Pular para o conteúdo principal

MARCELA TEMER E O BRASIL PATRIARCALISTA

MARCELA TEMER E SEU AVÔ...QUER DIZER, MARIDO.

A patética votação do Congresso Nacional pelo impeachment de Dilma Rousseff é um fato peculiar.

Não pelo seu valor histórico de resgate da democracia.

Mas pelo poder de pressão de uma patética elite reacionária, que não conseguiu eleger o candidato de sua preferência em 2014.

Tinha todo o tempo para dizer que Marina Silva ou Aécio Neves seriam melhores que Dilma Rousseff.

Aí fizeram toda a malcriação que conhecemos e Dilma Rousseff corre o risco de ficar fora do poder.

Vamos dispensar o caso político e focalizar na futura primeira-dama, Marcela Temer.

Que tem idade para ser neta do futuro titular da República, Michel Temer.

A situação mudou bastante em relação ao modo das esquerdas médias verem o casal.

Marcela Temer tinha uma reputação de "emancipada" como se fosse uma Jacqueline Kennedy da centro-esquerda brasileira.

De graça, o marido Michel era tratado como se fosse um novo Juscelino Kubitschek apenas pelo atrativo da bela e jovem esposa.

Não dava para entender por que, mas era isso que se expressava.

Hoje, como Michel Temer virou traidor, não da esposa, mas da parceira Dilma Rousseff (que por sua vez está solteira, mas isso não vem ao caso), as esquerdas mudaram o enfoque.

E o gancho da vez é a reportagem de Veja sobre Marcela, intitulada "Bela, recatada e do lar".

Marcela é descrita como uma mulher que quase não aparece, vive à sombra do marido, usa saias na altura do joelho e se submete aos compromissos de mãe e de esposa de um líder político.

A Veja foi duramente atacada por esse texto, classificado como machista e retrógrado.

Em se tratando de um veículo como Veja, isso é esperado. Veja é retrógrada, reacionária e sua maior frustração é não viver nos tempos da República Velha.

A revista queria contrapor à figura valente de Dilma Rousseff uma jovem moça, casada com um homem mais velho e sisudo e cumpridora dos estereótipos da mulher submissa.

Evidentemente, reações vieram e uma série de memes irônicos foram lançadas por mulheres famosas que ironicamente puseram o título "Bela, recatada e do lar".

O problema é que o "funk", o "Cabo Anselmo" do momento, também pegou carona nesses protestos.

As mulheres-frutas e funqueiras em geral também se autopromoveram no protesto.

Mas o "funk" é machista e essas mulheres ficam felizes em fazer o papel de objetos sexuais.

Algumas mulheres-frutas chegam mesmo a exibir seus corpos como se fossem carne de rua ou mercadoria em promoção.

E, pasmem, se acham feministas. O que é um grande equívoco.

Elas são machistas, apenas cometem misandria, tentando desvincular-se da sombra de um namorado ou marido.

A diferença é que elas representam o machismo recreativo, não o machismo doméstico.

Só o fato das funqueiras, mulheres-frutas e similares não representarem a imagem de "recatadas rainhas do lar" não significa que elas sejam feministas.

Elas não vão dizer que são machistas.

Mas fazem o jogo machista de se exporem como mercadorias em liquidação.

Com corpos exagerados mostrados até sob temperaturas frias ou em contextos mais comportados.

Vemos um Brasil ainda patriarcalista, de um machismo em dois sabores.

Um machismo comportado, que doma mulheres que poderiam ser emancipadas.

Um machismo mais atrevido, que libera mulheres que seguem a receita da coisificação e do erotismo troglodita.

E será esse Brasil a ser governado por um sinistro advogado e cúmplice do tenebroso presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, ambos envolvidos nas tramas para derrubar Dilma.

Michel Temer, com sua esposa-neta forçadamente reduzida a uma princesa recatada e submissa de velhas novelas aristocráticas.

Eduardo Cunha, o vice do futuro governo Temer, com sua esposa Cláudia Cruz, outrora uma jornalista atraente de olhares impactuantes, hoje mulher de um delinquente político que adora rasurar e rasgar a Constituição de 1988.

Um país patriarcalista em que a emancipação feminina tem que ser feita sob a sombra de um marido que controle a esposa quando ela "avança demais" no seu perfil intelectualizado e independente.

Um país que só libera as mulheres a serem "solteiríssimas" quando elas seguem o roteiro machista, exibindo seus corpos como produtos em "queima de estoque" e cometendo gafes quando falam de alguma figura intelectual conhecida.

Um Brasil conservador e retrógrado, que está em crise.

Uma crise que uma considerável parcela de brasileiros não percebe que existe. E arruma desculpas para "provar" essa "inexistência".

O consolo é ver Marcela Temer virando o "colírio dos olhos" durante as cerimônias com a participação do futuro presidente. Só que não dá para transformar Marcela Temer na "namoradinha do Brasil". Afinal, ela é casada, e seu marido, poderoso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…