Pular para o conteúdo principal

A GUERRA CONTRA OS 'FAKES' DA INTERNET. FALTA COMBATER OS 'FAKES DO ALÉM'


O Movimento Brasil Livre (aka Movimento Me Livre do Brasil) anda amargando derrotas sucessivas.

Recentemente, tentou acelerar demais o já acelerado timing jurídico contra o ex-presidente Lula, e pediu ao Tribunal Superior Eleitoral uma antecipada postura pela inelegibilidade do petista.

O TSE precisa manter seu teatrinho, e além disso é subordinado ao Supremo Tribunal Federal, que já tem um plenário "seguramente" contrário a Lula, a começar pela presidente Carmen Lúcia e figurões como Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso.

Daí que o órgão superior eleitoral recusou o pedido dos rapazes do MBL para antecipar o banimento eleitoral a Lula com base na Lei da Ficha Limpa, que não foi apreciado ainda.

O MBL é ultraconservador, apesar de ser um movimento organizado por jovens.

Seus membros se esquecem que, numa sociedade ultraconservadora, o que vale é a hierarquia, seja por idade, tempo de serviço, cargo de liderança etc.

Isso significa que o MBL não pode mandar em tudo, daí o "não" do TSE a eles, apesar de compartilharem a mesma causa.

Outra derrota do MBL é a extinção de perfis e comunidades fake que estariam sendo responsáveis pela veiculação de notícias falsas no Facebook.

O Facebook retirou nada menos que 196 páginas e 87 perfis que estavam relacionados ao grupo de Kim Kataguiri, Renan Santos e Fernando Holiday.

O MBL, evidentemente, protestou em outros portais de redes sociais, alegando que era uma "censura à liberdade de expressão".

Um promotor do Ministério Público de Goiás, Aliton Benedito, pediu um prazo de 48 horas contadas de ontem para que o Facebook explica a retirada dos perfis, um a um.

Ailton atua como mais um reacionário nas redes sociais, conforme descreveu texto do Diário do Centro do Mundo.

Declarou-se simpatizante da macabra Escola Sem Partido e já convidou Kim Kataguiri para uma audiência sobre Segurança Pública e Manifestações Sociais, organizada por ele.

Ele deve estar incomodado com o banimento de seus ídolos nas redes sociais.

O Facebook não é um primor de progressismo, e Mark Zuckerberg é um capitalista tradicional, e age pressionado pelas circunstâncias.

Há uma luta no Brasil contra as fake news eleitorais, para evitar o "fator surpresa" da vitória eleitoral de Donald Trump, nos EUA, e da causa Brexit, nas relações entre a Grã-Bretanha e a União Europeia.

Só que existe também o perigo da mídia alternativa ser confundida com a mídia de fake news, e isso é ruim para a democracia.

Por outro lado, deveríamos nos preocupar também com os fakes do além que vem com mensagem água com açúcar para evitar desconfianças.

Todos gostam daquele falecido ídolo religioso que usava peruca, mas especialistas afirmam que ele foi um grande farsante e um ilusionista dos mais espertos.

O que ele fez com Humberto de Campos, incluindo um assédio moral de cunho religioso ao filho do mesmo nome, nem o pior inimigo seria capaz de fazer com sua vítima.

Os livros do pretenso "espírito Humberto de Campos" são comprovadamente fake, pela aberrante disparidade de estilos com a obra original deixada pelo escritor maranhense.

Ele usurpou os nomes de um grande número de mortos, promoveu sensacionalismo barato às custas da tragédia de muitas famílias e tudo isso em livros e cartas fake que prevaleceram porque traziam pretensas e pieguíssimas mensagens de "amor e paz".

O ídolo religioso foi feito semi-deus (um pretenso homem simples que se tornou pretensamente divinizado) com a ajuda da mídia hegemônica (TV Tupi / Rede Globo), o que diz muito da "caridade de lata-velha" que, no Triângulo Mineiro, antecipou Luciano Huck na encenação de "filantropia".

Uma "filantropia" na qual o prestígio do "benfeitor" (que não faz a caridade que se atribui a ele, mas se promove com a caridade de outrem) está acima de qualquer resultado dessa pretensa caridade, na verdade muitíssimo medíocres e, quando muito, apenas agindo em poucos e efêmeros casos.

Isso não é invenção. Afinal, nosso país seria outro se essa "caridade" realmente funcionasse. Teríamos atingindo níveis escandinavos de vida. Mas não chegamos sequer a isso e o Brasil está decaindo a olhos vistos, e olha que se adoram esses "filantropos" até com certo fanatismo.

E aí vemos uma linhagem de fakes iniciadas por esse homem - que, quando jovem, criou problemas ao nosso respeitável meio literário - , que, juntamente com seus sucessores, andou envergonhando o legado dos mortos, que não estão aí para reagir às mensagens que circulam com seus nomes.

Nem Getúlio Vargas, Raul Seixas, Noel Rosa e Renato Russo escaparam desses embustes. De Portugal, Antero de Quental e Eça de Queirós foram alguns dos atingidos, visando a promoção de "médiuns" que estão mais para "mídia" (venal) do que para mediunidade.

Pessoas comuns que, em supostas mensagens do além, mais parecem funcionários de igreja. Humberto de Campos rebaixado a um padreco de roça, apostando na patriotada à-la Galvão Bueno, alegando que o Brasil será "coração do mundo", o que é patético.

E aí veio, a partir de diversos oportunistas da "mediunidade" midiática, que fizeram verdadeiras traquinagens literárias.

Através delas, Olavo Bilac "perdeu" o talento de escrever belas métricas poéticas (que faziam seus versos se tornarem "musicais" quando recitados) e Casimiro de Abreu passou a "sentir alegria pelo sofrimento".

Com o tempo, vínhamos Raul Seixas rebaixado a um roqueiro arrependido mas abobalhado, Renato Russo a um patético militante igrejista, Getúlio Vargas a um débil orador à maneira de Odorico Paraguassu, Noel Rosa a um querubim débil-mental.

Chegou-se ao ponto de termos, nas redes sociais, intelectuais como Erich Fromm e Hannah Arendt com linguagem de youtuber e alegando que o Brasil vai liderar a comunidade das nações (?!).

Volta e meia surge um "morto" da moda em mensagens fake que são aceitas sem críticas, sob o pretexto de "promover o pão dos pobres e a paz no mundo".

Cássia Eller falando em dragões no mundo espiritual, Domingos Montagner tão igrejeiro que mais parece um ex-ator de novela bíblica da Record do que da novela regionalista Velho Chico.

Daqui a pouco teremos até "psicografia" de Marisa Letícia Lula da Silva pedindo para ninguém votar em Lula para "não causar problemas" e fazer uma estranha propaganda em favor de Geraldo Alckmin, ou então, o que é pior, Jair Bolsonaro.

Devemos desconfiar dessas mensagens, feitas sem um pingo de estudo do fenômeno inédito e complexo da comunicação com os mortos.

Que ninguém compre os livros desses fakes do além, que de forma evidente e, não raro, escancarada, destoam da personalidade original dos falecidos. Não é dizendo "vamos ser irmãos" que uma mensagem suspeita possa ser vista como autêntica.

É a divinização dos fakes "espirituais" e suas mensagens piegas, que aliás fazem muito sucesso nos redutos de fake news, que abre o caminho, previamente "abençoado" por tais mensagens, para a livre veiculação de notícias falsas, que podem causar estragos sociais incalculáveis.

É graças a essas mensagens fake que circulam livremente no mercado literário e nas redes sociais que se dá o exemplo propício para uma infinidade de páginas de notícias falsas, que se multiplicaram na Internet, conforme pude ver na busca do Google.

E tudo isso devido à responsabilidade da mídia hegemônica, que inventa pretensos filantropos para alcançar o máximo de adoração popular, da mesma forma que estimula o ódio a políticos progressistas a ponto de encorajar a publicação de notícias falsas.

Este é um Brasil que falta com a verdade.

Mesmo que a esquerda não ganhasse nas eleições, esperaria um Brasil, pelo menos, comprometido com um mínimo de honestidade, humildade e respeito humano.

Só que o que se vê é a espetacularização aqui e ali, seja com "funk" e com a exploração caricata da causa LGBTQ, seja com a adoração surreal dos "médiuns" e dos "mitos", o que pode botar o Brasil a perder.

A sociedade ultraconservadora está vivendo de ilusão demais, e dela faz a sua tirania. Ela precisa se desiludir um pouco, para aprender com a vida. As derrotas do MBL são um bom ensaio para isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O "JESTOR" JOÃO DÓRIA JR. E A EMBRATUR BREGA

Uma campanha publicitária promovendo a pobreza como atração turística.

Uma outra campanha promovendo a sensualidade feminina com um exotismo machista e fora do contexto.

Parece campanha de antropólogos, cineastas e jornalistas da intelectualidade "bacana" infiltrados nas esquerdas médias para promover uma imagem "positiva" das chamadas periferias.

Mas se trata das campanhas difundidas quando o hoje prefeito de São Paulo, o "jestor" e hoje tucano João Dória Jr., presidiu a Embratur, entre 1986 e 1988, durante o governo de José Sarney.

João Dória Jr. pensava em promover o "turismo da seca", mostrando a miséria do Nordeste para turistas munidos de muito conforto e vindos do Sul e Sudeste "pudessem conhecer".

Com um senso "sociológico" digno de um Luciano Huck, Dória Jr. queria transformar a fome em atração turística.

Ele antecipou em quinze anos o que a intelectualidade "bacana", à sua maneira, tentou fazer com a breg…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

NA BREGALIZAÇÃO DO PAÍS, A MPB ERA UM "PATRIMÔNIO ELITISTA"

Passado o longo verão do pretenso "combate ao preconceito" da bregalização, criou-se o monstro inesperado que se escondeu por trás do mito da "pobreza linda" e da "periferia legal".

Era o monstro do bolsonarismo, servido inesperadamente pelo "pobre de direita", um subproduto que a "cultura da periferia" ancorada pelo "funk" produziu à revelia de todos.

Ninguém imaginou que o "funk", vindo de um Estado ultraconservador que é o Rio de Janeiro nos últimos 30 anos, faria parte desse contexto.

Dirigentes funqueiros que, mesmo se passando por "esquerdistas convictos", faziam cobranças das esquerdas como se fossem articulistas de Veja, abriram caminho para o "mito".

Funqueiros apadrinhados por José Padilha, blindados pela Rede Globo, inseridos num contexto em que igrejas pentecostais faziam o contraponto moralista da libertinagem erótica dos "bailes funk", enganaram durante anos as forças pro…

A GROSSERIA DE SÍLVIO SANTOS COM CLÁUDIA LEITTE

Recém-convertido ao bolsonarismo, o apresentador Sílvio Santos cometeu uma grosseria gravíssima.

No programa beneficente Teleton, no último fim de semana, o dono do SBT recebeu a cantora Cláudia Leitte, que iria divulgar uma nova música, "Balancinho".

Usando um vestido justo e curto, cor de rosa, Cláudia recebeu um comentário grosseiro de Sílvio, assim que ele se recusou a abraçar a cantora baiana nascida em São Gonçalo (RJ).

"Esse negócio de abraçar me deixa excitado", disse o apresentador, sem medir cerimônia.

A cantora tentou disfarçar: "Você disse excitado de euforia, de entusiasmo, né?".

Sílvio respondeu: "Não, excitado é de excitado mesmo".

Houve gargalhadas na plateia e a esposa do apresentador e empresário, Íris Abravanel, fez um sorriso meio envergonhado.

Cláudia Leitte não escondeu sua expressão de aborrecimento e de profundo constrangimento.

É certo que, como cantora e compositora, Cláudia é discutível em muitos aspectos, mas deixemo…

MÍDIA ALTERNATIVA ALERTA SOBRE ESTRANHO PROLONGAMENTO DO CASO DA FACADA EM BOLSONARO

A mídia alternativa, como o portal Nocaute e o jornalista Joaquim de Oliveira, do Diário do Centro do Mundo, fazem um grave alerta.

A Polícia Federal, estranhamente, prorrogou por mais 15 dias, contados de ontem, 20 de setembro, as investigações sobre o atentado ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, à Presidência da República.

O titular da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais, Estado onde se situa o local do atentado, Juiz de Fora, delegado Rodrigo Morais, disse que perícias ainda estão sendo feitas no material colhido na casa do acusado, Adélio Bispo de Oliveira.

Um laptop, outro computador, quatro aparelhos celulares e outros documentos foram apreendidos da casa de Adélio, o jovem que tentou matar Jair com uma facada. Atualmente, o candidato está internado e em processo progressivo de recuperação de saúde.

O dado estranho é que o prazo se encerrará no próximo dia 05 de outubro, dois dias antes das votações de primeiro turno para presidente da República.

REI PIRRO VENCEU

As morsas do Alasca comemoraram a vitória do Rei Pirro. Agora as morsas devem aproveitar e comemorar, antes de darem seu salto mortal.

TV LINHAÇA - BOLSOMÍNIONS: "EU VIM DE GRA$A"

Os bolsomínions dizem que vão ver o "mito" de graça, mas a verdade é que o empresariado botou uma baita grana para a multidão ir ver Jair Bolsonaro. O povo vai de graça porque já pagaram as contas todas dele.

A IMPRENSA COMPLACENTE COM JAIR BOLSONARO, QUE AS AMEAÇA

Vivemos um período tão delicado que causa perplexidade no resto do mundo.

Não são poucos os alertas que são feitos para evitar que Jair Bolsonaro chegue ao comando da República.

O "mito" cresceu sem controle com uma indústria de fake news, despejadas para um público que se tornou viciado em WhatsApp.

Sociopatas que, há cerca de dez anos, se escondiam no Orkut em comunidades como "Odeio Acordar Cedo", correm o risco de governarem o país através de seu ídolo.

Ninguém consegue frear e, o que é surreal, na campanha do primeiro turno Bolsonaro crescia, ainda que artificialmente, depois de cada incidente negativo.

O jabaculê político rolava solto. De Paulo Guedes, o "posto Ipiranga" e virtual ministro da Fazenda do governo Bolsonaro, a Steve Bannon, o marqueteiro de Donald Trump.

Deixou-se Bolsonaro crescer, e tudo podia ser feito para evitar que ele chegasse ao segundo turno.

Muito se avisou para os eleitores não transformarem a urna eletrônica num balde de v…