Pular para o conteúdo principal

ANTENA 1 VOLTOU HONRANDO MAIS SUAS RAÍZES QUE A VIZINHA CIDADE


A popularesca Nativa FM foi embora. Voltou ao ar, para a alegria de muitos ouvintes, a Antena 1 do Rio de Janeiro, rádio de pop adulto que tinha um cuidado próprio na seleção de repertório, pois procurava explorar o hit-parade mas ir além, mostrando preciosidades como Laura Nyro e Herman's Hermits, por exemplo.

A orientação da emissora carioca é diferente da paulista - que só toca sucessos estrangeiros - e investe também em MPB. A Antena 1 paulistana sempre continuou no ar. Uma curiosidade também foi que eu pude vivenciar a breve existência da Antena 1 no dial de Salvador, furando o cerco do rádio FM local, brutalmente coronelista, bem sucedido mas abortado por causa dos interesses politiqueiros locais.

A Antena 1 carioca dá um banho de lição na Rádio Cidade, por honrar as raízes de sua programação. É certo que havia uma diferença, no princípio, porque a Antena 1 surgiu tão pop quanto a Rádio Cidade de 1977 e, se a locução ficou mais formal e o repertório mais calcado nas músicas antigas, mas, mesmo assim, a essência da proposta original não foi afetada, mas apenas adaptada.

Isso traz uma diferença enorme na Antena 1 (ou Antena Um, para diversificar a busca na Internet) em relação à Rádio Cidade, que nos seus 102,9 mhz voltou apenas como um nome, mas sem assumir novamente a proposta original, perdendo uma excelente chance de tocar Adele, Pharrell Williams, Nico & Vinz ou mostrar o lado musical da atriz Hailee Steinfeld.

A Rádio Cidade hoje é uma morta-viva, uma rádio que renega sua história e virou reduto de jovens reacionários que, há pouco tempo, ouviam Zezé di Camargo & Luciano e Exaltasamba em alto volume nos bares do Baixo Gávea e hoje se julgam "roqueirões" sem saber a diferença entre um solo de guitarra e um som de furadeira elétrica.

Nem rádio de rock autêntica a Rádio Cidade é, apesar de todo o oba-oba publicitário. Não existe rádio de rock autêntica no dial FM do RJ. Além disso, a equipe da Cidade é composta de gente da antiga Jovem Pan carioca, coordenada por um tal de Van Damme, ex-Beat 98, cuja experiência mais próxima do rock (e olhe lá!) foi através da divulgação do "sertanejo universitário". Um horror!

O despretensiosismo nem sempre caminha junto com a aparente rebeldia. A Antena 1, sendo rádio de pop adulto, tem maior liberdade de escolha de repertório, daí que pode tocar não apenas os sucessos costumeiros que as rádios de pop adulto tocam, mas podem ir mais fundo tocando nomes como Gerry Rafferty, Laura Nyro, Herman's Hermits e Hollies.

Já a Rádio Cidade, coitada, só toca duas músicas do Pink Floyd - as únicas que a emissora tocava quando era assumidamente pop, nos seus primórdios - , e fica se achando exibindo foto do AC/DC em suas propagandas de outdoor e transdoor, quando da banda australiana se limita a tocar tão somente "Back In Black", quase nada diante de tantos clássicos da admirável banda.

Por isso, bem vinda ao dial novamente, Antena 1. Que a rádio dos 103,7 continue honrando suas raízes, sua trajetória sóbria e criativa, dando um banho na neurótica vizinha que não sabe mais o que quer em sua vida.

Enquanto a Cidade não terá condições para explicar os 40 anos de existência com sua história original renegada, a Antena 1 seguirá tocando os grandes clássicos da canção. Nem sempre todo mundo convence bancando o rebelde, não é mesmo? O que convence é o talento, a vocação e o respeito à sua trajetória. E isso é o diferencial da Antena 1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…