Pular para o conteúdo principal

RÁDIO QUE SE AUTOPROCLAMA "ROQUEIRA" PEGOU CARONA NO FIM DA KISS FM RIO


Com o fim definitivo da Kiss FM Rio, já que a frequência 91,9 mhz foi adquirida pela Plenitude FM, da igreja evangélica Plenitude, a Rádio Cidade (que nome bobo para uma rádio de rock!) tentou capitalizar com o fim da emissora e imitar seu repertório.

Com seu "modo Classic Rock", especial de rock antigo que rola na Internet, no horário da Voz do Brasil, a emissora tentou embarcar nas bandas de rock seminais dos anos 70, como informou um Internauta no Facebook. Até bandas "difíceis" como Humble Pie e UFO, ambas do mais puro rock setentista britânico, foram tocados, mas somente nas chamadas "músicas de trabalho".

É bom desconfiar disso, como se desconfia, por exemplo, de duplas de "sertanejo universitário" que tentam sons mais "elaborados", incluindo cítara, reggae etc. Falsas melhorias só para ficar se justificando no sucesso é coisa típica de medíocres que só fazem isso para levar alguma vantagem, nunca fazendo tais coisas com espontaneidade e sim com puro senso de tendenciosismo.

No caso da Rádio Cidade, então, a coisa é grave. Seu jeito "Dr. Jeckyll e Mr. Hyde" de agir, às vezes querendo ser mais pop, outras tentando ser mais rock, é revoltante, pois, depois de todo trabalho de Luiz Antônio Mello e sua equipe para o radialismo rock, temos que aguentar uma rádio que nem teve tradição no gênero e fica se "achando".

ESTILO DE LOCUÇÃO REMETE À RÁDIO DISNEY BRASILEIRA

Até a linguagem e estilo de locução, que agora estão "mais tranquilas", ainda remetem ao estilo poperó e mauricinho, pois a equipe de locução, sobretudo a masculina, ainda têm a voz afetada de quem está falando para as fãs do One Direction e Justin Bieber.

A Cidade tenta fugir do ritmo frenético da Jovem Pan FM, por causa do macartismo que tomou conta da emissora, e tenta evitar, em vão, as comparações com a Mix FM. Todavia, a emissora dos 102,9 mhz, que, repetimos, tem nome muito bobo para rádio de rock, adota um padrão de locução que hoje se aproxima perfeitamente ao da filial que a estrangeira Rádio Disney instalou em São Paulo.

Isso é tão certo que, antes de tocar "Number of the Beast", do Iron Maiden, o locutor mauriçola da Rádio Cidade dizia um informe com a típica voz de um locutor de FM dance diante de um fundo musical com sintetizador. Sem qualquer tipo de ironia ou sarcasmo, pensei que fosse Mix FM.

É claro que a Cidade tenta se passar por "rádio de rock séria", um esforço só para gringo ver. Na boa, a rádio só serve para alimentar a indústria de eventos de rock no Rio de Janeiro e nem está aí com a cultura rock de verdade. Mas precisa parecer verossímil pelo menos para o público médio, até porque estamos perto do Rock In Rio e ano que vem haverá Olimpíadas.

Portanto, não é melhoria alguma o que houve no "modo Classic Rock". Primeiro, porque é um programa específico e já vi muita rádio pseudo-roqueira tocando até alternativos em programas específicos. Fica muito fácil isso, porque não é programação diária e sim em feudos que acontecem uma vez por dia ou por semana.

A Kiss FM tocava esses grupos na programação diária. Embora a Kiss ainda não fosse uma Fluminense FM, ela era esforçada. Além do mais, a esquizofrênica Rádio Cidade - cujos programas Rock Bola e Hora dos Perdidos ainda têm o ranço do Pânico da Pan - só fez isso de forma tendenciosa, como "promoção de temporada", por tempo limitado.

Depois da festa do Rock In Rio, tudo voltará à mesma e o pessoal terá que se contentar com o "só sucesso" que contamina até os "clássicos". Que se contentem em ouvir "Always" do Bon Jovi como se fosse o "lado B dos clássicos do rock". Isso quando não decidirem tratar o Blink 182 como se fosse "dinossauro do rock".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…