Pular para o conteúdo principal

OS DIAS QUE SE SEGUEM AO DEPOIMENTO DE LULA À LAVA-JATO


Ontem foi o depoimento do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva à Operação Lava Jato.

Houve muito burburinho da grande mídia e a psicologia do terror era feita nas mídias sociais.

Mas foi apenas um depoimento como outros da Operação Lava Jato, com a diferença da visibilidade de Lula e do contraste que ele representa ao juiz Sérgio Moro.

Lula declarou que "não há pergunta difícil" e esteve calmo ao responder as perguntas.

A principal explicação, mediante supostas acusações, foi de que não tinha o menor interesse em obter o triplex do Guarujá.

Além disso, Lula também afirmou não ter conhecimento de supostos esquemas de corrupção que envolvem ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras.

Foram cerca de cinco horas de interrogatório, entre a tarde e o começo da noite de ontem.

Incansável, Lula, ao sair da sede da Justiça Federal, foi se encontrar com manifestantes solidários a ele na Praça Santos Andrade, um dos pontos históricos de Curitiba.

A recomendação de Sérgio Moro para nenhum apoiador da Operação Lava Jato comparecer a Curitiba gerou uma grande ironia.

Os que não seguiram Moro se reuniram numa modesta manifestação de 50 pessoas, que ainda estavam esperançosas em ver Lula atrás das grades.

Os que apoiaram Lula vieram de vários cantos do Brasil e se reunirem numa grande manifestação.

E isso numa Curitiba cujo conservadorismo social é comparável à Dallas, no Texas, EUA.

Até a ex-presidenta Dilma Rousseff estava ao lado de Lula, no seu discurso.

Lula afirmou que está preparado para ser candidato à Presidência da República em 2018.

Seria ótimo, pois ele recuperaria os direitos sociais hoje desmontados pouco a pouco.

Lula também recuperaria a soberania nacional, ameaçada por aqueles que esfregam e enrolam a bandeira do Brasil em seus corpos fedorentos vestindo a camiseta da CBF.

A própria Dilma, em seu discurso, também enfatizou essa intenção de Lula de desfazer todos os retrocessos do governo Temer, um a um.

Mas as coisas não são tão simples assim.

As forças reacionárias têm um forte poder de pressão e atuam mediante milionários investimentos empresariais, sobretudo estrangeiros.

A grande mídia também conta com seu poder de pressão e a Globo já tem na Globo News uma arma mais potente que o Jornal Nacional.

A Globo News foi "aparelhada" por comentaristas truculentos e por uma linha editorial que mais mascara ou distorce do que divulga os fatos.

A grande mídia já tem seu esquema de ataques.

As revistas de informação geral (Veja, Isto É e Época) começam surrando as forças progressistas.

Globo News, Rede Globo e Band, entre outras, dão apoio na pancadaria.

Em seguida, Folha de São Paulo, Estadão e afins seguem espancando, quando a coisa já está sangrando.

Com esse linchamento, os brasileiros médios passam a acreditar que as forças progressistas só querem roubar o Brasil e passam a sentir um ódio cego e sem motivo lógico.

Essa campanha é dotada do mais confuso, porém persuasivo, discurso emocional.

Nas mídias sociais, em que a turma de bullies que "odiava acordar cedo" no Orkut já pede "intervenção militar" no WhatsApp, o discurso é ainda mais furioso.

Pessoas que fingem "defender o Brasil" mas que querem que as nossas riquezas sejam entregues a grandes companhias estrangeiras. Que patriotismo é este?

Esse pessoal não é maioria, mas é do tipo truculento, que, ao ver uma porta fechada, arrombam a parede.

Talvez fosse melhor questionar mais o poder desses plutocráticos, sem a mania das esquerdas médias em fazer manifestações performáticas, meramente espetacularizadas.

Não adianta acreditar que Lula será imbatível em 2018 se, diante das pressões contrárias, sua vitória será sempre uma vitória de Pirro.

Enquanto o reacionarismo estiver forte no Brasil, as forças progressistas serão impotentes para recuperar o país dos profundos retrocessos ocorridos desde 1964.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…