Pular para o conteúdo principal

REDE GLOBO FAZ BLINDAGEM À ANUNCIANTE REDE MARISA

MÔNICA IOZZI DEU UM TEMPO NAS MÍDIAS SOCIAIS, DEVIDO AOS COMENTÁRIOS FEITOS CONTRA UMA REDE DE LOJAS.

A grande mídia diz ser a favor da liberdade de expressão, mas eventualmente deixa passar práticas de autoritarismo e censura.

A vítima foi a atriz Mônica Iozzi, que fechou as contas nas redes sociais depois de criticar a rede de lojas Marisa.

Sabe-se que a famosa rede de lojas, voltada para a moda feminina de classe média, lançou uma campanha para o Dia das Mães com uma frase que deu o que falar.

A frase foi "Se sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa".

O trocadilho subliminar teve como alvo a falecida esposa do ex-presidente Lula, Marisa Letícia.

A mensagem subliminar se baseou numa declaração de Lula durante o depoimento ao juiz da Operação Lava Jato, Sérgio Moro.

Lula teria negado ser dono do triplex de Guarujá, e afirmou que nunca se interessou pela propriedade.

Mas admitiu que Marisa Letícia havia feito uma segunda visita e sugeriu que ela tinha interesse pelo imóvel.

A grande mídia interpretou isso como Lula acusando Marisa de querer obter o triplex.

E aí a grande mídia e a plutocracia em geral tiram sarro dessas coisas.

A Rede Marisa foi acusada de envolvimento com trabalho escravo da parte de empresas terceirizadas fornecedoras de roupas.

E aí Mônica Iozzi escreveu um comentário nas mídias sociais protestando contra a campanha.

"Estamos falando sobre uma senhora que sofreu muito antes de morrer. Uma empresa utilizar a imagem de uma pessoa falecida para fazer marketing????", escreveu a atriz.

Ela acrescentou: "Onde vamos parar? Meu Deus!!! Não há mais respeito a nada no mundo??? Nem à memória de uma mãe, de uma avó? Que nojo. Que tristeza".

Mônica foi duramente criticada por vários internautas. Paciência, há muito reacionarismo nas redes sociais. Eu mesmo larguei o Facebook e até hoje não entrei no WhatsApp.

Na verdade, ela deu um tempo nas mídias sociais e deixou apenas o Facebook aberto, sem atualização.

Mas como ela é atriz da Globo, no ar com um seriado de comédia, Vade Retro, ela deve ter sentido o peso do problema.

A Rede Marisa é uma das empresas anunciantes mais destacadas nos intervalos da Rede Globo.

Evidentemente, a Globo, independente de ter ou não influído na atitude de Mônica de sair das redes sociais, vai blindar a rede de lojas, zelando pelos seus interesses comerciais.

Uma rede de televisão que sonega impostos tem a empresa acusada de promover trabalho escravo em boa conta.

São os tempos temerosos em andamento.

Manifestamos aqui, mais uma vez, nossa solidariedade a Mônica Iozzi e nosso respeito à memória da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…