Pular para o conteúdo principal

SAÍDA DE JOSÉ DIRCEU DA PRISÃO REQUER CAUTELA


Antigo herói da luta contra a ditadura militar, José Dirceu teve anunciado o habeas corpus, decidido por votação ontem pelos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes decidiram pela sua soltura, enquanto Edson Fachin e Celso de Mello optaram para mantê-lo preso. Foram três votos a dois.

A situação deve ser tomada como cautela.

Ultimamente, Supremo Tribunal Federal e Ministério Público andam se desentendendo.

As disputas por supremacia e protagonismo político fazem com que, de repente, interesses de Gilmar Mendes e Sérgio Moro ou Deltan Dallagnol entrem em colisão.

A Justiça quer obter os triunfos que antes os políticos obtiveram.

E a soltura de José Dirceu, sob o consentimento estranho de Gilmar Mendes, é algo que merece um debate.

Os fatos recentes que apresentam aparentes vantagens aos petistas não podem representar uma vitória potencial, porque a situação do Brasil é indelicada e imprevisível.

Já houve vídeo no YouTube clamando por "intervenção militar" ao noticiar a soltura de Dirceu.

Além disso, o juiz midiático Sérgio Moro, da "República de Curitiba", estuda alternativas para manter Dirceu sob "custódia".

Uma delas é o uso de tornozeleiras. Também não está descartada a prisão domiciliar.

Dirceu está preso desde 03 de agosto de 2015, acusado de "corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa" pelo esquema da Lava Jato.

É a segunda prisão de Dirceu, pois em 1968 ele foi um dos detidos pela polícia numa operação surpresa para reprimir o Congresso da UNE naquele ano.

Foi solto porque estava entre os presos políticos a serem trocados pela soltura do embaixador estadunidense Charles Elbrick, sequestrado por um grupo de guerrilheiros, em 1969.

Dois deles se destacaram depois como jornalistas, Fernando Gabeira e Franklin Martins.

Mas Gabeira mudou para o outro lado, sendo o mais surpreendente caso de esquerdista rumando para a direita. Recentemente, Gabeira apareceu ao lado de militantes do Movimento Brasil Livre.

Franklin Martins foi para a Globo mas não sucumbiu à direita e pôde depois fazer parte da equipe dos governos Lula e Dilma, e integrar os quadros da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), até ser um dos demitidos pelo presidente Michel Temer.

Dirceu foi ao exílio, alterou sua aparência e, na volta ao Brasil, se destacou como um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores.

Ultimamente, Dirceu é tão odiado quanto Lula e Dilma Rousseff pelos oposicionistas de direita.

A soltura, mesmo justa - Dirceu foi preso sob acusação sem provas - , causa um profundo ódio naqueles que não podem ver na frente a combinação das letras "P" e "T".

Juntos, Dirceu, Dilma e Lula podem rearticular a volta deste último ao Governo Federal.

Será bom para as forças progressistas, mas para a truculenta direita será péssimo e há o risco dela reagir com brutalidade.

Não aceitaram Dilma Rousseff no segundo mandato e sabotaram até ela ser expulsa do poder.

O que podemos fazer é tomar cautela e continuar com as manifestações contra a plutocracia.

A situação do Brasil está insegura demais para qualquer perspectiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…