Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER EM BAIXA E A BURRICE DOS REAÇAS

MICHEL TEMER E O "SUPER-HERÓI" HENRIQUE MEIRELLES.

O governo Michel Temer deve ser o governo dos "quenuncas".

A turma do "Quem Nunca Erra?" já é uma espécie estranha.

Afinal, eles fazem o marketing do erro, que vira um meio de autopromoção.

Todo mundo erra na vida, mas ficar orgulhoso com isso é que é estranho.

E aí todos ficam conformados com os escândalos do governo Temer.

Leia-se "todos" os que são setores influentes da opinião pública.

Desde o internauta comum que acha que Lula e Dilma Rousseff são "mafiosos" até o histérico urubólogo da grande imprensa que pensa a mesma coisa.

E que parecem pouco preocupados com o andamento do governo de Michel Temer.

Que se torna uma incessante coleção de escândalos e incidentes graves.

"Quem nunca erra? Deixe ele governar", é o que querem dizer os reaças burros.

Que estão pouco preocupados com figuras tenebrosas como o deputado afastado Eduardo Cunha, que age como se fosse um consultor do governo Temer.

Que estão pouco preocupados com o projeto de precarização do mercado de trabalho.

Que estão pouco preocupados com a roubalheira do PMDB, muito pior do que a que se atribui ao PT.

Que estão pouco preocupados com o cafajestismo político de Aécio Neves.

Que ficam indiferentes aos 13% que Michel Temer teve nas pesquisas do Ibope.

Pesquisas que foram encomendadas pela Confederação Nacional da Indústria.

A grande mídia se silencia diante da impopularidade do governo Temer.

Ou, quando menciona, tenta fazer ressalva.

O Jornal da Band disse que "a boa notícia" é que Temer tem três pontos a mais do que Dilma no momento mais crônico de sua crise.

Michel Temer está em baixa e cheio de escândalos graves.

Um deles traz indícios de envolvimento do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em esquema de corrupção quando ele integrava o conselho consultivo da Friboi.

Sim a mesma Friboi de Joesley Batista, marido da jornalista Ticiana Villas-Boas.

A mesma Friboi que a mídia privada inventou ser empresa do filho de Lula.

Tentou-se achar o filho de Lula e foi encontrado o "super-herói" do governo Temer.

Henrique Meirelles nega envolvimento e os porta-vozes da grande mídia ficam muito cautelosos.

Não é um petista que sofre a mesma denúncia.

Um neoliberal envolvido em denúncias mais prováveis é menos sujeito a punição do que um petista citado em um rumor vago e sem muito fundamento.

O que os reaças querem é que o PT fique fora do poder.

Pouco importando se Eduardo Cunha passe a manobrar o governo Temer nos bastidores.

Pouco importando se Henrique Meirelles irá agir em nome dos interesses dos mais ricos.

Pouco importando se Aécio Neves irá desviar mais dinheiro público para ele e seus amiguinhos.

O presidente interino Michel Temer está em baixa.

Mas o Brasil está num nível pior ainda.

Com boa parte dos brasileiros, iludidos, achando que preferem um país pior, desde que sem o PT no poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…