Pular para o conteúdo principal

PPS FAZ UM PAPELÃO PROPONDO "UMA NOVA ESQUERDA"


Propagandas do PPS veiculadas nos últimos dias nas redes de televisão dão o tom patético do partido.

Seus membros pregam uma "nova esquerda", mais "democrática", para o Brasil.

Depois que o PPS aceitou ser um partido-satélite do PSDB, deixou de ser esquerda.

O PSDB também se dizia de esquerda, mas seu neoliberalismo o empurrou para a direita.

Com mais apetite do que o DEM, partido que havia sido, em "encarnações" anteriores, o PFL, PDS, ARENA e UDN.

O DEM, ainda sob o nome PFL, havia sido parceiro do PSDB no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Mas o partido minguou quando "caciques" como Antônio Carlos Magalhães faleceram ou decaíram.

E aí o PSDB acumulou, para si, a antiga força do DEM, que virou um partido-satélite.

E o apetite dos tucanos para o direitismo tornou-se mais forte ainda.

Tanto que Fernando Henrique Cardoso, de esquerdista moderado no pré-1964, virou "centro" durante a ditadura militar, e se "endireitou" nos anos 1990, formando uma comitiva de intelectuais culturais que, no entanto, fingiu ser petista por uns trocados da Lei Rouanet.

Fala-se da intelectualidade "bacana" que queria bregalizar a música brasileira e a cultura popular em geral, querendo transformar o jabaculê de hoje no folclore de amanhã.

Em 2002, FHC então virou direitista de vez.

E o ápice disso foi o repúdio que recebeu de uma entidade da América Latina.

Teve que cancelar uma palestra que faria sobre os "novos rumos" do Brasil.

E Roberto Freire?

Conterrâneo de Lula, ele foi comunista, mas foi para o MDB pelo bom comportamento durante a ditadura militar.

Foi poupado pelos generais como nem Carlos Lacerda, jornalista, ex-governador da antiga Guanabara (cidade do Rio de Janeiro) e propagandista do golpe de 1964, conseguiu ser.

Retomou o comunismo com a redemocratização, mas com o gradual fim da União Soviética, foi posar de Gorbachev brasileiro.

Tornou-se centro-esquerda até o começo do governo Lula, quando, aos poucos, Roberto Freire começou a se tornar oposição.

Roberto Freire teve um xará médico e jornalista, que trabalhou na revista Realidade e fundou a revista Caros Amigos. Já faleceu.

Já o Roberto Freire do PPS, aos poucos, foi se "endireitando" e resolveu ficar aliado do PSDB e do DEM.

Viraram o trio direitista do anti-lulismo: PSDB, DEM e PPS.

E atraíram o PMDB para seu apoio, e primeiro Eduardo Cunha, inexpressivo político carioca que o povo de um Estado do Rio de Janeiro decadente elegeu para a Câmara Federal.

Depois, Michel Temer resolveu chutar o pau da barraca e também foi para a oposição.

E aí, vemos o quadro político que se tornou. Desastroso.

E o PPS, mesmo sustentando um governo de direita, ainda fala em "nova esquerda".

Só se for a "esquerda" de sua imaginação.

Uma "esquerda" castrada e domesticada.

Diferente do que a atual oposição que luta contra Temer e despreza partidos como o PPS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…