Pular para o conteúdo principal

DJ TUBARÃO ENTREGA APOIO DA GLOBO AO "FUNK"


Enquanto o "funk" posa de "anti-mídia" e tenta convencer os incautos de uma postura falsamente progressista, como na manifestação anti-impeachment de ontem (num dia que resultou na maior derrota política de Dilma Rousseff e do PT nos últimos anos), um DJ do gênero entrega e revela que um dos programas da Rede Globo contribuiu decisivamente para a popularização do "funk".

Foi numa entrevista ao jornalista Léo Dias, do jornal carioca O Dia. O DJ Tubarão, que tem um programa na FM O Dia, entregou revelando não só a influência de um programa da Rede Globo como de uma socialite no processo de empurrar o ritmo para as elites.

Embora o DJ Tubarão falasse com aqueles mesmos pontos de vista positivistas em relação ao "funk", subentende-se que a popularização do ritmo obedeceu a uma lógica de marketing e busca de novas reservas de mercado através de um serviço de relações públicas de uma socialite, Carol Sampaio.

É bom deixar claro que as celebridades que se envolvem com ritmos do brega-popularesco fazem tudo em troca de um cachê. O advogado dos famosos, Sylvio Guerra, e a atriz Samara Felippo, já alertaram que todos os famosos sempre recebem um cachê para ir a uma micareta, uma vaquejada ou um "baile funk". Nada é feito de graça.

DJ Tubarão cita o programa da Xuxa, na época Xuxa Park (1994) e, depois, Planeta Xuxa, como responsável pelo sucesso do "funk". Devemos lembrar que o programa da Xuxa, com os diferentes nomes (Xou da Xuxa, Xuxa Park, Planeta Xuxa, TV Xuxa) era um dos principais espaços de divulgação de atrações popularescas na Rede Globo de Televisão.

É certo que hoje Xuxa é contratada pela Record, mas no tempo em que ela divulgava o "funk" ela era uma das estrelas máximas da Rede Globo e um dos símbolos do poder e prestígio da rede televisiva, influindo no comportamento do público infanto-juvenil, que, pelos interesses da corporação midiática e seus anunciantes, tinha que antecipar a adolescência na infância para estimular o consumismo. Os críticos acusavam Xuxa de erotizar e mercantilizar as crianças, na época.

Não devemos nos esquecer que o Caldeirão do Huck também foi outro responsável pela popularização do "funk", a ponto da gíria "é o caldeirão" ser adotada como sinônimo de "é o máximo", aludindo ao programa do apresentador Luciano Huck, amigo de Aécio Neves e partidário do impeachment. Por causa de Huck, nomes como Mr. Catra ganharam visibilidade.

Além disso, Xuxa Meneghel também se manifestou em prol do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, cuja proposta de abertura de processo foi aprovada pela Câmara dos Deputados. Um deputado da Baixada Fluminense apontado (por Val Marchiori) como amante de uma "mulher-fruta" do "funk" votou SIM pelo impeachment.

Vamos então ao trecho da entrevista com DJ Tubarão. Que mostra que o suposto progressismo do "funk carioca" não passa de conversa para boi dormir, afinal o "funk" sempre apunhalou os esquerdistas pelas costas, comemorando suas conquistas, na hora H, abraçados aos barões da grande mídia.

Qual foi a importância de pessoas como Xuxa Meneghel e Carol Sampaio para o funk?

Eu costumo falar que existe um divisor de águas. O funk se divide entre antes e depois da Xuxa. O funk sempre foi um movimento forte, mas não era da classe consumista. Ele era da periferia. Depois que a gente fez o programa da Xuxa na Globo, que eu fui convidado através do DJ Marlboro, ela vira e fala: “Sou funkeira mesmo. Quem gostar, gosta, quem não gostar…”. Isso aconteceu em 1994 e foi um divisor de águas.

Então Xuxa nacionalizou o funk?

Com certeza que ali foi o pontapé inicial porque outras pessoas passaram a olhar o funk com outra cara. Foi aí que começou a surgir o funk nas boates. Marlboro e eu começamos a fazer baile, eu na Circus… E a Carol Sampaio hoje com o ‘Baile da Favorita’ expandiu mais o funk.

Você não acha que a Carol fez com que a elite passasse a gostar do funk?

O pessoal sempre gostou de funk. Eu sempre toquei em casamento e aniversário de celebridades muito antes de existir o ‘Baile da Favorita’. Todo aniversário da Carol tinha show com MC Marcinho, MC Sapão, sempre teve DJ Marlboro e DJ Tubarão. Um dia ela me ligou falando: ‘Estou com a ideia de fazer o Baile da Favorita’. No segundo baile já foi aquela coisa avassaladora. Daí em diante, ela trouxe a alta sociedade para curtir o baile funk. Você passa na pista, olha para o lado e vê a Carol Castro dançando. Olha para o outro lado está a Juliana Paes no camarote. É aquela coisa de todo mundo misturado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…