Pular para o conteúdo principal

SOB DESCULPAS "TÉCNICAS", GOVERNO TEMER E ALIADOS FAZEM "LIMPEZA" IDEOLÓGICA


Na tecnocracia, se expressa a supremacia de arbitrariedades adotadas diante de uma reputação de suposta superioridade técnica ou movida por um aparato de racionalidade e transparência.

É isso que vemos em uma proposta e uma medida adotadas no entorno do governo de Michel Temer.

De um lado, o deputado do PSDB paulista, Bruno Covas, neto do membro-fundador Mário Covas, criou uma proposta exigindo obrigatoriedade de diploma para ministros de Estado na República.

De outro, é a demissão de 81 servidores de instituições ligadas ao Ministério da Cultura pelo titular da pasta, o carioca Marcelo Calero, ligado ao prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, de quem foi secretário de Cultura.

Em ambos os casos, o verniz de racionalidade se apoia em tais ideias.

A exigência do diploma, proposta por Bruno Covas, tem como pretexto a especialização técnica para assumir um respectivo ministério.

A exoneração dos servidores do Ministério da Cultura foi feita sob o pretexto de que eram "cargos comissionados", a serem substituídos por "servidores concursados".

Provavelmente, em concursos públicos que tenham Matemática ou Raciocínio Lógico-Quantitativo, porque o moralismo tecnocrata quer servidores com mentalidade calculista, mesmo que nunca viessem a trabalhar com eles.

No entanto, o verdadeiro motivo de um e de outro se revelam cruéis: a "limpeza" ideológica feita para eliminar as marcas do vínculo social das forças progressistas que atuaram nos governos do PT.

É uma forma de afastar qualquer sombra petista nas formas de lidar com a coisa pública, sob o pretexto de critérios técnicos que pouco dirão para a experiência vivencial do ministro ou do servidor.

Além disso, a demissão dos servidores ligados ao MinC tem um caráter revanchista.

Ela veio um dia após a Polícia Militar expulsar à força manifestantes que ainda ocupavam a Funarte, em total oposição ao governo Temer e descrentes com o simulacro de MinC que está aí.

Marcelo Calero, sobretudo, segue a desculpa "técnica" que fez Eduardo Paes, por exemplo, justificar as arbitrariedades impostas ao transporte coletivo, como pintura padronizada nas frotas de ônibus municipais e fim de linhas funcionais de ligação Zona Norte X Zona Sul.

Uma desculpa que só faltava ser dada pelo candidato à sucessão por Paes, Pedro Paulo Carvalho, que poderia ter definido as agressões à ex-mulher como "reações de caráter drástico a um diálogo mal-compreendido".

Calero usou a desculpa dos "cargos comissionados" para expulsar servidores oriundos de administrações petistas.

Se fosse um editor de Veja ou um "revoltado da Internet", a acusação seria primária: "envolvimento com o PT".

Quanto a Bruno Covas, a exigência de diploma vai na contramão de um governo que ameaça extinguir a Carteira de Trabalho com a precarização do emprego.

Uma racionalidade que só serve para sustentar intenções irracionais da plutocracia.

Que querem organicidade e organização só nos seus círculos elitistas e burocráticos.

Quanto ao povo, que reine o caos, a desordem e a precaridade.

Enquanto isso, os contos de fadas do "maravilhoso governo de salvação nacional" são lindamente noticiados nos telejornais.

Para o pessoal acreditar que o governo de Michel Temer irá salvar o país.

Coitados dos que acreditam nesses telejornais. Levarão um choque terrível ao verem (e admitirem) a realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…