Pular para o conteúdo principal

O POVO NAS RUAS E MICHEL TEMER ALHEIO À REALIDADE


A grande mídia procurou ignorar ou minimizar as manifestações do Primeiro de Maio no Brasil.

Elas ocorreram com a mesma força do dia 28 de Abril e devem servir para aumentar a dor de cabeça do presidente Michel Temer.

Ele quer ser o "presidente das reformas" e tem um discurso bastante cínico.

No pronunciamento dado em razão do dia de hoje, o temeroso presidente insistiu que a reforma trabalhista "irá gerar empregos" e "preservar os direitos dos trabalhadores".

Sobre a prevalência do negociado sobre o legislado nos acordos entre patrões e empregados, Temer veio com uma falácia.

As negociações que Temer propõe são tidas como "livres e soberanas" e que "o diálogo é a palavra de ordem".

Mesmo que a gente concordasse com o que Temer disse, ele nunca deixou claro como suas reformas irão gerar empregos e preservar os direitos dos trabalhadores.

O discurso dele é muito vago, superficial e, pelo que percebemos através de diversos analistas, bastante hipócrita.

É curioso que o sentido da palavra "reforma" de Temer vai na contramão ideológica da mesma palavra quando associada, 54 anos atrás, ao governo de João Goulart.

As "reformas" de Jango rumavam à esquerda, as de Temer rumam à direita.

Quando Jango retomou o poder presidencialista, seu maior projeto de governo eram as reformas.

Mas reformas progressistas, em favor da Educação pública, da valorização do salário e da proteção das conquistas dos trabalhadores e do patrimônio nacional brasileiro.

Jango queria limitar a remessa de lucros das empresas multinacionais, o oposto que Temer deseja hoje, torrando dinheiro para agradar o empresariado mais ganancioso.

Jango falava em "reformas de base", que fortaleceriam a soberania nacional e a qualidade de vida dos brasileiros, adotando uma visão nacionalista e popular.

Temer fala nas "reformas" no sentido ideológico oposto, como meio de enfraquecer as classes trabalhadoras e a deterioração da vida da maioria dos brasileiros.

No seu todo, o projeto "Ponte para o Futuro" tende a debilitar a soberania brasileira e deixar o povo brasileiro em condições sub-humanas.

E aí temos um conflito de percepções.

Temos a realidade, com o povo indignado com as "reformas" à direita do governo Temer.

E temos a ficção, com um Temer sorridente achando que, por exemplo, a prevalência do negociado sobre o legislado nos acordos trabalhistas irá aliviar a Justiça do Trabalho, com a redução das ações trabalhistas.

Realmente, se isso ocorrer, haverá, sim, redução de ações trabalhistas: os brasileiros perderão as condições legais que ainda possuem para processar os patrões nos seus abusos.

Temer quer abolir a contribuição sindical, debilitando financeiramente os sindicatos que protegem os trabalhadores dos abusos patronais.

Felizmente, as pessoas estão se mobilizando, embora seja preciso mais pressão.

A ideia agora é pressionar para que a grande mídia não possa mais esconder ou minimizar os protestos.

Tem gente reclamando por que fazer greve ou protestos em dias de semana.

Ou é isso ou é gente trabalhando sem estabilidade, com longa jornada de trabalho e salários baixos.

Já se fala em perder férias trabalhando de forma degradante.

Que venham mais protestos nos dias úteis, antes que percamos até os fins de semana com tanta opressão ao povo trabalhador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…