Pular para o conteúdo principal

A PEDALADA FISCAL DO MINISTRO HENRIQUE MEIRELLES


O ministro da Fazenda de Michel Temer, Henrique Meirelles, já começou fazendo sua pedalada fiscal.

Sua equipe previu, há poucos dias, que o déficit fiscal nos últimos dois meses seria de R$ 114 bilhões.

Meirelles, no entanto, divulgou, depois, que o déficit foi de R$ 164 bilhões.

Com os déficits dos Estados e municípios, o valor anunciado pelo ministro foi de R$ 170,5 bilhões.

Há um forte indício de maquiagem de dados, para favorecer operações financeiras.

Isso se chama "pedalada fiscal".

O mesmo motivo que a oposição usou para derrubar Dilma Rousseff, e que é feito pelo ministro Meirelles de forma escancarada.

Além disso, o dado maquiado de R$ 170,5 bilhões reflete um catastrofismo que só serve para intimidar a população e fazer o governo Temer se tornar permanente.

Como no começo da ditadura militar, os generais juraram que era um governo provisório.

O catastrofismo da "ameaça comunista" e do "combate à inflação" fez a ditadura militar se tornar permanente.

É o que querem fazer com o governo Michel Temer. Torná-lo definitivo até o fim de 2018 para entregar o poder a um tucano ou coisa parecida.

E aí vem o Henrique Meirelles praticando o mesmo mal usado como pretexto para o afastamento de Dilma Rousseff.

A ideia teria sido inflar os dados em mais de R$ 50 bilhões para justificar os cortes de gastos, o fim dos encargos trabalhistas e investimentos sociais e a implantação de um programa de privatizações.

E quem imagina que tais informações vieram de técnicos ligados ao PT, se engana.

Os dados foram divulgados pelo jornal O Estado de São Paulo.

Isso mesmo. O oligárquico e ultraconservador periódico da rígida família Mesquita.

Que tem como contratada uma Eliane Cantanhede que comemorou a instauração do governo Michel Temer com a histeria de uma adolescente fã de Justin Bieber.

Será que Olavo de Carvalho vai ter coragem de dizer que o Estadão "virou para a esquerda"?

O Estadão apoiou a derrubada de Dilma Rousseff.

O Estadão chega a ser bem mais conservador que a Folha de São Paulo.

É como se fosse uma revista Veja com reumatismo, com a fúria reacionária da revista mas sem o vigor que esta tem para combater o PT e seus associados.

No entanto, como reacionarismo jornalístico tem limites, o Estadão teve que deixar vazar a informação da pedalada fiscal de Henrique Meirelles.

Uma farsa feita visando três objetivos.

Primeiro, criar um sentimento de pavor, forçando os brasileiros a não quererem a volta de Dilma porque o rombo que se atribuiu ao governo dela foi "muito grande".

Segundo, para criar uma falsa imagem de "batalhador" do governo Michel Temer e seu ministro da Fazenda, que prometem agir com "agilidade" e "eficiência".

Terceiro, para justificar os cortes de investimentos aos projetos sociais e forçar a privatização de instituições públicas.

A psicologia do terror mostra a que veio o ministro Henrique Meirelles.

Ele fará um projeto econômico para os banqueiros e investidores.

Tudo para deixar o Estado mínimo, feito só para garantir o faturamento dos ricos e poderosos.

Aos povos, só sobrarão as migalhas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…