Pular para o conteúdo principal

A GRANDE MÍDIA E A DEPRECIAÇÃO DA MULHER SOLTEIRA

A BANDA BRITÂNICA BELLE AND SEBASTIAN.

Recentemente, o sítio Mensagens Com Amor fez uma lista de dez músicas cujo tema é a solteirice.

Melhor esquecê-las. Todas.

Primeiro, são apenas músicas comerciais. E quase todas brega-popularescas.

Segundo, porque alguns intérpretes são pessoas casadas, como Beyoncé Knowles e a dupla, ou melhor, o casal Maria Cecília & Rodolfo.

Terceiro, músicas sobre solteirice só servem para aquelas que procuram algum namorado ou marido, querem curtição e narcisismo ou sofrem de misandria.

Tolice imaginar que a mulher solteira e feliz vai ouvir músicas sobre carências amorosas ou desavenças conjugais.

A solteira feliz vai ficar preocupada se a música fala de um ex-namorado que não presta ou do homem dos sonhos que nunca vem?

Não, a solteira feliz vai procurar outros temas relevantes.

Ora, se ela está solteira e feliz, vai buscar outros interesses na vida.

Não vai ficar chorando a ausência do "príncipe encantado" nem ficar comemorando o "pé-na-bunda" no "safado da hora".

Aliás, essa "solteirice" da mídia venal é muito contraditória.

Criam mulheres que parodiam a vida de solteira de uma maneira muito, muito confusa.

Num dia são "solteiras felizes e convictas". Noutro, mulheres "desesperadas à procura de um homem".

Num dia perguntam onde está o "príncipe encantado". Se encontram, em duas semanas ele vira o "safado da hora".

Isso não é solteirice de verdade. Nem em sonhos.

Mais parece solteirice de comédia da Globo Filmes, dessas protagonizadas por atrizes que, na verdade, são esposas dos diretores de tais produções.

A solteira de verdade investe em outras ocupações. Se ela está solteira, ela vai buscar atividades diversas que não envolvem necessariamente temas amorosos ou sexuais.

E sua trilha-sonora nem de longe apela para bordões como "Se ela não tem dono..." ou "Tô Feliz! Larguei o meu marido!".

A verdadeira solteira ouve coisas mais relevantes. E vive coisas mais relevantes.

Ouve XTC, Belle and Sebastian, Smiths, R. E. M., Byrds, Velvet Underground. Ou Sylvia Telles, Toninho Horta, Mutantes, Edu Lobo.

A verdadeira solteira lê sobre Política, História, Poesia, Artes Plásticas, Sociologia, sem necessariamente submeter tais coisas a um contexto sexista ou hipersexualizado.

A verdadeira solteira está ocupada, lendo Noam Chomsky, vendo quadros de Jackson Pollock, ouvindo os acordes de João Gilberto, vendo filmes de Jacques Tati etc.

A grande mídia, inclusive a "popular" (tão "divertida", mas também dotada de Datenas aos montes por aí), estabelece uma visão depreciativa da mulher solteira.

Falta debater isso, mesmo nos círculos de esquerda.

Pois a solteira de esquerda pode estar ali, tocando sua vida normalmente, sendo dona do seu nariz.

Mas, à revelia dela, o poder midiático está depreciando a solteira vendendo uma imagem contraditória da mulher carente e misândrica ao mesmo tempo.

A da mulher que procura desesperadamente um homem e, quando o acha, o rejeita.

As solteiras do Brasil não sabem, mas a "mídia do espetáculo" também deprecia mulheres que vivem sem precisar de namorados ou maridos.

A sociedade machista não tolera mulheres que tenham vida própria e independente e, por isso, usa a "cultura de massa" para reduzir as solteiras a uma caricatura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…