Pular para o conteúdo principal

COMERCIALISMO ATINGE MÚSICA BRASILEIRA ATÉ ÀS ÚLTIMAS CONSEQUÊNCIAS

ANITTA, LUDMILLA E LEXA - Cantoras levam comercialismo musical ao extremo.

A música brasileira "desceu até o chão". Depois da forte blindagem de intelectuais e acadêmicos a respeito do brega-popularesco, as gerações mais recentes, surgidas nos últimos cinco anos, levam às últimas consequências o comercialismo que já era uma ameaça séria vista através dos primeiros ídolos cafonas, há cerca de 50 anos atrás.

Se já era uma calamidade pública os ídolos neo-bregas do "pagode romântico" e "sertanejo" que hoje fazem "MPB de mentirinha" sem esconderem direito seu comercialismo, sua hipocrisia e sua aberrante canastrice artística, hoje a coisa foi longe demais.

Tudo ficou comercial, e o mínimo de arte que, mesmo como farsa, era apreciado pela música brega de tempos atrás, com seus simulacros de sofisticação e folclore, hoje ela não aparece mais. A "geração de 2008", como Thiaguinho, Valesca Popozuda. Luan Santana e Cláudia Leitte já sinalizavam para esse comercialismo feito às últimas consequências.

Hoje, nomes como Anitta, Naldo Benny e outros são assumidamente mercadológicos e seus empresários já não escondem isso. Vide a entrevista com Kamilla Fialho, que empresariou Anitta, hoje cuida de Lexa e começa a se responsabilizar por intérpretes do "sertanejo universitário", feita ao colunista Léo Dias, do jornal O Dia.

Kamilla assume que é dona da marca Lexa, correspondente à funqueira que se tornou, ao lado de Ludmilla, um dos "genéricos" da Anitta, apostando no "funk melody" com apelo para as noitadas da Zona Sul e para um público de classe média alta.

Tudo virou negócio, embora sabemos que, por mais que a intelectualidade "bacana" definisse os antigos ídolos cafonas com discursos falsamente "guevaristas", eles já desempenhavam esse papel de mercadorias musicais, quando muito como hitmakers, a exemplo de Odair José, Luiz Ayrão e Wando, à maneira que Paul Anka e Neil Sedaka fizeram no seu tempo.

A situação preocupante cresce à maneira que a MPB autêntica passou a se viciar na mesmice de homenagens intermináveis e de "novos artistas" que fazem mais do mesmo, repetindo sempre o "ecletismo" das gerações anteriores e eles mesmos também afundando na areia movediça das homenagens intermináveis.

Isso é um grande alerta, porque a cultura brasileira ficou privatizada. Entregamos o futuro do samba brasileiro nas mãos dos estadunidenses da Wal-Mart que agora tocam em suas lojas no Brasil os pastiches de Alexandre Pires, Belo e Thiaguinho. Os primeiros canastrões da música caipira agora se acham os donos da "canção de raiz", quando os autênticos violeiros morrem aos poucos.

Deixamos que uma minoria de empresários do entretenimento dite o que vai ser música brasileira nos próximos anos e o que será o gosto popular no futuro e os intelectuais tentam nos fazer crer que isso é "o máximo". Não é. Nosso patrimônio cultural está perecendo no isolamento museólogo e condominial e as classes populares aos poucos ficam sem uma cultura própria.

Isso porque o que se fala como "cultura verdadeiramente popular" no discurso "provocativo" dos "pensadores mais legais do Brasil" não é mais do que a mercantilização do mau gosto, do grotesco, servido como se fosse "cultura séria" quando não passa de um amontoado de modismos para consumo imediato que o mercado tenta tornar perene através do discurso acadêmico-intelectual.

E aí, vemos o que vemos. A cada tempo, surgem novos nomes a superpovoar a mediocridade musical brasileira. E, pior, os canastrões de outrora tentam se valer da memória curta para vender a falsa imagem de "geniais" e "grandes artistas". Tudo se nivela por baixo e até o que era ruim e aberrante há 25 anos atrás hoje é tido como "respeitável", "indiscutível" e "valioso".

E a MPB autêntica na areia movediça das homenagens intermináveis...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…