Pular para o conteúdo principal

MÍDIA MENTIU SOBRE O CASO ROMERO JUCÁ

JORNALISTAS DA GLOBO NEWS DEMONSTRARAM IRRITAÇÃO COM O VAZAMENTO DE GRAVAÇÃO DE ROMERO JUCÁ, REFERINDO A MÍDIA COMO "OS CARAS QUE QUEREM TIRAR DILMA".

A grande mídia arrumou um jeito para abafar o escândalo de Romero Jucá.

Sabe-se que ele, na gravação com Sérgio Machado, em que negociaram um meio de barrar o avanço da Operação Lava-Jato, "entregou" o PSDB, o PMDB e a imprensa.

Falaram que o PSDB estava todo ferrado no escândalo investigado pela Lava-Jato.

"Caiu todo mundo", disseram. Sobretudo José Serra, ministro das Relações Exteriores do governo Temer, e Aécio Neves, um dos beneficiários desse confuso quadro político atual.

Michel Temer é definido como "o homem do Cunha".

Traduzindo: Eduardo Cunha continua no poder, governando de sua casa, falando não como presidente da Câmara dos Deputados afastado do cargo, mas como um "cérebro" por trás do governo interino e autoproclamado "definitivo" de Michel Temer.

Muitas das propostas de Cunha estão sendo implantadas pela equipe de seu colega do PMDB que comanda no momento o Executivo federal.

Como o prolongamento da idade da aposentadoria, por exemplo.

E aí, com todo esse vazamento que virou um escândalo de repercussão mundial, o que faz a grande imprensa?

Minimiza os fatos e diz apenas que Romero Jucá queria atrapalhar a Operação Lava-Jato.

Tenta esconder o aspecto mais grave: a negociação de um golpe, o de tirar a presidenta Dilma Rousseff do poder, dita escancaradamente na gravação feita quando ela ainda estava no mandato.

"A solução mais fácil era botar o Michel", era o que foi dito na gravação, expressa claramente como uma medida para evitar a "sangria" das investigações.

Tirando Dilma do poder, haveria chance de frear a Operação Lava-Jato, sobretudo quando se observa que sete ministros de Michel Temer (hoje são seis, pois Jucá deixou o cargo) estão indiciados pelo esquema de corrupção da Petrobras.

A mídia não disse isso.

Logo ela, logo "os caras", que querem tirar Dilma do poder.

A denúncia sobre a participação da imprensa no golpe foi dada sutilmente, em poucas palavras, mas causou fúria nos jornalistas da Globo News.

No Jornal das Dez, observava-se Merval Pereira espumando de raiva, o que contagiou o apresentador Dony de Nuccio, que chegou perto de gritar no ar, de tanta indignação.

Como os jornalistas da Globo News são emocionalmente vulneráveis, só para usar um termo mais educado!

Não eram suficientes os surtos de Diogo Mainardi e Reinaldo Azevedo, na temperamental revista Veja?

E agora a mídia tenta criar uma mentira sobre Romero Jucá, inventando que não houve a conversa a respeito do golpe.

É para manter sua narrativa ficcional, mas tida como realista, endossada por muitos brasileiros incautos e outros cínicos e reaças.

Limitam-se a dizer que Jucá quis obstruir a Lava-Jato e só.

Tudo para forçar a permanência do cambaleante governo de Michel Temer. Um presidente interino que interfere mais do que devia no programa de governo e fala como se seu poder fosse definitivo até o fim de 2018.

Um governo ilegítimo, antipopular, autoritário, tecnocrático plutocrático.

Que já tem péssima reputação no resto do mundo, causando estranheza até em políticos e jornalistas conservadores.

É, portanto, um governo que começou dando errado e continuará a dar errado.

Um governo que só permanece porque é movido pela teimosia.

Com 76 anos, Temer pode até ser ranzinza como um velho, mas é teimoso como uma criança malcriada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…