Pular para o conteúdo principal

O BAIXO ASTRAL OLÍMPICO DO BRASIL TEMEROSO

O "SUPER-DIPLOMATA" JOSÉ SERRA NÃO CONSEGUIU ATRAIR AUTORIDADES PARA A RIO 2016.

Não há como disfarçar. A Era Temer deixou o Brasil temeroso.

As pessoas que gritavam "Fora Dilma", antes de maio passado, estão acomodadas e tranquilas.

Mas também envergonhadas.

Ou então desinformadas, já que a grande imprensa brasileira anda deformando os fatos. Ela só raramente informa adequadamente as notícias e, mesmo assim, fora da política brasileira.

Ninguém sabe que pode trabalhar mais e ganhar salários menores.

Ou que pode ver o dinheiro público indo embora para as contas pessoais dos mesmos "admiráveis" políticos do PSDB e PMDB nos quais o povo botou fé para o "combate à recessão".

A onda de privatizações anunciada por Michel Temer pode fazer parecer a privataria da Era FHC parecer brincadeira de criança pequena.

Temer vai botar pra quebrar no seu governo efetivo. Literalmente.

Não há como esconder esse clima fúnebre, mesmo que a grande mídia se esforce em trazer algo próximo de um relativo otimismo.

As Olimpíadas começarão dentro desse clima melancólico e envergonhado.

Houve até um factoide trazido pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Ex-secretário de Alckmin e que havia sido advogado de defesa de criminosos do PCC.

Moraes tentou deter brasileiros supostamente envolvidos em planos de atentados terroristas.

Um deles foi identificado como praticante de Paintball, joguinho no qual pessoas brincam de atirar tintas umas às outras através de uma pistola de brinquedo.

Terrorista de Paintball, vejam só!

Mas o dado irônico está na presença anunciada de autoridades mundiais que comparecerão na cerimônia de abertura da Rio 2016.

45 chefes de Estado. Sim, 45, que é o número de registro do PSDB do "super-diplomata" José Serra, um dos "heróis" do governo Temer, na condição de ministro das Relações Exteriores.

Pelo menos alguns representantes da plutocracia anunciaram presença.

Maurício Macri, da Argentina, Horácio Cartes, do Paraguai e Juan Manuel Santos, da Colômbia.

François Hollande, que parece ter largado o centro-esquerdismo, também anunciou sua vinda.

E John Kerry, do Departamento de Estado dos EUA, representará a nação de Tio Sam, hoje se preparando para uma corrida eleitoral para a sucessão de Barack Obama.

Mas ele recebeu do Congresso estadunidense uma recomendação para não sair elogiando o governo golpista de Michel Temer.

Poderá despertar suspeitas, diante do que a Internet hoje publica do temeroso governo, que muitos já desconfiam ter o habitual patrocínio das empresas estadunidenses e de nações amigas.

Em todo caso, nota-se o baixo astral em proporções olímpicas do governo Michel Temer.

Os que pediram "Fora Dilma" não têm coragem hoje de dizer que apoiam o "novo" governo.

Acham apenas que, se Dilma for afastada "dilma vez", tudo vai melhorar.

Mas não ficam nas mídias sociais apoiando Temer abertamente, mas na surdina.

Ficam escrevendo sobre gatinhos, receita de bolo, selfies com os afilhados e poeminha sobre árvores.

Até que o governo temeroso mostre sua face horrenda depois do fim de agosto.

Até lá, muitos ignoram o doping político que se pratica desde maio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…