Pular para o conteúdo principal

OS PREPARATIVOS PARA O "DUELO" DE SÉRGIO MORO E LULA


O capítulo mais esperado por muitos da "novela" da Operação Lava Jato acontecerá nesta quarta-feira.

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva irá depor para o juiz Sérgio Moro, sobre as diversas acusações atribuídas ao petista.

Lula disse que sempre teve disposição para prestar qualquer tipo de depoimento, sempre que fosse convocado.

Aparentemente, Sérgio Moro demonstrou prudência quando, num vídeo gravado e divulgado nas mídias sociais, apelou para seus apoiadores evitarem ficar nas ruas de Curitiba no próximo dia 10.

É possível que seja prudência, embora se leve em conta dois aspectos.

Um, é que os partidários de Moro é que costumam ser mais agressivos e provocadores que os de Lula.

Outro, a campanha difamatória contra Lula pela grande mídia é que faz com que os opositores do petista tenham o ódio descomunal que só a grande mídia finge ignorar existência.

Moro até agiu certo com o vídeo, porque evitar violência é necessário para prevenir qualquer prejuízo, material ou humano.

Neste sentido, se pode concordar com os apelos de Sérgio Moro.

Mas isso traz uma grande ironia.

Se os manifestantes pró-Moro forem desaconselhados a estarem nas ruas de Curitiba ou, sendo de fora da capital paraense, não forem para lá, algo muito curioso vai acontecer.

A área do entorno da 13ª Vara Criminal Federal poderá ser um reduto de manifestantes do PT.

Se não houver a presença de manifestantes pró-Moro nem vândalos de direita infiltrados entre os petistas, o risco é do movimento se tornar uma propaganda potencial de Lula para 2018.

É certo que a direita já manifestou sua ojeriza a Lula, espalhando cartazes de outdoor dizendo que Curitiba recebe Lula de "grades abertas", uma alusão à tão sonhada, pelos direitistas, prisão do ex-presidente.

Mas é incerto o que acontecerá na próxima quarta-feira.

O Brasil está frágil: desgovernado, caótico, retrógrado, inseguro.

E, diante de uma figura controversa como Lula, tudo pode acontecer.

Até porque o depoimento há muito é comparado como um duelo final de filme de faroeste.

O que faz sentido, diante do país reacionário e provinciano que é o Brasil.

Já se fala do maniqueísmo da Operação Lava Jato e da campanha de Lula para 2018.

Por ora, é esperar o dia chegar e ver o que vai acontecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…