Pular para o conteúdo principal

OAB PROTOCOLA PEDIDO DE IMPEACHMENT DO PRESIDENTE MICHEL TEMER


A Ordem dos Advogados do Brasil protocolou o pedido de impeachment do presidente Michel Temer, ontem, em Brasília.

O pedido, feito por motivação técnica, segundo a OAB, não provocará instabilidade no país.

Representaram a OAB seu presidente do Conselho Federal, Cláudio Lamachia, e outros representantes regionais, como conselheiros, presidentes seccionais e outros.

Além do pedido ter sido feito visando critérios técnicos, também não foi feito por razões ideológicas.

O pedido teve o respaldo de advogados tanto de direita quanto de esquerda.

Consta-se que, com este pedido, já são 13 os pedidos de impeachment do governo temeroso.

Isso revela uma situação grave e reforça o isolamento político de Michel Temer.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados e espécie de "garoto de recados" de Temer, disse que não acolherá os pedidos.

Sua desculpa é que o impeachment iria "desestabilizar" o país.

Mas o que provoca a instabilidade é a permanência de um presidente que não só é impopular como é um dos poucos que se divertem com isso.

Quanto aos protestos radicais em Brasília, anteontem, vários políticos e jornalistas de esquerda confirmaram que são pessoas infiltradas entre os manifestantes.

Elas variam entre desordeiros que defendem o governo Temer e radicais de extrema-direita.

Os protestos foram pacíficos, mas seus manifestantes foram agredidos pela repressão policial.

Os radicais de extrema-direita é que teriam aparentemente reagido à repressão, aproveitando o clima de baderna para invadir e destruir o que encontraram nos prédios dos ministérios.

Surgiu também uma informação de que Michel Temer não renuncia por influência do ex-deputado Eduardo Cunha, que, dizem, está comandando a política dentro da prisão.

A esposa de Cunha, a ex-jornalista Cláudia Cruz, foi inocentada pelo juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato.

Apesar dos fortes indícios de lavagem de dinheiro, Moro "não viu provas suficientes" para condenar a mulher de Cunha.

Voltando a Temer, ele disse que o Brasil "não vai parar" com tais escândalos.

Mas ele sabe que seu governo está caminhando para o fim.

Ontem foi apenas um "descanso" e Temer ainda parece disposto a manipular para que adiasse o processo de julgamento da chapa eleitoral com Dilma Rousseff em 2014, para ver se salva da cassação.

Temer já é um condenado político, pela Justiça Eleitoral de São Paulo, que o proibiu de concorrer a cargos públicos entre 2015 e 2023.

O TSE poderá fazer o mesmo, com a cassação do mandato presidencial.

A crise continua e o Brasil está desgovernado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…