Pular para o conteúdo principal

NA CULTURA "POPULAR DEMAIS", MULHER É "DONA" DO SEU CORPO, MAS OS MACHOS SÃO "SÓCIOS"


A intelectualidade "bacana" que queria um Brasil mais brega tentava reduzir o feminismo a uma sucursal do machismo.

As mulheres eram "donas" do seu corpo, mas os homens tinham "participação societária".

Eram "sócios" de um mercado de ostentação de corpos femininos.

De musas "populares" que, representando frutas ou surgindo de banheiras da TV, sob a trilha sonora de "pagodões" e "pancadões", queriam forjar um "feminismo de resultados".

A única coisa "feminista" é a ausência aparente de namorados ou maridos.

Com direito a um discurso contraditório.

Num dia, a "siliconada" de plantão se dizia "solteira e feliz".

Noutro dia, ela reclamava que os homens "fugiam dela".

Num momento, ela se julga "dona de seu próprio nariz".

Noutra, ela diz que "namora os fãs".

Se acha dona do seu corpo, mas exibe fotos "sensuais" na Internet.

Ela se acha com a "liberdade do corpo", mas se torna escrava dele.

"Liberdade do corpo" não é liberdade da alma, da consciência.

É a consciência da mulher que define o direito que ela tem pelo seu corpo.

Se o corpo tem "liberdade", mas a consciência não, a alma não é livre.

Ainda mais quando a "liberdade do corpo" é pretexto para a ostentação pura e simples.

Se a moça adora andar nua em casa ou "mostrar demais", para que dizer isso na mídia?

Para deixar os machos mais afoitos?

Essa "cultura", dita "popular", apresentou várias contradições.

Tratando as classes populares de forma caricatural, despejava nelas valores retrógrados disfarçados de "modernos".

Daí a "felicidade" em viver numa favela desconfortável e perigosa.

E, nas mulheres, havia a ideologia de que a erotização era "o máximo".

Intelectuais "bacanas" reclamavam da exploração caricatural da mulher de classe média nos comerciais de TV.

Mas quando era na dita "cultura popular", essa mesma caricatura era vista como "realista".

A mulher de classe média podia preservar seu corpo do assédio masculino e da hipersexualização simbólica.

A das "classes populares" nem tanto, a intelectualidade "bacana" até dizia que era "iniciação sexual" das mais jovens e "afirmação feminina" das adultas.

E defendiam a prostituição, um mercado machista travestido de "autoafirmação feminista".

Tentaram até "proletarizar" a prostituição, para que as moças pobres "não precisassem" ter um emprego mais digno, que lhe trouxesse a verdadeira inclusão sexual.

Trancada nos seus colegiados acadêmicos, nas salas de produção ou em seus apartamentos confortáveis, os provocativos intelectuais "bacanas" não sabem o drama das prostitutas.

Exploradas, se não por cafetões, pelo menos por fregueses arrogantes e agressivos.

Elas podiam ser professoras, advogadas, cozinheiras, economistas, costureiras, modelos etc.

Mas a intelectualidade "bacana" só queria que elas fossem prostitutas.

Era para garantir o consumo de outros "bacanas" não necessariamente intelectuais.

Dinheirismo oco, consumismo sem cidadania, travestido de "ativismo das periferias".

Essa farsa da exploração do corpo feminino iludiu muitas mulheres pobres.

Confundiu-se o direito ao corpo com a ostentação do mesmo.

Confundiu-se o direito da mulher pobre vestir-se como quiser com o ato de vestir-se como os homens queriam.

Confundiu-se o direito da mulher pobre valorizar seu corpo com a valorização do corpo dela por outros homens.

Voyeurismo muito mal disfarçado, escancarado pela mídia "popular" e omitido pelo discurso intelectualoide.

A mulher das classes populares era enganada pela intelectualidade "bacana".

Que lhe vendia erotização barata como se fosse "feminismo".

A intelectualidade "bacana" entregou as mulheres das periferias aos estupradores.

Tudo por causa do mundo "fácil" das musas siliconadas, ou do "discurso direto" das funqueiras.

Um machismo sem macho, em que mulheres podem até ser donas de seus corpos, mas os homens eram seus "sócios".

Triste situação. Triste intelectualidade que pensa assim e ainda se acha progressista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…