Pular para o conteúdo principal

PARA A REVISTA ISTO É, O QUE É RUIM PARA OS EUA É BOM PARA O BRASIL


Patética a revista Isto É.

Na edição de 27 de julho (na verdade, distribuída três dias antes), a revista que passou a bater forte demais em Dilma Rousseff veio com uma "pérola".

Uma reportagem sobre o mal que Donald Trump, o candidato ultraconservador para a sucessão do presidente dos EUA Barack Obama, poderá causar ao mundo.

No subtítulo da capa, a revista define Trump como o "maior retrocesso de ideias que toma conta das nações desenvolvidas".

Para Isto É, os EUA não podem sofrer um retrocesso de ideias.

Mas o Brasil pode.

Isto É pode nunca ter sido o que possamos definir como mídia progressista.

Mas tinha uma conduta mais profissional, diferente do surto que tomou a revista nos últimos meses.

Agora a revista tem Rodrigo Constantino, o ex-articulista de Veja que participa da cúpula do Instituto Millenium.

E provavelmente contratará Marco Antônio Villa, historiador reaça que definiu João Goulart como um fraco e participou do "coral" midiático contra o PT.

A Isto É simplesmente agiu de forma ridícula.

Pois os EUA não podem retroceder mas o Brasil, que timidamente se esforçava para estar próximo de um país relativamente próspero, pode, e muito.

A grande mídia, Isto É incluída, anda defendendo desesperadamente o desgoverno de Michel Temer.

Escondem o corrupto Aécio Neves debaixo do tapete. Quando há uma denúncia contra ele, às vezes até publicam, mas tentam abafar.

Tratam os ministros Henrique Meirelles, da Fazenda, com o presidente do Banco Central, Ivan Goldfajn, de carona, e José Serra, das Relações Exteriores, como os "super-heróis" do Brasil de Temer.

Mesmo quando José Serra comete uma grande e séria gafe.

Em visita ao México, o antipático ministro disse cinicamente que o país está em perigo porque metade dos membros ocupantes do Senado daquele país são mulheres.

Machismo grotesco de alguém que é considerado um dos "heróis" da Era Temer.

Para a grande mídia, foi apenas um "momento de irreverência saudável de um grande diplomata".

Ou, na "pior das hipóteses", um "erro menor" de quem "quer acertar nas relações do Brasil com o mundo desenvolvido".

A grande mídia vive fora da realidade.

Tenta neutralizar a oposição ao presidente interino Michel Temer.

Uma vinheta da Globo News mostra a silhueta de Temer caminhando, diante de palavras como "esquerda", "direita", "retrocesso", "progresso" e "golpe".

Palavras soltas que o editor de imagem do canal noticioso dos irmãos Marinho colocava como meras ideias que cercavam um presidente que "continuava andando".

Como se Temer pudesse sobreviver a todas essas polêmicas.

Uma pesquisa do Ipsos revelou que o presidente interino só tem 6% de aprovação. Seu governo já caminha para três meses, esgotando o prazo para a votação final do impeachment da titular Dilma Rousseff.

Temer até agora não conseguiu agradar viva alma, exceto os elitistas e outros retrógrados convictos.

E aí Temer foi buscar o filhinho homônimo na escola, junto com a jovem (e bota jovem nisso) esposa Marcela, na tentativa de parecer simpático à sociedade.

Era uma forma de reverter a impopularidade registrada na pesquisa do Ipsos, dias depois da gafe apologista da pesquisa do Datafolha.

Temer até combinou com a imprensa para "registrar" o fato, mas outros pais de família se sentiram incomodados com a presença do temeroso governante.

Acabou se dando mal, com o assédio da imprensa que incomodou famílias comuns acostumadas ao sossego anônimo de levar e buscar a criançada.

O atrapalhado chefe de Estado acabou piorando ainda mais as coisas.

Mas ele tem o apoio da grande mídia.

Como a revista Isto É, que acha maligna uma figura como o empresário Donald Trump.

Mas acha bom que Michel Temer, sobre o qual cercam os mesmos retrocessos de ideias, defendidos por suas diversas bases de apoio, continue governando o país até 2018.

Isto É ainda terá um encalhe maior do que sofre, comparável às pilhas de revistas Veja que se amontoam nas bancas causando prejuízo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…