Pular para o conteúdo principal

PATÉTICA, MÍDIA BRASILEIRA DESQUALIFICA TESE DE GOLPE DA IMPRENSA ESTRANGEIRA

GLENN GREENWALD, JORNALISTA E ADVOGADO ESTADUNIDENSE.

A grande mídia brasileira é patética.

Ela se acha mais informada que a imprensa estrangeira.

Seus panfletários comentaristas, dotados de histeria descomunal, acusam os jornalistas estrangeiros de promoverem uma "péssima imagem" para o Brasil, suas leis e suas instituições.

Sim, uma categoria que tem uma Eliane Cantanhede festejando com euforia a votação pelo impeachment de Dilma Rousseff se acha com a razão das razões.

Se sentem ofendidos quando se fala que o impeachment é um golpe. Um golpe jurídico-midiático.

Acham que o impedimento é "constitucional";

O impeachment é previsto pela Constituição. Mas não da forma como a turma de Gilmar Mendes, Michel Temer e Eduardo Cunha quer que seja feito, baseada em fofocas de gente que faz oposição rancorosa a Dilma.

Da forma como se quer fazer, é golpe, sim.

Na imprensa estrangeira, profissionais conceituados estranharam a realização da votação e a abertura do processo.

Eles, que ainda praticam o jornalismo investigativo, atividade em extinção no Brasil, não conseguem ver motivos sólidos para Dilma Rousseff ser expulsa do poder.

Glenn Greenwald é um deles, famoso por entrevistar Edward Snowden, ex-colaborador da CIA que revelou os bastidores do órgão.

Glenn tem passagens no Washington Post e no britânico The Guardian, e é também um advogado especializado em Direito Constitucional.

Portanto, não é um moleque despejando opiniões enfurecidas sob o pretexto de "liberdade de informação".

Trata-se de um jornalista sério, que está comprometido tão somente com a honestidade e precisão da informação, questionando fatos e rumores visando atingir tal finalidade.

É vergonhoso ver que, na imprensa brasileira, "jornalista mesmo" é um Kim Kataguiri, que escreve mal e informa pior ainda. Quer dizer, deforma e desinforma.

Vindos de fora, jornalistas estrangeiros sérios perguntam que critérios foram feitos para permitir que se abra um processo contra uma presidenta, sem que supostas acusações fossem realmente apuradas.

E aí a mídia brasileira não gosta.

Diz que os jornalistas estão "desmoralizando o país", promovendo "uma imagem negativa do Brasil".

Não, não estão.

Jornalistas sérios apuram os fatos, observam, perguntam, questionam.

Os jornalistas brasileiros, em sua maioria, querem apenas "vender notícia".

Um exemplo aberrante foi o "desencontro" noticioso entre a premiação do prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, como "prefeito empreendedor", e as lojas fechadas na mesma cidade fluminense.

Os mesmos veículos noticiosos publicavam as duas notícias sem estabelecer uma conexão entre elas.

Ninguém questiona.

As lojas de Niterói se fecham aos montes, transformando a antiga capital do Estado do Rio de Janeiro numa "cidade-fantasma".

Depois, o prefeito é premiado por um suposto projeto de empreendedorismo, feito para "aquecer a economia" e "estimular os negócios" e ninguém questiona.

Sob a desculpa da objetividade, veicula-se notícias de forma "neutra", mas sem analisar nem questionar.

E, mesmo sendo jornalistas diferentes, não há sequer um diálogo crítico entre as diferentes notícias.

As lojas se fecham em Niterói, o prefeito ganha prêmio de empreendedorismo e todos vão dormir tranquilos ignorando o abismo de coerência fatual entre as duas notícias.

Esse é o jornalismo que se faz no país. E que berra aos brasileiros que a imprensa estrangeira, questionadora e investigativa, está "acabando com a imagem do Brasil".

É típico no Brasil. Aqui, a grande mídia lança mentiras e as promove como verdades absolutas, mesmo que elas sejam válidas somente em território nacional.

Vide o suposto sucesso de Wesley Safadão no exterior. Aqui ele virou "cidadão do mundo", mas lá fora ele apenas se apresentou em inexpressivas casas noturnas para um bando de imigrantes e turistas brasileiros.

A mentira foi tal que a "façanha histórica" morreu na praia e ninguém mais falou no assunto.

Como Michel Teló, que foi dormir como pretenso cidadão do mundo e acordou como um ídolo exclusivamente brasileiro que teve que cancelar apresentações por falta de público.

A grande mídia brasileira olha para o umbigo. E pensa que está sintonizada com o mundo.

Na verdade, é ela que promove a má imagem do Brasil. E da própria imprensa.

É a má imagem do ódio, da bravata, do opinionismo irresponsável, do denuncismo barato.

Daí que essa grande imprensa decai, se desgasta, perde público.

Mesmo diante de um contexto de intensa e violenta oposição ao PT, Lula e Dilma.

Mesmo que os petistas caiam para valer, a grande mídia não poderá comemorar direito.

Ela será derrotada como algoz, antes da festa acabar.

Tudo por conta de seu modo rancoroso e desonesto de fazer jornalismo.

Se é que pode-se chamar isso de jornalismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…