Pular para o conteúdo principal

O ESTUPRO COLETIVO E A ÉTICA ESTUPRADA NAS MÍDIAS SOCIAIS


Um episódio revoltou o país.

Uma menina de 16 anos foi visitar o namorado em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro, no último dia 21 de maio, e foi rendida por um grupo de 30 homens que a doparam e estupraram.

É o mesmo dia 21 de maio em que um internauta maníaco pela apresentadora de TV Ana Hickmann quis se vingar da falta de atenção e invadir o hotel onde ela estava em Belo Horizonte, para ser morto depois que lutou com o cunhado dela.

Quanto aos estupradores cariocas, eles estupraram a jovem e gravaram um vídeo e publicaram quatro dias depois.

Os internautas curtiram e compartilharam o vídeo, que viralizou.

Para piorar, muitos comentários eram elogiosos ao feito. "A menina tá folgada", ironizou um deles.

Essa truculência mostra a brutalidade que existe nas mídias sociais.

E revela um protocolo machista que eu pude observar nos tempos do Orkut.

Esse protocolo sempre recomendava aos internautas endeusar mulheres siliconadas e nunca falar mal das chamadas mulheres-objetos.

O homem que declarar não gostar dessas mulheres é visto como "gay", da forma pejorativa que se conhece dos homofóbicos que, de tão preconceituosos, também expressam preconceito contra os heterossexuais mais decentes.

Se o cara é um nerd - não no sentido "Campus Party", "Se Beber Não Case" ou "cervejão-ão-ão" do termo, mas no sentido Vingança dos Nerds - , o protocolo impõe que ele tenha que valorizar e desejar uma mulher-fruta ou coisa parecida, como se fosse a "mulher de seus sonhos".

Se não o fizer, será humilhado na rede.

O machismo nas mídias sociais tem dessas coisas.

Prega a "cultura do estupro", o sexismo brutal, a coisificação da mulher.

Já observei internautas dizendo que "mulher sensual" não precisa ser inteligente.

Isto é, chegam a dizer que o charme da mulher sedutora é justamente a burrice e a estupidez.

E é assustador que algumas dessas siliconadas tenham muitos seguidores no Instagram, fazendo elogios a essa mercantilização do corpo feminino.

E é assustador que existam "musas" que aceitem felizes essa humilhação, incluindo uma quarentona descasada com uma filha crescida.

É esse contexto que estimula trinta homens se reunirem para estuprar uma moça.

Algo que só pode ser definido como trogloditismo, de tão obviamente desumano.

A moça pode não ter sofrido, fisicamente, mais do que a natural agressão do estupro, mas sofreu a pior dor que é o trauma da lamentável experiência sofrida.

Os agressores provavelmente combinaram encontro no WhatsApp para pegar a "novinha".

E fizeram com que ela passasse a ter medo de sair na rua, passando a viver um clima de tristeza e pavor.

E ver que nas mídias sociais há quem faça festa com esse trágico episódio é mais preocupante ainda.

E mostra o quanto os midiotas chegam a certas posturas psicopatas.

Quantos valores retrógrados são defendidos por internautas que têm o verniz do visual moderno, da linguagem irreverente, do uso de tecnologia avançada e da pouca idade.

A "cultura do estupro" e outras aberrações machistas, como o endeusamento de mulheres-objetos e a defesa do emburrecimento da mulher como uma qualidade atraente, mostram o quanto esses ciber-brutamontes parecem viver na Idade Média.

"É só questão de idade", advertiu Renato Russo sobre os reaças de seu tempo, parecidos com os das mídias sociais.

Passando dessa fase, os midiotas que fazem cyberbulling e bancam os tiranos digitais nas mídias sociais serão os Eduardo Cunha de amanhã, ditando o obscurantismo nos seus postos de poder.

A não ser que possamos reagir para barrar a ascensão desses trogloditas contemporâneos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…