Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER VAI QUEBRAR O BRASIL

CHARGE DE MÁRCIO BARALDI IRONIZANDO O PLANO HABITACIONAL DE MICHEL TEMER.

O governo Michel Temer deixou a máscara cair.

E os brasileiros novamente tranquilos.

Nas mídias sociais, falando de animaizinhos, de viagens no último fim de semana, na nova selfie com os amigos, nas lembranças da família.

Nenhuma perplexidade com a ameaça que vem por aí.

Michel Temer, o presidente interino, mas, acima de tudo, ilegítimo, pretende governar tão somente para os ricos.

Ele prometeu que iria realizar um rigoroso corte de gastos para combater a recessão econômica.

O que ele fez foi apenas anunciar o corte de gastos sociais, principalmente na Educação e na Saúde, assim que puder se tornar efetivo.

Recentemente, andou presenteando servidores do Poder Judiciário com generosas verbas.

Garantiu também financiamento para a grande mídia que o apoia.

O Grupo Abril poderá se reerguer nas mãos de Temer.

E ainda tem a Editora Três com a Isto É surtando como uma genérica de Veja.

Contratando Rodrigo Constantino e Marco Antônio Villa para baterem mais pesado em Dilma Rousseff.

Até a presidenta não permanecer mais inteira no final do próximo mês.

E assim Michel Temer pode botar seus planos adiante.

A "pinguela para o passado" sob o eufemismo de "ponte para o futuro".

Michel Temer ameaçou cortar os gastos governamentais para o Minha Casa, Minha Vida.

Vieram os protestos e ele voltou atrás.

Mas ele sempre impõe um preço para o recuo.

Como no Ministério da Cultura, que ele retomou sob o preço de criar um órgão paralelo ao IPHAN, só para favorecer empreiteiros.

No Minha Casa, Minha Vida, ele estabeleceu a condição de que a prioridade serão os imóveis de até R$ 3 milhões.

Ele até queria mudar o nome do programa, para desfazer o vínculo com a antiga titular.

Os opositores deram a sugestão: Minha Mansão, Minha Vida.

Partiu de um comentário de Marcelo Rubens Paiva, cujo pai foi uma das vítimas da terrível repressão militar.

Michel Temer vai continuar agradando os ricos, se continuar no poder até 2018.

O que ele gastar para seus amigos e aliados é de um valor ainda não avaliado, mas com certeza muito maior do que a grana que ele prometeu segurar com os cortes de gastos.

E seu programa de privatizações será da pesada, padrão PSDB.

Quer vender até a BR Distribuidora, responsável pelos combustíveis que são vendidos nos postos de gasolina da Petrobras.

Para a rapaziada que está tranquila com o governo temeroso, um aviso.

Michel Temer pretende mandar para longe gigantescas somas de dinheiro com as privatizações e outros benefícios plutocráticos.

Ele está de mãos dadas com PSDB. Apareceu até de braços dados com Aécio Neves.

As pessoas estão tranquilas, vendo o Jornal Nacional e acreditando que Temer irá garantir o feijão com arroz do trabalhador. Mesmo com o feijão mais caro.

Felizes porque irão trabalhar mais horas, sem carteira assinada, com menos salários, sem direitos sociais, acreditando que poderão ter "boa renda" (?!) com isso.

Vão ter que usar o WhatsApp e o Instagram do celular numa mão, e usar a calculadora na outra.

Mas se sobrar tempo para fazer selfie com os patrões que lhes pagarem mal, tudo bem.

Até que, daqui a 15 anos, se descubra o valor da fortuna que Temer e companhia querem tirar das mãos dos brasileiros.

É bom segurar as carteiras.

Michel Temer vai botar pra quebrar. Ele vai falir o Brasil para vendê-lo para Tio Sam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…