Pular para o conteúdo principal

PAULO RICARDO APRESENTA O ROCK BRASIL E OS ANOS 80 PARA HOMENS DE 60 E TANTOS ANOS

PAULO RICARDO E CLEMENTE, DOS INOCENTES E DA PLEBE RUDE - A turma do baixista do RPM não vive nos tempos de Jacinto de Thormes.

Recentemente, um empresário de 63 anos, pai de uma ex-tenista, foi ver uma apresentação do cantor Paulo Ricardo ao lado de sua jovem esposa de 42 anos, atriz e ativista.

O baixista do RPM é conhecido por ser o "único" artista dos anos 80 que conhecidos empresários ou médicos, casados com atrizes, ex-modelos ou apresentadoras bem mais jovens, aceitam entrar em contato.

Esses homens, grisalhos e de comportamento sisudo, estão sendo obrigados, pelas circunstâncias, a se inventarem.

Têm que pegar emprestado até a coleção de CDs de seus filhos.

Até pouco tempo atrás, esses senhores nascidos entre 1950 e 1954 - há um publicitário e apresentador de TV que nasceu em 1955 - comemoraram 50 anos de idade achando que obtiveram uma bagagem de vida de senhores de 75 anos.

Um tentava se achar expert em jazz dos anos 1950, sem ter 1% da especialização de um Luiz Orlando Carneiro, conhecido estudioso do gênero que escreve no Jornal do Brasil.

Outro citava João Guimarães Rosa em uma entrevista e, em outra ocasião, entrava em contato com um amigo do pintor Pablo Picasso como se tivesse vivido os tempos do pintor espanhol.

Há também um economista de 60 e tantos anos mostrando antigas vinícolas da França, como se vivesse ainda na Belle Époque francesa do século XIX.

Homens nascidos nos anos 1950 com o velho cacoete de se apropriarem do passado.

Deram a falsa impressão de que conviveram com Millôr Fernandes, Nelson Rodrigues e Sérgio Porto, acompanharam Tom Jobim nos primeiros sucessos musicais, conheceram a revista Senhor e assistiram a uma apresentação de Glenn Miller (que no entanto morreu antes deles nascerem).

Isso na casa dos 50, 55 anos, até no começo dos 50. Que mostram que a meia-idade é uma espécie de versão infantil da velhice.

Eles até evitaram evocar Elvis Presley e os Beatles, ignorando que os nascidos em 1953 e 1954 ainda eram bebês quando Bill Haley and the Comets abriram as portas para o rock.

Mas aí, advertidos de que não eram tão idosos quanto imaginavam devido aos cabelos grisalhos ou brancos, esses homens tiveram que recuar.

Não passam de uns eternos trintões que se ascenderam profissionalmente nos anos 1980.

Década que renegam por achá-las "infantis" e voltadas para a "juventude irresponsável".

Alguns deles tiveram que consolar pela desilusão da pressa em ser maduros indo ver Paulo Ricardo se apresentar.

Embora Paulo Ricardo não seja considerado um artista "difícil", ele é um músico experiente, foi um dedicado jornalista musical com muitos conhecimentos obtidos e possui muitos contatos no Rock Brasil.

Ele teve um bom trânsito no cenário pós-punk paulistano nos anos 1980. Cantou "Agora Eu Sei" com o vocalista Guilherme Isnard no Zero, sendo este cantor ex-membro do arrojado Voluntários da Pátria.

O RPM teve como baterista o conhecido Charles Gavin, que, fora esta experiência, realizou o caminho inverso de André Jung entre o Ira! e os Titãs.

Assim como o círculo social dos Beatles envolveu até integrantes do Deep Purple e Led Zeppelin e o guitarrista Jimi Hendrix, o círculo social de Paulo Ricardo incluiu até nomes associados ao punk brasileiro.

Paulo chegou a ser desafeto de Renato Russo, na Legião Urbana, com o qual trocaram desaforos num debate sobre o Rock Brasil. Mas depois fizeram as pazes e, tornando-se amigos, gravaram uma versão orquestrada e acústica de "A Cruz e a Espada", do RPM, com Renato já no final da vida.

Os Beatles não estavam isolados cercados de standards musicais dos anos 1950 por todos os lados.

Paulo Ricardo não vive isolado cercado de crooners de piano-bar por todos os lados.

A vida em torno deles é um mundo de roqueiros geralmente associados a um público visto pelos "coroas" como "irresponsável" e "infantil".

Uma grande desilusão para senhores sessentões que ainda buscavam sentido na vida se fantasiando com os cenários granfinos dos filmes de Hollywood dos anos 1940 e 1950.

Saindo da órbita do hi-so, esses senhores começam a perceber que o mundo não é uma coluna de Jacinto de Thormes nem de Imbrahim Sued. Que não dá para ficar vestindo ternos e calçando sapatos de verniz o tempo inteiro.

Hoje eles veem Paulo Ricardo se apresentando. Na próxima, serão os Titãs.

A gente vê esses senhores no próximo Lollapalooza Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…