Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER A UM PASSO DE DEIXAR O PODER?


No protesto de ontem, que resultou na destruição de alguns prédios da Esplanada dos Ministérios, Michel Temer fez mais um ato antipopular.

Acionou o Exército para vigiar Brasília e reprimir manifestações.

Mas o Exército não acatou a decisão, agravando ainda mais o isolamento de Temer.

Temer cometeu crime de responsabilidade, pois uma atitude dessas só seria possível sem policiamento ostensivo e sem a intenção repressiva com que foi adotada.

Temer acha que seu governo estará protegido com isso.

Seu desgaste se agrava seriamente.

Este texto foi escrito na noite de ontem, e imagina-se que Temer está vivo, continua no governo e parece indisposto a renunciar.

E que, recado aos marmanjos mais afoitos, continua casado com Marcela Temer.

Desde que eclodiram as denúncias do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, o governo Temer agoniza de maneira progressiva.

Joesley, acusado de envolvimento com esquema de propinas, resolveu fazer delação e praticamente jogou o governo Temer e aliados, incluindo Aécio Neves, hoje senador afastado, na parede.

Aécio pagou o preço caro por se mobilizar contra sua derrota eleitoral em 2014, mas perde seu poder político como quem vê a água escapando de suas mãos.

Mas Joesley também pagou um preço caro. Ele e sua família.

O empresário passou a ser ameaçado e atacado na Internet e resolveu morar nos EUA em lugar ignorado.

As ameaças e ataques também atingiram a esposa, a ex-apresentadora do Jornal da Band, Ticiana Villas-Boas, que com Joesley tem um filho, homônimo ao pai.

Ela, que chegou a cogitar voltar ao país para apresentar o programa Bake Off Brasil, um reality show culinário, desistiu e foi viver com o marido e o filho no exterior.

Joesley tem muita razão para isso, porque abalou com inúmeras reputações do meio político.

E o efeito dominó de muitos escândalos atingiu, em episódios diferentes e uns sem relação com a delação de Joesley, várias personalidades.

Em duas semanas, nomes como Michel Temer, Aécio Neves e sua irmã Andrea, hoje detenta, Alexandre Accioly, Luciano Huck e Reinaldo Azevedo se envolveram em escândalos diversos.

O "dinossauro" da corrupção, Paulo Maluf, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por lavagem de dinheiro e o órgão do Judiciário determinou perda de mandato parlamentar.

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, já preso, tornou-se réu pela 9ª vez pela Operação Lava Jato.

Até a edição deste texto, Temer continua no poder, mas não são poucos os especialistas diversos, seja do Jornalismo, do Direito, da Ciência Política, que dizem que ele se encontra sem condições para permanecer no mandato.

A essas alturas do campeonato, até filas de pretendentes de Marcela Temer começam a se formar nos vários cantos do Brasil.

Este texto vai ao ar quando estou me preparando para o café da manhã.

Se houver uma notícia diferente escreverei assim que puder e depois de ler e analisar todo um turbilhão de notícias que devem vir ao longo do dia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…