Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÃO DE RODRIGO MAIA CONSAGRA PLUTOCRACIA

QUANTO RISO, OH, QUANTA ALEGRIA...

A eleição de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara dos Deputados foi comemorada pela mídia oligárquica.

Era, aparentemente, o fim dos tempos do encrenqueiro Eduardo Cunha.

Este defendia seu parceiro Rogério Rosso para dar continuidade às pautas-bombas na casa legislativa.

Michel Temer, o interino que teima em ser efetivo, também apoiava Rosso.

Mas fizeram uma manobra para não saírem perdendo, mesmo com a derrota do seu candidato.

Polarizando Rodrigo Maia, do DEM carioca, com Rosso, é como se colocasse o jerimum para concorrer com a abóbora.

Foi derrotar o seis pela vitória do meia-dúzia.

Como integrante do DEM, partido parceiro das aves de rapina do PSDB (é bom deixar claro que os tucanos são fãs ardorosos da águia estadunidense), Maia também agrada ao projeto político vigente.

Claramente conservador, Maia vai ajudar Temer a implantar sua agenda retrógrada.

Fará uma parte do Legislativo se dobrar à decadente "Ponte para o Futuro".

Rodrigo Maia chega a ser mais reacionário que o pai, César Maia que, pelo menos, um dia foi comunista e chegou a estar ligado a Leonel Brizola.

Se o grupo de Eduardo Paes já era reacionário e antipopular, embora festivos o suficiente para se passarem por "amigos do povo", Rodrigo Maia é sombrio de tão reaça.

As esquerdas, fragmentadas e transtornadas, tinham opções como o peemedebista Marcelo Castro, que não compartilhou do golpismo anti-Dilma, e Luíza Erundina, ainda mais eminentemente esquerdista.

Tiveram que deixar ocorrer a "polarização" de iguais, restando a Castro um suado terceiro lugar na votação dos deputados federais.

Com Rodrigo Maia, a plutocracia que assaltou o poder está consagrada.

Maia vai seguir a cartilha de Michel Temer direitinho. Aliás, nem precisa Temer ordenar ou coordenar alguma coisa. Maia fará tudo com gosto.

Afinal, eles têm interesses comuns.

A derrubada de conquistas sociais, a redução do Estado a níveis anoréxicos, o corte de gastos sociais e o aumento de gastos plutocráticos, a entrega do Pré-Sal e do que vier para as corporações gringas.

E a sociedade brasileira feliz com essa ficção maravilhosa que aparece na TV.

A "doce vida" do governo Michel Temer, tirando os "petralhas" do poder.

Muitos achando que Temer fará a renda chegar inteira aos trabalhadores.

Coitados dos que vestiram verde e amarelo para fazer o papelão reacionário dos protextos "coxinhas".

O dinheiro que Temer arrecadará com o "combate à recessão" será repartido para as elites solidárias.

Ao povo, só caberão as migalhas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…