Pular para o conteúdo principal

MARILENA CHAUÍ IRRITA DIREITA AO COMENTAR SOBRE SÉRGIO MORO


Marilena Chauí disse o óbvio.

O juiz midiático Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato, recebeu treinamento do FBI (Federal Bureau of Investigation), agência de investigação do governo dos EUA.

Moro, segundo Marilena, aprendeu técnicas usadas durante o macartismo (a campanha direitista do senador Joseph McCarthy, nos anos 1950) e depois da tragédia do 11 de setembro de 2001, que são a intimidação e a delação.

Marilena Chauí irritou a direita anti-PT, que no entanto teve que engolir a ampla repercussão dessa denúncia expressa em seu comentário.

Marilena é uma intelectual experiente.

Filósofa, ela pertenceu aos últimos quadros funcionais do lendário ISEB (Instituto Superior de Estudos Brasileiros), pouco antes da entidade ser fechada pela ditadura militar, em 1964.

Profunda conhecedora da realidade nacional, ela expôs os verdadeiros motivos da Operação Lava-Jato.

Através da desmoralização da Petrobras, a ideia é entregar o pré-sal (camadas de sal que contém reservas petrolíferas) para as "seis grandes" companhias de exploração de petróleo.

As "seis grandes" são: Esso, ExxonMobil, Shell, Texaco, BP e Chevron.

E vemos os bastidores desse negócio traiçoeiro nesse temeroso cenário político.

Sérgio Moro viaja com descomunal frequência para os EUA, bem mais para alguém que é apenas um juiz paranaense.

Certamente não é para ver os prédios de Nova York nem para se divertir na Disney, em Orlando.

É para entrar em contato com autoridades estadunidenses para bolar o plano de destruir a soberania brasileira, e negociar os meios de abrir caminho para as "irmãs" controlarem o pré-sal brasileiro.

É curioso que a mídia direitista fale tanto em Venezuela e no pré-sal brasileiro.

Venezuela é outro país com grandes reservas de petróleo.

Tanta campanha midiática é feita para desmoralizar governos progressistas.

E no Brasil, a Operação Lava-Jato, tendenciosa mas às vezes indo além do controle ideológico, com a divulgação da delação de Sérgio Machado atirando contra seus aliados tucanos e peemedebistas, tenta ser uma máquina de desmoralizar petistas.

E Sérgio Moro, que se diz "sem envolvimentos político-ideológicos", participando de eventos do PSDB.

Além de Moro, José Serra também é outro que está articulando a venda do pré-sal para os estrangeiros e, para breve, a privatização da Petrobras, a ser vendida provavelmente para consórcios em que empresas brasileiras apenas mascaram o controle de corporações estrangeiras.

Ironicamente, é o mesmo José Serra que estava no comício de João Goulart na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, em 1964, quando o então presidente do Brasil prometia reformas de base e a preservação do bem público, como o monopólio da Petrobras em todos os setores petrolíferos.

José Serra mudou de lado, comprovam os fatos históricos.

E ele, ao lado de Henrique Meirelles, é o "super-herói" do tenebroso e temeroso governo de Michel Temer.

Sob a desculpa de recuperar a economia, pretendem dizimar as conquistas sociais, reduzir os investimentos na sociedade e promover uma farra financeira para os investidores estrangeiros.

Os tempos estão mesmo sombrios e mais uma vez Tio Sam quer bancar o "dono" do Brasil.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…