbio, que publica notícias e galerias de fotos de celebridades, além de lançar questionários e páginas sobre curiosidades, teve uma página invadida por um arquivo malicioso, provavelmente de um pop-up (arquivos de propaganda virtual) inserido na página.

O portal está "limpo" em quase todos os arquivos, garantindo a consulta até das fotos recentes de celebridades. Mas o artigo "10 Reasons We Should Never Go Back to the '90s" (Dez razões para nunca voltarmos para os anos 90), que fala sobre o caráter superficial dos anos 90, foi invadido por um arquivo malicioso.

O alerta vem do Avast, programa anti-vírus que, felizmente, é capaz de bloquear a ameaça, e a faz, a não ser se o computador já estiver infectado, pois aí, nem Avast revolve. E isso é uma pena, porque é uma das páginas mais interessantes feitas pela equipe que faz o Zimbio, nos EUA.

O texto serviria sobretudo para nós, brasileiros, que somos forçados a acreditar que a década de 1990 foi genial, divertida, bacana e revolucionária. Salvo exceções, a década de 90 no Brasil foi uma bosta. Nos EUA nem tanto, até porque o país vivia então a ressaca da Era Reagan da década anterior (a "década perdida" deles) e viu nos anos 90 uma espécie de "balanço" para o país se reavaliar.

No Brasil, os anos 90 foram a "década perdida" do país, em que a degradação sócio-cultural e política e o neoliberalismo desenfreado estragaram todos os esforços de promover algum progresso nacional ou regional, sob os mais diversos aspectos e com efeitos não raro devastadores.

Mas como no nosso país temos que sempre corroborar a visão dos "vencedores", somos induzidos a acreditar que os anos 90 foram maravilhosos, que tudo que aconteceu na década foi "genial" e blablabá. Foi a época da supremacia do "deus mercado", da ditadura midiática e seus intelectuais e acadêmicos free lancers (sem vínculo  formal com os donos da mídia).

Espera-se que o Zimbio tenha resolvido definitivamente o problema. Eu já comuniquei à página do portal no Facebook.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…