ATRIZ MIRIM DA DISNEY SURPREENDE COM TEXTO SOBRE FEMINISMO


Vergonha para muitas brasileiras adultonas que ficam patinando com os dedos no WhatsApp de seus celulares. Uma atriz da Disney (sim, isso mesmo), a estadunidense Rowan Blanchard, do seriado Garota Conhece o Mundo (Girl Meets World), escreveu um texto sobre o feminismo que surpreende pela coerência dos argumentos.

Ela estava respondendo a um fã, que, depois de ler o famoso comentário de outra atriz, a negra Amandla Stenberg - de Jogos Vorazes (Hunger Games) - , em que esta criticava a apropriação da modelo Kylie Jenner (de uma família de sub-celebridades) de ícones da cultura negra dos EUA, perguntou a respeito do feminismo interseccional, que envolve vários aspectos da vida social.

Rowan escreveu um texto bastante longo para os padrões de sua geração e com argumentos dignos de uma universitária de 25 anos. Só que a atriz ainda vai fazer 14 anos em outubro próximo. Essa é uma grande lição até para balzacas que no Brasil não se dispõem a analisar o mundo em sua volta, perdidas na curtição obsessiva e compulsiva tão comuns por aqui. Vejam o texto:

grnblu perguntou:
Row, gostaria de saber sua opinião a respeito do termo "feminismo branco" e como o feminismo comum pode excluir mulheres de cores e não mulheres trans / homossexuais (ex: mulheres são fortes porque têm fases (de desenvolvimento sexual)! ou homens que não têm que pensar como elas se vestem diante do público!).

Olá! Esta é uma coisa muito importante para discussão. Eu tenho mantido uma grande posição de estar certa que minha visão pessoal de feminismo envolve tudo - e de que me educando e discutindo esses temas tenha realmente me ajudado.

Assuntos que são comumente pensados como feministas incluem assédio sexual, estupro, aborto, Planejamento Familiar, violência doméstica, educação igualitária e diferenças salariais. Feministas também adotaram o casamento igualitário e os direitos homo/lésbicos como seus temas, o que é maravilhoso.

No entanto, com tantas questões que foram adotadas pelas feministas,  muitas de nós parecem não aceitar o fato de que a brutalidade policial e os assuntos raciais são nossas questões também.

O "feminismo branco" se esquece a respeito de todo o feminismo interseccional. A forma como uma mulher negra experimenta o machismo e a desigualdade é diferente da forma como uma mulher branca experimenta o machismo e a desigualdade. Da mesma forma as mulheres transexuais e as hispânicas. Enquanto as mulheres brancas recebem 78 centavos por dólar (recebido por homens), estadunidenses nativas recebem 65 centavos, negras recebem 64 centavos e hispânicas recebem 54 centavos. Kimberlé Crenshaw disse perfeitamente em 1989 quando comentou "A visão da opressão da experiência feminina em várias configurações e em vários níveis de intensidade. Padrões culturais de opressão não são somente interrelacionados,, mas agem em conjunto e são influenciados por sistemas interseccionais da sociedade. Exemplos disso incluem raça, gênero, classe, habilidade e etnicidade". Isso inclui especialmente mulheres transexuais, que tiveram suas almas roubadas quando são avisadas que não são "mulheres de verdade". É MUITO importante proteger mulheres e meninas transexuais de maneira que elas estão surpreendentemente em risco quando sujeitas a sofrer assédio sexual ou crimes de ódio. As pessoas parecem se esquecer que as mulheres negras também são vítimas de violência policial, de Sandra Bland a India Clarke, uma mulher transexual que foi espancada até a morte na Flórida, há um mês. 

O fato de Amandla Stenberg ter escrito esse maravilhoso e verdadeiro artigo - http://instagram.com/p/5D-u1Vm1c8/  - faz com que ela seja automaticamente rotulada de "menina negra revoltada" e isso diz muito. Somos tão rápidas para aplaudir mulheres brancas pelo comentário a respeito de debates e questões raciais como #BlackLivesMatter e #SayHerName, mas quando uma garota negra comenta a respeito, falam que ela está exagerando ou está revoltada.

Comentários como os que você mencionou em sua questão me deixam indignada. Tenho visto pessoalmente homens serem chamados de bichas/viados/maricas por usarem qualquer coisa que soe remotamente feminino. Bicha não é apenas um insulto. Da mesma forma, não devemos nos esquecer que homens negros não podem usar capuzes sem serem estereotipados como bandidos.

Reconhecer o feminismo apenas por uma visão parcial quando a DEFINIÇÃO literal é a igualdade dos sexos não é feminismo como um todo. Precisamos falar mais a respeito. A discussão promove a mudança. Beijos. Row

Comentários