Pular para o conteúdo principal

INTELECTUALIDADE PRÓ-BREGA "MATOU" BELCHIOR


Com o falecimento do grande compositor Belchior, figura excêntrica mas notável da Música Popular Brasileira, muita gente pegou carona na tragédia.

Até os tabloides brega-popularescos colocaram o óbito na capa.

Intelectuais "bacanas" choraram sua morte, falando num "artista insuperável" e por aí vai.

Jovens colocaram seus "lamentos" nas mídias sociais para, no dia seguinte, irem para suas festas de "funk" e "sertanejo" de sempre.

Quanto à intelligentzia considerada "mais legal do país", intelectuais que buscam o carisma num país de anti-intelectualismo (que barra similares de Umberto Eco e Noam Chomsky nas entradas da pós-graduação), a "perda irreparável" pode ser por eles responsabilizada.

Belchior era um artista "maldito" e excêntrico, incompreendido e batalhador, tendo sido também executivo de selos independentes para divulgação de artistas alternativos.

Ele havia sumido de cena, independente de ter contraído dívidas ou problemas pessoais, porque ele se recusava a ser celebridade e bater ponto no show business.

Belchior virou o Raul Seixas da vez. Vivo, era desprezado e esnobado. Morto, vira alvo de "saudosas manifestações" daqueles que fecharam a cara só de ouvir seu nome.

A música "Como Nossos Pais" é indicativo do desprezo social por Belchior.

Consagrada na voz de Elis Regina, a música é, na verdade, uma crítica à acomodação juvenil nos anos 1970, comparável à geração conservadora de seus pais.

Certa vez, num especial da Rede Globo, Zezé di Camargo e a filha Wanessa cantaram a música, em total falta de noção da letra, tirando-a de seu contexto original.

Com o mesmo (des)conhecimento de causa, Chitãozinho & Xororó e Daniel, a dupla e o cantor em separado, gravaram versões de "Disparada", de Geraldo Vandré.

"Disparada" é uma dura crítica à opressão latifundiária ao povo camponês.

Chitãozinho & Xororó e Daniel são patrocinados por latifundiários. Aliás, a dupla paranaense é ela própria também proprietária de ricas fazendas.

Desde o fim do governo Fernando Henrique Cardoso os neo-bregas tentam se "emepebizar" sob a desculpa do "combate ao preconceito" e "valorização da diversidade musical".

E a intelectualidade associada tentou ajudar de toda forma possível, fazendo o serviço free lancer dos barões da mídia, mas fazendo proselitismo nos periódicos de esquerda.

Tentaram nos convencer de que o "funk", o "sertanejo", a axé-music, o "pagode romântico" e similares iriam levar os "malditos" da MPB para o gosto do grande público.

Sobretudo o "funk", que os intelectuais promoviam sob a falsa imagem de "síntese de tudo".

Tentaram convencer, sob a desculpa do "combate ao preconceito", que o "funk" era um caleidoscópio que misturava punk, psicodelia, Bossa Nova, Modernismo, Tropicália, ativismo, marxismo etc.

Conversa para boi dormir. É só ver uma apresentação de "funk" ou tocar um CD do gênero e NADA do que a intelectualidade disse foi encontrado. Preconceituosos somos nós, que criticamos o "funk"?

Pois há uns anos atrás, acreditava-se que o "funk" levaria a vanguarda da MPB para as rádios. Grande ilusão.

Diante disso, víamos Belchior se isolando e se recusando a fazer papel de palhaço no show business, diante da breguice que dominava mais e mais espaços, até os da própria MPB.

Em 2009 Belchior deu um sumiço e a mídia tirou um sarro disso, tratando o cantor como se fosse um doidão irresponsável.

A MPB é que tinha "doidão" e "fanfarrão", a música brega-popularesca é que tem "gente como a gente", dizia a mídia venal.

Quanto sarro tirou a mídia sensacionalista ao noticiar Chico Buarque caminhando no Leblon.

Evidentemente Chico Buarque foi o mais atacado pela intelligentzia, até pelo seu carisma e por ser um grande articulador cultural de artistas e tendências "difíceis" para o mercado.

Tardiamente, a intelectualidade "bacana" teve que aceitar uma parcela da MPB, seja alternativa ou tradicionalista, para jogá-la contra Chico Buarque.

Do além, Itamar Assumpção e Sérgio Sampaio eram jogados no balaio de gatos que incluía bregalhões da pesada que se perderam em algum arquivo VHS do Qual é a Música.

Belchior tinha uma repercussão morna, embora fosse o "palhaço" de bigode que dava sumiço sem explicação.

E os mesmos que ridicularizaram Belchior há oito anos deram suas "lágrimas de crocodilo" quando ele faleceu.

Agora até aqueles que se iludiram com os clamores dos intelectuais "bacanas" admitem que existem medalhões do brega-popularesco que atrapalharam a sobrevida de nossa MPB mais genuína.

Belchior faleceu marginalizado e injustiçado como tantos.

A intelectualidade "matou" Belchior ao dizer que a MPB não pode ter seus próprios espaços, mas também que os espaços da MPB devem ser entregues aos bregalhões.

A intelectualidade "bacana" discriminou Belchior nas suas criações mais recentes e contribuiu para ele sucumbir ao limbo que contribuiu para sua morte.

A MPB anda muito machucada com várias perdas recentes.

No ano passado, perdemos Vander Lee, um dos poucos que renovaram a música brasileira nos últimos 25 anos.

As "esquerdas médias" ignoraram o óbito, preferindo cair na falácia da "guevarização" de um fato inócuo no Jornal da Globo, quando William Waack fez uma piadinha irônica à cantora Anitta.

Lee, com seus grandes clássicos, já não estava mais vivo e as "esquerdas médias" preocupadas em ver numa cantora pop uma "Anitta Garibaldi" supostamente enfrentando os barões da mídia e seus porta-vozes.

A MPB, com M maiúsculo de "música", está desaparecendo aos poucos, numa erosão gradual.

Daí ser preocupante que os emepebistas se acomodem, resignados, fazendo revival de si mesmos, como se estivessem fazendo uma retrospectiva de despedida.

O falecimento de Belchior é a perda de mais um artista ímpar de MPB.

O pior é que, depois, virão os neo-bregas de 1990, "pagodeiros" e "sertanejos", pegando carona na MPB e parasitando alguma música de Belchior.

Tudo bem arranjadinho (não pelos cantores e grupos, claro, mas por arranjadores de MPB a seu serviço), interpretado com canastrice exemplar, sob aplausos da plateia.

Tudo corretinho, bonitinho, bem ensaiado e muito profissional. Mas isso não é MPB de verdade.

Uma coisa é o bregalhão veterano dos anos 90 fazer uma cover de Belchior sorrindo para a plateia e fazendo gestos e movimentos calculados para forjar uma interpretação "emocionada".

Outra coisa é um artista genuíno como Belchior mostrando seu talento e suas ideias com autenticidade e brilhantismo.

Não temos mais Belchior. Mas, ao menos, que também não tenhamos neo-bregas parasitando seu repertório em canastrices pseudo-emepebistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MORTE DE FERNANDA YOUNG É UM PUXÃO DE ORELHA NO BRASIL

Foi um choque eu entrar num mercado de alimentos e ver, na televisão, que Fernanda Young faleceu.

Tão nova, um ano a mais do que eu, ela era uma das mentes mais criativas e modernas da cena cultural brasileira.

Eu não cheguei a ver o seriado Os Normais, a não ser alguns trechos da série e o primeiro longa-metragem, mas vi outras criações dela e de seu marido, meu xará Alexandre Machado, como Separação?, Os Aspones, Como Aproveitar o Fim do Mundo e O Dentista Mascarado.

Alexandre Machado nasceu dez anos antes dela, mas ele destoava completamente daquele tipo "o mais velho que ser mais velho ainda" e, de tão jovial, nem parecia estar próximo dos 60 anos.

É duro para ele viver sem sua companheira, e não era só pela alta cumplicidade que os dois tinham para criar diálogos e situações bastante hilárias.

Num ano em que um sem-número de personalidades de grande talento faleceu, 2019 parece um grande pesadelo.

Espera-se que 2020 não se torne um novo pesadelo, que possa virar o jogo…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

JORGE PAULO LEMANN FINANCIOU O "COMBATE AO PRECONCEITO" DO "POPULAR DEMAIS"

Já foi escrito isso em outra oportunidade, mas não custa enfatizar: Jorge Paulo Lemann financiou a campanha do "combate ao preconceito" da bregalização pelo "popular demais".

Tínhamos um cenário de cultura popularesca, marcado pelo politicamente incorreto, pela mediocridade artística e pelo grotesco comportamental, nos anos 1990, que estava se desgastando naturalmente.

Todo o brega-popularesco corria o risco de cair no esquecimento. Jornalistas sérios alertaram para a degradação cultural que tratava o povo de maneira caricatural.

Tudo isso se deu no fim dos anos 1990. Parecia que, se não toda a multidão popularesca, mas, ao menos, uma considerável maioria, iria arrumar as malas e deixar a fama para ir ao ostracismo.

Mas eis que uma geração de intelectuais virou a mesa: a intelectualidade "bacana", assim considerada por ela querer parecer "simpática" dentro de um cenário de anti-intelectualismo.

A partir de 2000, veio a tal campanha que consisti…

TV LINHAÇA - O QUE É O QUENUNCA?

Muitos ainda vão sabe desse novo tipo de pessoa que, sob o pretexto de se considerar imperfeito, faz apologia dos erros para continuar levando vantagens e privilégios na vida.

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

CO-DIFUSOR DA GÍRIA "BALADA", TUTINHA É ACUSADO DE CRIMES FINANCEIROS

GOSTA DE ESTAR NA "BALADA"? AGRADEÇA, EM PARTE, A ESSE CARA, O TUTINHA.

Uma longa reportagem de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo mostra um escândalo envolvendo o dono da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha.

Ele acabou desmentindo a acusação de que sua ex-mulher, Flávia Eluf, teria furtado bens do ex-casal após o divórcio, que havia sido difundida no Facebook, em julho de 2016.

A acusação se revelou falsa, e Tutinha e sua filha de outro casamento, Daniela, que apoiou o pai na acusação contra a madrasta, foram processados, por ação civil movida por Flávia, por danos morais.

Flávia também reagiu e recorreu ao Ministério Público Federal para lhe entregar um pen drive com as atividades financeiras do ex-marido, com quem esteve casada entre 2006 e 2015.

O pen drive contém acusações de crimes financeiros contra o empresário da Jovem Pan.

Segundo a denúncia, Tutinha seria acusado de evasão de divisas, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A PEGADINHA DE LÉO SANTANA AINDA PEGA AS ESQUERDAS

O Brasil é um país ainda muito, muito atrasado.

Tanto que só agora, nós temos movimentos identitários que, nos EUA, ocorriam há mais de 50 anos, através do fenômeno da Contracultura.

Já temos o grotesco Carlos Bolsonaro, o Carlucho, filho do presidente Jair Bolsonaro, conduzindo pautas reacionárias, desta vez dizendo que a democracia não permite mudanças rápidas no Brasil.

Eduardo Bolsonaro corroborou o irmão e o comparou a "Winston Church" (sic).

Se os filhos de Jair ameaçam a democracia - depois que os "filhos de Januário" da Operação Lava Jato ameaçavam a Justiça, com suas tramoias - , e ninguém mexe para tirar Jair do poder, então a coisa é séria.

As esquerdas ainda mantém muitos focos de ingenuidade.

Seus heróis são da direita: mulheres-objetos, funqueiros, ídolos popularescos em geral e até "médiuns espíritas".

Acham os esquerdistas mais ingênuos que, com um pouco de pensamento desejoso, as raposas podem não só reconstruir o galinheiro mas tornarem…