Pular para o conteúdo principal

LANÇADO LIVRO QUE EXPLICA A CULTURA DOS ANOS 90


Um dos mais recentes lançamentos literários é meu livro Anos 90: Modernidade de Cabeça para Baixo, publicado pela Amazon, e investe num tema bastante em voga nos últimos tempos: a década de 90, época de aparente modernização e amplitude cultural trazida pela era tecnológica e pela globalização econômica.

O trabalho é uma adaptação de um projeto de Bacharelado que eu fiz para a Universidade Federal da Bahia entre 1998 e 1999 (apesar de corresponder ao semestre 98.2), acrescido de dados e informações ao longo dos anos.

Fiz um grande trabalho de adaptação de textos, informações e dados, procurando atualizá-los na medida do possível, e acrescentei vários textos sobre incidentes e questões que não trabalhei no projeto acadêmico.

Portanto, é um trabalho que merece ser lido por muitas pessoas, e dá uma razoável contribuição para o debate sobre o sentido dos anos 90, uma década marcada pelo pragmatismo e pela visibilidade. O livro não se trata de um trabalho nostálgico, mas uma obra informativa.

O linque para o livro está no endereço a seguir, para que todos se decidam a comprá-lo. Desejo a todos uma boa leitura. Visitem:
http://www.amazon.com/Anos-90-Modernidade-Cabe%C3%A7a-Portuguese-ebook/dp/B01EUJBQAY/ref=sr_1_5?ie=UTF8&qid=1462053277&sr=8-5&keywords=Anos+90

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…