Pular para o conteúdo principal

UOL, DA FAMIGLIA FRIAS, PUXA O FUNK AUTÊNTICO PARA A BRASA DA SARDINHA FUNQUEIRA


O artigo é até bem intencionado, mas segue a recomendação editorial de vincular o "funk carioca", entre aspas, ao funk autêntico.

Sabemos que esse vínculo é muito, muito forçado.

O chamado "batidão", como é o "funk carioca" lançado em 1990, havia rompido com as lições do funk autêntico original.

Foram os grandes DJs e animadores da black music carioca morrerem, como Cidinho Cambalhota, Ademir Lemos e Messiê Limá, discípulos de Newton "Big Boy " Duarte morrerem, para seus pupilos chutarem o pau da barraca e iniciarem uma corrida maluca pelo dinheiro.

Reduziram o legado do funk autêntico a um primário e simplório karaokê de MCs com voz esganiçada.

A única "melodia" possível não passava de paródias de cantiga de roda.

Tinha até "Atirei o Pau no Gato" adaptado a uma letra de "funk".

O som era considerado risível nos anos 1990, tal era seu caráter tosco.

Mas hoje esse mesmo som é considerado "canção de protesto".

Falam que é por causa do tal "fim do preconceito", mas, analisando profundamente, esse "protesto" é tão inócuo que se botasse um "funk" no desfile de Sete de Setembro do começo dos anos 1970, os envolvidos só seriam presos por indisciplina, e não por "subversão ao regime".

O próprio "funk", influenciado pelo miami bass, não poderia ser considerado ameaça aos interesses da ditadura militar.

O "funk" fala o mesmo idioma da plutocracia americanófila e aborda a mesma imagem de povo pobre que os investidores estrangeiros gostariam que prevalecesse.

Uma imagem bem mais caricatural do que chanchadas da Atlântida, já que o povo pobre, neste caso, passava uma imagem "alienada", porém sociologicamente verossímil.

Agora, com toda a desesperada blindagem em torno do "funk", o portal da famiglia Frias, o UOL, tenta juntar os pedaços rasgados.

De repente, uma genial banda de funk autêntico, do Rio de Janeiro, a Banda Black Rio (foto acima), e artistas grandiosos como Gerson King Kombo e Tony Tornado (atualmente no elenco do humorístico Zorra, da Rede Globo), são agora "referência" para o "funk carioca".

Em 1990 não era assim. O hoje chamado "funk de raiz" ficava ensimesmado no simplório som de uma batida eletrônica e uma voz (tosca e ruim) de um MC.

O MC não podia tocar gaita, tocar violão ou guitarra ou acrescentar algum som naquela estrutura tosca e brutal. Seu único "instrumento" era o microfone.

O "funk carioca" primou pelo excessivo rigor estético, ainda que nivelado por baixo, para produzir uma "imagem" do povo pobre que agradasse ao mercado e à sociedade paternalistas.

Comparando com o samba e o rock, é um dado vergonhoso.

O samba sempre marcou pelo instrumental forte, pela vibração musical plena, pela força das canções e por melodias que haviam mesmo quando o ritmo é que predominava, através dos batuques.

O samba brasileiro acolheu o violão, a viola, o cavaquinho e até o banjo, que muitos pensam ser tão somente um instrumento do country estadunidense.

O rock simplificou a estrutura musical do jazz, mas sempre foi aberto a todo tipo de instrumento.

Os primeiros sucessos do rock contavam com acompanhamento de metais e, não obstante, até de instrumentos de cordas.

E, em menos de dez anos de sucesso, víamos exemplos arrojados como, em 1960, uma vocalista de apoio de Bo Diddley ser também guitarrista.

Em quinze anos o MC do "funk" não havia aparecido tocando regularmente um instrumento musical.

Alguém sabe de uma instrumentista entre as "abusadas" de Leandro e As Abusadas?

Isso é uma aberração se percebermos que a black music brasileira sempre marcou pelo instrumental forte.

A Banda Black Rio era um conjunto basicamente instrumental, mas também instrumentistas acompanhavam cantores solo, como Gerson e Tornado.

O próprio Tim Maia tinha uma banda e orquestra, Vitória Régia, com uma grande sessão de metais e de cordas.

Tim Maia era até considerado chato com tanta preocupação com a qualidade musical.

Ele pensava como um maestro, um arranjador, tinha um ouvido apurado e, mesmo quando não tocava instrumentos, sempre estava atento.

Se um solo do guitarrista saísse do tom e se não houvesse harmonia de violinos e violoncelos, Tim se aborrecia e reclamava.

Neste sentido, Tim Maia era o "João Gilberto" do soul, sempre exigente com a acústica e a qualidade instrumental. Música em primeiro lugar.

Hoje, infelizmente, muitos intelectuais, até mesmo por boa-fé, imaginam a música não como música, mas como "comportamento".

Aquele que arrancar mais vaias de setores elitistas da sociedade vira "gênio", vira "herói" da temporada, símbolo de qualquer ideia triunfante.

Ninguém se atenta que muito do que se rotula como "vanguarda" hoje não passa de uma busca desesperada por alguém que tão somente incomodasse os almoços das famílias abastadas.

Seja um branquelo com cabelo black power fazendo um pastiche de sambalanço com sctratch ruim de hip hop - desses em que o DJ apenas "esfrega" o vinil na vitrola - , seja uma mulher pouco atrativa e enfezada, que mostra seios na rua ou fala mal de ex-namorados.

E isso mostra o provincianismo que virou pandemia em todo o Brasil.

Isso porque cantora enfezada falando mal de ex-namorados ou exibindo os seios nus até para a polícia são coisas previsíveis até no mainstream do mainstream do mainstream do pop estadunidense.

Tem muita gente preocupada em "incomodar", "assustar", "sacudir", mas se esquece de parar um momento e compor uma música que preste.

Mas, paciência, são poucos os brasileiros que prestam atenção na música.

Muitos são apressados em procurar a próxima mina de ouro no primeiro terreno baldio que estiver à sua frente.

A intelectualidade apressada e sem tempo para ouvir música com atenção já procurou novos Jackson do Pandeiro, João Gilberto e Elza Soares em qualquer medíocre de plantão.

A ideia é falar mal de namorado, elogiar a favela, criticar a polícia, lançar expressões tolas como "lepo-lepo" e incomodar os almoços nos condomínios de luxo.

No entanto, se esquece que a música não tem valor sem a música.

Boa música, assim como não é aquela que necessariamente, comove as pessoas com "boas mensagens", também não é aquela que necessariamente incomoda as elites estabelecidas.

Se esquecendo da música, fica fácil pedir para jornalistas que até conhecem bem música forçarem um vínculo entre o funk autêntico original e o "funk carioca".

Pode não ser a intenção do jornalista, mas é a do editor-chefe.

Em se tratando do UOL, propriedade da famiglia Frias, faz sentido.

Otávio Frias Filho é um dos artífices da imagem do "funk carioca" como "ativismo cultural".

Através dele e da Rede Globo, a espetacularização da pobreza se deu ao som do "pancadão".

O que nada tinha a ver com o antigo funk autêntico. Esse sim, musicalmente forte e, em atitude, mais comportado, sóbrio, e sem apologia à ignorância, à violência nem a valores retrógrados.

Não havia baixaria no funk autêntico.

Daí não fazer sentido associar o "funk carioca" pós-1990 ao rico cenário black carioca dos anos 1970.

Um copo quebrado não se recompõe colando os pedaços. Não vira mais um copo inteiro.

Sempre haverá a marca de uma rachadura.

O "funk carioca" de hoje e seus derivados tentam acolher várias linguagens musicais, samplear trumpete, violoncelo, botar MC para tocar violão, gaita, percussão.

Tarde demais. O "funk" tenta agora reunir os cacos de um vidro que quebrou de propósito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …

BREGALIZAÇÃO, GOLPE CULTURAL E ECONOMICISMO DAS ESQUERDAS

APARENTEMENTE DESPOLITIZADOS, DOM E RAVEL CANTARAM O BRASIL UFANISTA DE 1970, SIMBOLIZADO PELA VITÓRIA DA COPA DO MUNDO, CUJO TROFÉU DO TRI APARECE NAS MÃOS DO GENERAL MÉDICI.

A bregalização cultural foi um golpe cultural que antecipou o golpe político de 2016.

Adestrados pelas elites intelectuais ligadas a Fernando Henrique Cardoso, os chamados intelectuais "bacanas" - assim chamados porque queriam parecer legais num cenário de anti-intelectualismo - iniciaram a retórica da defesa do brega-popularesco ou "popular demais".

Essa campanha, embora tenha como um dos precedentes um artigo acadêmico de Milton Moura em 1996, "Esses pagodes impertinentes...", foi oficialmente iniciada pelo livro Eu Não Sou Cachorro Não, de Paulo César de Araújo.

Araújo era muito badalado pela mídia hegemônica, cumprindo a agenda da bregalização que era a "menina dos olhos" das famílias Frias, Civita e Marinho.

São intelectuais que estavam treinando abordagens neoliberai…