Pular para o conteúdo principal

"FUNK" EM RITMO DE AÉCIO NEVES

SANDRA DE SÁ E FERNANDA ABREU: PROPAGANDISTAS DO "FUNK" EM CAMPANHA POR AÉCIO NEVES PRESIDENTE, EM 2014.

O "baile funk" ocorrido em Copacabana, em 17 de abril de 2016, numa suposta solidariedade à então presidenta Dilma Rousseff, foi na verdade uma cortina de fumaça.

Foi uma forma de abafar os manifestos a favor de Dilma, enfatizando mais a "alegria" e a "dança", como foi confirmado em vários serviços de imagens nas agências internacionais.

O "protesto" perdeu lugar para a "alegria", e o "funk", tendencioso e oportunista, reduziu o evento a uma "micareta sem muito impacto".

O barulho do "funk" na manifestação foi uma tentativa de abafar os protestos contra a votação de abertura de processo de impeachment na Câmara dos Deputados, que meses depois resultou na saída definitiva da presidenta, depois de várias etapas de votações na Câmara e no Senado Federal.

A Furacão 2000 fazia, em tese, protesto contra o então presidente da Câmara, o hoje detento Eduardo Cunha.

Mas a maior representante do "funk" no Legislativo, Verônica Costa, a "mãe loura do funk", é filiada ao mesmo PMDB carioca.

Cunha presidiu a Telerj, antiga estatal telefônica carioca, que tinha alguns clubes em cidades fluminenses, nas quais se realizavam, entre outros eventos, "bailes funk".

O PMDB carioca comandou a "festa do funk" em setembro de 2009, quando o ritmo recebeu o rótulo de "patrimônio cultural" não por critérios técnicos, mas por razões políticas e interesses financeiros.

Isso tanto é certo que, oficialmente, nem aparece o título de "patrimônio cultural", rótulo que foi divulgado apenas à imprensa, mas "movimento cultural de caráter popular".

E isso com a ALERJ presidida por Jorge Picciani, cinco anos depois afinado com Aécio Neves.

Sérgio Cabral Filho, contraparente de Aécio, apoiava o "funk", contrariando as denúncias do pai, o jornalista e historiador Sérgio Cabral, que disse que o "funk" era apoiado pela CIA.

Aos desavisados, o apoio da CIA é confirmado: instituições ligadas ao órgão do governo dos EUA, a Fundação Ford e a Soros Open Society, financiam organizações que apoiam o "movimento funk" no Rio de Janeiro, como o Instituto Overmundo.

André Lazaroni, ex-secretário de Esportes do prefeito carioca Eduardo Paes, também apoiou Aécio Neves na campanha de 2014 e certa vez foi visto com ele e Fernando Henrique Cardoso durante um evento.

Lazaroni instituiu o "Dia do Funk" no Rio de Janeiro, data celebrada no segundo domingo de setembro.

Vendo um vídeo em que famosos defendem a candidatura de Aécio Neves para a Presidência da República em 2014, duas propagandistas do "funk" apareceram entre os apoiadores.

Fernanda Abreu e Sandra de Sá, em si duas artistas autênticas, mas que haviam decepcionado na sua campanha em favor de um ritmo de valor muito duvidoso.

As duas foram apoiar Aécio Neves na campanha de 2014.

Não há muita diferença entre as propinas de Aécio e o jabaculê do "funk".

E, como as FMs estavam passando por uma erosão, substituindo a segmentação pelo "AeMão" (sobretudo rádios noticiosas e de "variedades" ou jornadas esportivas), o jabaculê teve que trocar os programadores de FM por acadêmicos e jornalistas e produtores culturais.

O "funk" ainda está no gatilho da intelectualidade "bacana" que, em toda crise extrema do governo Temer, sempre aciona o ritmo como falso paradigma de "rebelião popular".

Uma "rebelião" que, depois de seduzir os movimentos sociais, os apunhala pelas costas e vai comemorar seus louros nos palcos da Rede Globo.

Afinal, "funk" não veio de Marte. Veio da Globo. E "funk" não quer dizer Dilma nem Lula, mas Temer e Aécio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…