Pular para o conteúdo principal

BREGA-POPULARESCO TEVE COMO FIM IDIOTIZAR OS BRASILEIROS


Caiu a máscara. A falácia do "combate ao preconceito" dos intelectuais "bacanas" teve um único fim.

O de dar um verniz "legítimo" ao processo de imbecilização cultural das classes populares.

Música jabazeira, mídia sensacionalista, jornalismo policialesco, mulheres-objetos siliconadas.

Tudo isso sob o rótulo "corajoso" do "popular demais".

A "ditabranda do mau gosto" era empurrada para a aceitação das esquerdas.

Intelectuais vindos da Folha de São Paulo (Pedro Alexandre Sanches) ou protegidos pela Rede Globo (Paulo César Araújo e Hermano Vianna) queriam a bregalização do país.

Era uma forma de reduzir a cultura popular num engodo consumista marcado pelo grotesco e pelo pitoresco.

Alegava-se que aceitar essa pretensa "cultura popular" era "romper o preconceito" e "ver o povo com outros olhos".

Mas essa "cultura" já abordava uma imagem preconceituosa do povo pobre.

Um povo resignado com sua própria pobreza, com sua própria ignorância, com seus piores instintos.

O único fim dessa campanha toda era apenas expor "positivamente" o que o povo, em verdade, tinha de ruim.

E enquanto a intelectualidade "bacana" falava em "livre expressão das periferias", o que se via era apenas um mercantilismo "cultural" alimentado pelo coronelismo midiático nacional e regional.

E esses intelectuais ainda iam para a mídia de esquerda fazer proselitismo e usando um termo tirado de Fernando Henrique Cardoso, "periferia".

Todos os estilos musicais popularescos estavam nesta campanha, desde os bregas do passado aos "forrozeiros" safadões de hoje.

Mas foi o "funk" o seu maior carro-chefe, foco principal dessa "etnografia de mercado".

Com um simulacro de discurso ativista, com clichês da retórica modernista e usando de símbolos tomados emprestado dos movimentos negros da África do Sul, o "funk" tentou ser mais do que realmente é.

Um pop dançante sem qualquer compromisso sério com coisa alguma.

Criou-se um discurso ambicioso, que esbarrava na realidade.

Prometia o "funk" expressar um caleidoscópio de referências musicais, ativistas, comportamentais, antropológicas etc.

Como se numa vitrola de um DJ funqueiro coubesse Antônio Conselheiro, Zumbi dos Palmares, Leila Diniz, Malcolm McLaren, Coco Chanel, Andy Wahrol, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Torquato Neto, Hélio Oiticica e Pagu.

Nenhum deles apareceu no "funk".

Você via o discurso intelectual sobre o "funk" e ficava babando.

Mas era só tocar um CD de "funk" que a decepção era inevitável.

O conflito entre o "funk" que os intelectuais sonhavam que fosse e o "funk" que a realidade apresentava criou uma série de contradições.

Machista, homofóbico, violento, ignorante, grotesco e, ainda por cima, subproduto da Rede Globo, eram as qualidades desagradáveis do "funk".

Até um conhecido funqueiro, MC Leonardo, só ganhou cartaz porque foi apadrinhado por um cineasta ligado à Globo Filmes e ao Instituto Millenium.

É como se o Instituto Millenium tivesse financiado, em parte, a APAFUNK.

O que mostra que o "conflito" entre a direita elitista e os funqueiros era apenas um telecatch entre duas forças afins.

Não dá para esconder que a Globo botou o "funk" em tudo quanto era programa entre 2003 e 2005, época em que o ritmo lançou o famoso discurso "ativista-etnográfico".

A "rinha" entre direita e funqueiros era só um "amistoso" para oferecer falsas escolhas à opinião pública.

Ou era o "orgulho de ser pobre" e o "ufanismo das favelas" do "funk", ou era o isolacionismo das elites mais reaças.

Dá no mesmo. Dois lados de uma mesma moeda, pois os próprios funqueiros são criados pela "cultura elitista".

Pobres culturalmente colonizados, confusos em seus desejos que combinam ânsia cega de consumismo com baixa escolaridade e moralidade irregular.

Pobres mais caricaturais do que os pobres das chanchadas dos anos 1940 e 1950, que ao menos pareciam mais verossímeis.

O "funk" apenas desenvolvia a principal caricatura atribuída às classes populares.

Mas havia o caubói biriteiro do "sertanejo", os texanos de mentirinha do "forró eletrônico", o caribenho de comédia da axé-music, o italiano "dois pastel" do brega mais antigo, o negro abobalhado do pagodão pornográfico, o negro piegas do "pagode romântico".

Junte-se a isso uma imprensa sensacionalista que enfatiza o aberrante, o piegas e o pitoresco.

E um falso feminismo de mulheres que cumprem subservientes o papel de mercadorias sexuais.

Tudo isso sob o rótulo do "popular demais", como se o mau gosto fosse alguma "causa nobre".

Mas não é.

O dito "mau gosto popular" é apenas uma forma de forçar a barra da opinião pública progressista.

Forçá-la a aceitar como "sem preconceitos" uma imagem preconceituosa do povo pobre.

Um povo idiotizado e estranhamente resignado com sua pobreza e ignorância e cuja única forma de emancipação é pelo consumismo e não pela cidadania.

E é isso que sabotou os debates populares.

A "cultura popular demais" trazida pelo coronelismo midiático nacional e regional enfraqueceu as classes populares.

A intelectualidade "bacana" fez o povo se distrair com suas breguices, inventando que elas eram "o verdadeiro ativismo popular".

Com isso, os intelectuais "bacanas" que passeavam pelas redações da mídia esquerdista, na verdade, esvaziaram o debate público das esquerdas, que ficou esvaziado.

E aí os arautos da bregalização cultural abriram caminho para o governo cafona de Michel Temer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …

BREGALIZAÇÃO, GOLPE CULTURAL E ECONOMICISMO DAS ESQUERDAS

APARENTEMENTE DESPOLITIZADOS, DOM E RAVEL CANTARAM O BRASIL UFANISTA DE 1970, SIMBOLIZADO PELA VITÓRIA DA COPA DO MUNDO, CUJO TROFÉU DO TRI APARECE NAS MÃOS DO GENERAL MÉDICI.

A bregalização cultural foi um golpe cultural que antecipou o golpe político de 2016.

Adestrados pelas elites intelectuais ligadas a Fernando Henrique Cardoso, os chamados intelectuais "bacanas" - assim chamados porque queriam parecer legais num cenário de anti-intelectualismo - iniciaram a retórica da defesa do brega-popularesco ou "popular demais".

Essa campanha, embora tenha como um dos precedentes um artigo acadêmico de Milton Moura em 1996, "Esses pagodes impertinentes...", foi oficialmente iniciada pelo livro Eu Não Sou Cachorro Não, de Paulo César de Araújo.

Araújo era muito badalado pela mídia hegemônica, cumprindo a agenda da bregalização que era a "menina dos olhos" das famílias Frias, Civita e Marinho.

São intelectuais que estavam treinando abordagens neoliberai…