Pular para o conteúdo principal

BIOGRAFIA DE TONINHO HORTA É UM BOM MEIO DE SE APROFUNDAR NO CLUBE DA ESQUINA


O que as pessoas tentam procurar nos "sertanejos" dos anos 1980 e 1990 - hoje tidos erroneamente como "sofisticados" e "de raiz" - , como o romantismo, o lirismo juvenil e as raízes culturais, encontram com muito mais brilho e profundidade no Clube da Esquina.

Esqueçam aquelas duplas que cantaram a vitória da Era Collor e que hoje tentam fazer "MPB de mentirinha". Joguem fora os CDs de "sertanejo" que estão nas suas estantes e os troque por discos do pessoal do Clube da Esquina, no qual haverá muito ganho melódico, poético e artístico.

Não se fala apenas de nomes como Milton Nascimento e Flávio Venturini, ou então no Lô Borges com mais trânsito entre os roqueiros. Não se fala apenas em "Canção da América", "Travessia" e "Todo Azul do Mar". Fala-se no "lado B", que o público deveria ouvir sem medo e sem depender de mídia para dizer o que se deve ouvir.

Toninho Horta é um dos nomes mais injustiçados. Ele deveria estar no coração daqueles que, em vão, procuram sofisticação em duplas do Paraná e de Goiás que fazem pastiche de Clube da Esquina com seus breganejos que, de vez em quando, vampirizam o repertório mineiro.

Destacado músico, cantor e compositor, Toninho Horta acrescenta ao som do Clube - calcado no som rural mineiro mesclado com rock progressivo e o rock sessentista de Beatles e Byrds - influências de jazz rock, e sua trajetória é narrada no livro Harmonia Compartilhada, da autora Maria Tereza Arruda Campos.

Toninho Horta é um dos músicos mais arrojados do Clube da Esquina e é lamentável que o público médio espere que ele apareça em uma trilha sonora de novela da Rede Globo para ser mais conhecido. O público deveria abrir mão dessa dependência de trilhas de novelas, porque a qualidade musical não se mede pelo tema de personagem tal em novela qual.

O livro descreve a carreira de Toninho Horta, como "sócio do Clube" e, depois, como um músico de projeção internacional, com um reconhecimento artístico ímpar que o grande público não percebe porque não está no CDzinho da trilha da novela das 19 horas, único espaço que o provinciano e hipócrita mercado brasileiro dá para nomes pouco conhecidos da MPB autêntica.

O público que tenta ler "livros para colorir" deveria muito bem buscar o tesouro anti-estresse lendo a trajetória de um dos grandes músicos brasileiros, um nome hoje atuante e que dá sólidas contribuições para a verdadeira Música Popular Brasileira, Música com P maiúsculo e que não se faz com meros lotadores de plateias.

Vale a pena reeducar os ouvidos e deixar de lado aqueles chorosos e enjoados "sertanejos" que fazem muita canastrice e só disfarçam, de vez em quando, pegando carona na musicalidade e na poesia dos outros, sem ter o mesmo talento.

O Clube da Esquina merece ser aprofundado e admirado além de seus belos, porém manjados, grandes sucessos. O livro biográfico já é um bom cartão de visita para conhecer outros lados do Clube da Esquina a partir de Toninho Horta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…