Pular para o conteúdo principal

POR QUE A CULTURA ROCK NO BRASIL IGNORA O XTC?

FORMAÇÃO DO XTC EM 1978: DA ESQUERDA, ANDY PARTRIDGE, COLIN MOULDING, TERRY CHAMBERS E BARRY ANDREWS.

Tem vezes que não dá para esconder que o Brasil é uma grande província.

Ainda mais desde que, em maio de 2016, uma parcela influente e teimosa da população queria retroceder o calendário para, pelo menos, 1974, na melhor de todas as hipóteses.

Porque, na pior delas, o calendário se retarda a antes da Inconfidência Mineira.

Se temos a dita cultura popular brasileira em estado deplorável - os clamores do "combate ao preconceito" tentaram, em vão, abafar essa "cultura" que trata o povo de forma caricatural - , a assimilação da cultura internacional também vai de mal a pior.

Nem vamos falar do chamado pop adulto que, à exceção da Antena 1, é de uma indigência abominável.

Mais parece uma subserviência ao hit-parade dos EUA.

Vendo um comercial de detergente com uma versão de "Maniac", de Michael Sembello, fico imaginando o quanto é grave essa subserviência do público médio aos listões da Billboard, a ponto desta mais parecer uma "Biblioard".

Vamos nos ater na cultura rock, em que, só no Brasil, o Guns N'Roses é tratado como se fosse uma "divindade".

E isso com música tipo "I Used to Love Her" cuja letra é uma festa para os machistas mais reaças, desses à beira de um ataque de fúria.

E o pior que essa "cultura rock" das 89 FM da vida, que "formaram" a geração "coxinha" que louva Lobão e Roger Rocha Moreira, que reivindicam intervenção militar etc.

E que se tornaram aberrações do tipo "fãs de uma música só", como "Smoke on the Water" do Deep Purple e "Back in Black" do AC/DC.

Nos anos 80, havia espírito de garimpagem e ninguém ficava rezando novena com as páginas da Billboard.

E aí temos uma banda britânica, de uma cidade pouco conhecida, Swindon, chamada XTC.

O nome é um trocadilho com a palavra "êxtase" em inglês.

A banda está inativa há 11 anos e sua formação girava em torno de dois integrantes, os vocalistas Andy Partridge, guitarrista, e Colin Moulding, baixista.

O grupo é um daqueles que, depois do ocaso do punk rock, foi fazer um misto de new wave com art rock.

Gravou seu primeiro disco em 1977 e encerrou atividades em 2006.

No Brasil teve um monte de canções tocadas na Fluminense FM, mas como não temos mais rádios à sua altura, a única canção "tocável" é "The Ballad of Peter Pumpkinhead", de 1992.

Até um "lado B" (no sentido de faixa de compacto, mesmo) como a vibrante "Take This Town" foi jogada na programação da Fluminense, sem qualquer promessa de lançamento por aqui.

Se fosse uma Rádio Cidade da vida, nem se fizesse simpatia.

Tinha que esperar que "Take This Town" virasse tema de uma animação blockbuster da Pixar.

Nem o pegajoso "oh-ooh-oh-oh-ohoo-ohoo" e os assobios na música estimulam algum sucesso.

O único disco com alguma tiragem significativa lançado no Brasil foi Oranges and Lemons, de 1989, que eu havia adquirido em vinil naquele mesmo ano.

Foi o primeiro disco prensado no Brasil e, fora dele, só a coletânea Fossil Fuel, e, mesmo assim, em baixa tiragem.

Fico pasmo como grupos como XTC ou outros como Buzzcocks e Ride são praticamente desconhecidos no Brasil.

E o Renato Russo era fã do Ride, e praticamente acabaram juntos em 1996, a vida dele e a trajetória da banda inglesa que ele tanto adorava.

Se o público de rock brasileiro é tapado e ainda dá chilique quando alguém critica as bandas de poser metal, então o Brasil está perdido, mesmo.

Com roqueiros "coxinhas" fãs de uma música só por banda e apegados ao hit-parade, fica fácil até para reativar o regime de trabalho escravo no Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…