Pular para o conteúdo principal

RATINHO E TOMATE ACUSADOS DE IRREGULARIDADES TRABALHISTAS


Escândalo na chamada "cultura popular demais".

O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, ícone dos anos 90, e o cantor Fabrício Cardoso Kraychete, o Tomate, ídolo da axé-music, são acusados de cometer crimes trabalhistas.

Ratinho é acusado de explorar mão-de-obra, em sua fazenda, Esplanada, em Limeira do Oeste (SP), em condições análogas à escravidão.

Segundo o Tribunal Superior do Trabalho, a propriedade não oferecia equipamentos de segurança, alojamento ou alimentação adequada.

Os funcionários tinham que se alimentar no banheiro ou na lavoura.

Ratinho também foi acusado de contratações irregulares no Maranhão, Bahia e Minas Gerais, onde o Ministério Público do Trabalho lançou uma Ação Civil Pública contra o apresentador.

Ratinho chegou a solicitar a exclusão da ACP, mas o MPT enviou ação para o TST, aceitando o recurso contra o apresentador, que mandou um comunicado negando as acusações.

Ratinho foi condenado a pagar R$ 200 mil por danos morais coletivos aos funcionários da Fazenda Esplanada e poderá pagar R$ 1 milhão para funcionários de Uberlândia.

Já o cantor Tomate poderá sofrer o bloqueio de contas e ativos financeiros de sua empresa de eventos e produções.

Com base em valor da dívida apurado na Justiça em 2013, Tomate é processado por um ex-produtor, Wilton Inácio Diniz, que estava trabalhando sem carteira assinada na empresa do cantor.

A dívida é aproximadamente de R$ 782 mil e Wilton trabalhou nesta condição entre 2004 e 2011.

Além disso, o produtor havia sido dispensado do emprego quando ficou doente de um problema muscular, o abcesso de psoas, que o fez ficar hospitalizado, o que constitui demissão sem justa causa.

Wilton afirma ter tido vínculo empregatício, o que gerou FGTS, adicional de 40%, seguro-desemprego e férias. A reclamação trabalhista está registrado no número 0000197-85. 2012.5.05.0028.

Não é a primeira vez que um ídolo da axé-music é acusado de explorar irregularmente seus empregados.

Bell Marques, então da banda Chiclete Com Banana, Durval Lélis, do Asa de Águia e Ivete Sangalo já sofreram processos semelhantes.

O mais grave deles, com Bell, envolveu o guitarrista Cacique Jhony, que não havia recebido assistência devida quando estava gravemente doente e era tratado não como músico da banda (ele aparecia nas fotos e fazia os solos de guitarra), mas como "mero empregado".

Há muita sujeira escondida sob o rótulo do "popular"...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…