Pular para o conteúdo principal

O BRASIL DE TEMER E OS REACIONÁRIOS

JAIR BOLSONARO, OLAVO DE CARVALHO, JU ISEN, RÁDIO CIDADE, PATO DA FIESP - Tem de tudo no Brasil reacionário.

Os troleiros, fascistas mirins, batedores de panelas, urubólogos e jornalistas pitbull tanto gritaram, que Dilma Rousseff acabou sendo afastada do poder e Michel Temer já está no sétimo dia de governo.

Agora, a turminha reaça está esperando o seu prêmio.

Nos últimos quinze anos, a patota reaça agia na Internet para impor o pensamento único.

Seja na política, no entretenimento, na vida amorosa, na qualidade de vida, até na mobilidade urbana.

Até criticar gírias estúpidas e claramente midiáticas como "balada" causavam raivinhas nos rebeldes-de-sofá.

A gíria "balada" é patenteada por Luciano Huck e Tutinha. Globo e Jovem Pan testando a repercussão de um jargão para verificar o controle que exerciam na juventude brasileira.

Para quem elege o Pato da Fiesp como símbolo de ativismo social, surtar quando alguém critica a gíria "balada" como atentado à inteligência humana faz sentido.

E teve busólogo no Rio de Janeiro que, estabelecendo em sua mente um sistema integrado entre Eduardo Cunha e Jair Bolsonaro, surtou feio e saiu "patrulhando" quem não aceitava a pintura padronizada nos ônibus cariocas.

O Brasil reacionário, com o roquinho fast food da 89 FM e Rádio Cidade, cujo público não tem a menor ideia do que está ouvindo e aceita barulheira qualquer nota, fazendo o tom mais rebelde da revolta "coxinha", se amansou de vez.

Dilma está fora do Planalto e a oposição que tomou o poder com o golpe jurídico-midiático vai fazer de tudo para ela não voltar.

A crise no Brasil já começou com a posse de Temer.

Que mais parecia uma festa de mafiosos, com Aécio Neves sem o menor escrúpulos de se mostrar, na frente da equipe ministerial, cumprimentando Temer.

Afinal, são os derrotados de 2014 que tomaram o poder, com Temer sendo o mordomo dos tucanos.

Globo, Veja, Estadão, Folha, Jovem Pan, 89, Cidade e similares estão comemorando de vez.

E os internautas "revoltadinhos" também.

Eles ali estão tranquilos, vão para a praia, contar piada e jogar conversa fora, enquanto ingerem litros de cervejas e outros baurets.

Vão fazer seus selfies enquanto, nos subúrbios, inocentes morrem vítimas de bala perdida.

E vão ouvir felizes o "sertanejo universitário", o popinho dançante qualquer ou o roquinho que só serve para ativar os nervos dos rebeldes sem causa (ou com causas reacionárias).

Jorge & Mateus, Diplo e System of a Down animando as bebedeiras dos "revoltados on line" que sempre "odiaram acordar cedo".

Pode ser que, na ressaca do impeachment consumado, alguns tucanos e urubus se biquem de vez em quando.

Kim Kataguiri brigando com Olavo de Carvalho, Ju Isen brigando com Silas Malafaia, os ouvintes da Rádio Cidade falando mal de Eduardo Cunha, o Pato da Fiesp querendo substituir o tucano como mascote do PSDB etc.

Mas são apenas bicadas de aves num mesmo ninho, disputando espaços ou discutindo ninharias.

Enquanto isso, o Brasil cidadão perdeu o poder, perdeu a vez e a voz.

Ministério da Cultura extinto. Ministério da Comunicação extinto. Encargos sociais e direitos trabalhistas ameaçados.

Até a TV Brasil está ameaçada de sair do ar.

Para a sociedade reaça, isso não faz diferença. Bota o TV Futura no lugar, mostrando "funk" e substituindo o ativismo social pela inócua filantropia religiosa-institucional.

A crise começou porque o que vemos no poder é a plutocracia.

Pluto no poder e os patetas aplaudindo.

O Brasil vai viver uma pior crise e vai ser um salve-se quem puder.

Mas o Jornal Nacional mostrará um mundo lindo e todos vão dormir tranquilos.

Exceto os que serão lesados pelo governo Temer. A maioria dos brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…