Pular para o conteúdo principal

LOCUÇÃO "MAIS TRANQUILA" NÃO É PRIVILÉGIO DA RÁDIO CIDADE

LOCUTORES ALEXANDRE WOOLLEY E DEDÉ GALVÃO RECEBENDO A EX-BBB ARIADNA NA FM O DIA.

A locução "tranquila" virou a nova moda das FMs comerciais. Com o desgaste do ritmo frenético da Jovem Pan FM, agravado sobretudo pela presença de comentaristas reacionários como Reinaldo Azevedo, Rachel Sheherazade e o historiador Marco Antônio Villa (que definiu o ex-presidente João Goulart como um "fracote"), a locução animadinha baixou o tom e a velocidade nos últimos meses.

A "novidade" parecia ser exclusividade da autoproclamada "rádio rock", a carioca Rádio Cidade, o que deu uma impressão, completamente errada, que a emissora finalmente passou a ter uma linguagem diferenciada e adequada para o gênero. Só que não é tão exclusiva assim.

A popularesca FM O Dia também passou a ter a locução "tranquila", que na verdade é uma espécie de locução animadinha menos neurótica. Os tempos frenéticos da Transamérica e Jovem Pan, rádios "jovens" que hoje soam muitíssimo velhas e ultrapassadas, foram deixados para trás.

Essa tendência parece uma forma de tornar a locução animada mais informal, já que a velocidade tornou-se uma técnica formalista, na medida em que se tornou muito banal. As vinhetas "espaciais" de estilo Jovem Pan continuam, mas a redução da velocidade da fala parece uma preocupação em frear o ritmo frenético diante da supremacia das mídias digitais.

Isso porque, nas mídias sociais da Internet, o que se observa são pessoas com vozes comuns falando em vídeos diversos, como se vê no YouTube. Não são pessoas que falam com a velocidade frenética de quem quer dizer uma frase longa em poucos minutos.

Para quem acha que a Rádio Cidade adotou uma "locução mais rock", este equívoco se desfaz quando se percebe que esse estilo de locução é rigorosamente o mesmo da FM O Dia, que já vem desde o novo paradigma de rádio jovem, a Rádio Disney, franquia paulista da rede estadunidense.

A comparação Cidade / O Dia lembra o que já observei, há 25 anos, quando estava em Salvador, quando a suposta "rádio rock" 96 FM tinha exatamente o estilo de locução da popularesca Piatã FM. A comparação derruba por definitivo a tese de que tais "rádios rock" possuem perfis diferenciados, não sendo mais do que rádios pop com vitrolão "roqueiro". De rock elas só tem o toca-discos.

Evidentemente, o estilo pop de locução continua, o modo de fala e dicção dos locutores, sobretudo masculinos, continua com aquele estilo de animador de festa infantil, O jeito animadinho permanece o mesmo, só que a fala é mais calma e pausada e os locutores não gritam tanto. E não foi desta vez que a Rádio Cidade tentou fazer diferença. Outras rádios "falam" igualzinho a ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…