Pular para o conteúdo principal

KARL MARX É "BAILE DE FAVELA"? E GUY DEBORD, TAMBÉM?


Pode parecer uma paródia.

Estudantes de uma escola de Curitiba, a Escola Municipal Profª Maria Gai Grendel, fazendo uma versão de "Baile de Favela", do funqueiro-ostentação MC João, mas citando ideias marxistas.

"Karl Marx é 'baile de favela", diz um trecho da manifestação.

A ideia é protestar contra a expulsão de uma professora, Gabriela, que ensinava Sociologia e foi condenada por ensinar o pensamento do famoso economista alemão, ícone do socialismo científico.

Seria um protesto contra a implantação sutil do projeto Escola Sem Partido nas escolas do país.

Até aí, nada de mais.

O problema é, mais uma vez, o vínculo forçado do "funk" ao esquerdismo.

Se o "funk" estivesse na dele, sendo um pop dançante sem muito compromisso, não sendo levado a sério demais, não haveria problema.

O problema é que o "funk" quer se impor como "ativismo" e tenta se apropriar do esquerdismo para levar vantagem.

O "funk" sempre soou como um acalanto para os barões da mídia, por ser ao mesmo tempo um ritmo comercial, que aborda o povo pobre de maneira caricata e desvia o foco dos debates culturais de esquerda.

O "funk" não veio de Marte. Veio da Globo. "Funk" é o Caldeirão. Do Luciano Huck.

A propósito, um dos propagandistas do Escola Sem Partido é bastante conhecido e adorado pelos funqueiros.


 Trata-se de Alexandre Frota, que teve uma breve passagem como ator pornô, empresariou funqueiras e criou as precursoras das mulheres-frutas do gênero.

Foi ele que criou a "Enfermeira do Funk", em 2001.

Nessa época, a jornalista Bia Abramo, no seu texto "O funk e a juventude pobre carioca", classificou uma ação judicial promovida por enfermeiras de verdade como "moralismo hipócrita".

As enfermeiras podem sofrer discriminação. O "funk", não.

Bia acabou defendendo uma cliente de Alexandre Frota, que nunca foi alguém identificado com as causas progressistas.


Frota até tentou uma carreira de ator sério, participou das novelas Roque Santeiro e Sassaricando, mas depois mergulhou no popularesco de vez.

E nem de longe Frota parecia ter militado no esquerdismo.

Pelo menos temos que admitir que Reinaldo Azevedo, Lobão, Marcelo Madureira e até mesmo Olavo de Carvalho haviam sido esquerdistas uma vez.

Alexandre Frota, não. Ele ingressou na direita não como um esquerdista frustrado (ou "ex-querdista"), mas como um homem originalmente "sem ideologias".

E foi justamente sob este pretexto de "sem ideologias" que ele apoiou o projeto Escola Sem Partido, idealizado por Miguel Najib e apoiado por diversos parlamentares de todo o país.

Quanto ao "funk", pode não ser culpa da juventude a escolha do ritmo para tal processo.

Vivemos numa sociedade hipermidiatizada, dominada pela sociedade do espetáculo.

Aqui não há um equivalente a Guy Debord para questionarmos os excessos movidos pela espetacularização, pelo consumismo e pela overdose de informações.

Em vez de questionarmos, aceitamos tudo isso como se fossem a "salvação da pátria".

Temos até similares a Guy Debord mas a burocracia acadêmica e o habitual rabo preso econômico barraram tais intelectuais nas primeiras inscrições para a pós-graduação.

Paciência, é o país de Sérgio Moro e sua parcialidade.

Curitiba é o reduto de Moro, uma cidade que acompanha a decadência do Sul e Sudeste.

Antes desenvolvidas, as duas regiões sofrem um surto violento de provincianismo, experimentando retrocessos antes típicos do Norte e Nordeste.

Junte-se o cenário midiático de Curitiba, quase totalmente plutocrático, e veja o que temos.

Jovens usando um "funk" para fazer um protesto progressista.

Só que usam um "instrumento" da direita para defender uma causa esquerdista.

O "funk" é o Cabo Anselmo de hoje. Forja um esquerdismo que, mesmo postiço, empolga muitos pela catarse que produz.

Mas o "funk" comprovou-se colaborar para a CIA - é defendido por instituições financiadas por entidades ligadas a esse órgão - e já traiu as esquerdas bem mais do que o temível militar, já que, a cada vitória obtida, os funqueiros sempre comemoram abraçados aos barões da mídia.

Karl Marx é "baile de favela"? Não.

Guy Debord também não poderia ser.

Mas Cabo Anselmo é "baile de favela". E a Rede Globo, sobretudo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…