Pular para o conteúdo principal

A RUÍNA DA GRANDE MÍDIA (GLOBO, VEJA, FOLHA ETC.)


A grande mídia está decadente. Globo, Veja, Folha, Estadão, Isto É, Band, Jovem Pan, Transamérica, 89 FM e congêneres.

Tomada de um surto reacionário, a grande mídia ficou estúpida de vez.

Quer julgar o mundo com seus umbigos, numa sociedade em que muitos definem qualquer roubada como "marxismo".

Sem ler uma vírgula de um livro de Karl Marx.

A sociedade brasileira solidária a essa histeria anti-PT ficou estúpida e burra.

Passou a opinar mal, cometendo gafes sérias.

Que o PT errou, que Lula e Dilma erraram, que José Dirceu e José Genoíno erraram, tudo bem.

Mas daí a despejar calúnia e comentários furiosos, criando comentários levianos contra o esquerdismo, não dá.

Uma coisa é criticar, fazer oposição, dizer que Dilma Rousseff, por exemplo, cometeu uma medida equivocada.

Outra coisa é dizer que Karl Marx inventou os movimentos fascistas no mundo ou que o PT causou o incêndio criminoso num circo em Niterói, 55 anos atrás.

A idiotização das pessoas é tanta que qualquer assalto a banco agora é chamado de "marxismo".

Sem ler uma vírgula de um livro de Karl Marx.

A imbecilização toma conta dos anti-petistas psicóticos que jornalistas passaram a cometer verdadeiras gafes, verdadeiras burrices.

Certa vez, o jornalista Ricardo Noblat havia descrito o protesto de atores no Festival de Cinema em Cannes de "golpe em Paris".

Quis fazer uma ironia - Noblat está solidário ao governo Michel Temer - e cometeu um grande "mico".

Jornalistas da Globo News, um canal de notícias, supostamente marcado pela visão objetiva da realidade, cometeram também das suas.

Quando a causa de Dilma Rousseff é ganha, os jornalistas da Globo News fazem cara de choro.

Quando a causa da presidenta hoje afastada é perdida, os jornalistas só faltam ficarem pulando de alegria, em frente às câmeras.

Mas não é só a Globo, evidentemente, que apronta suas trapalhadas, sobretudo a partir da nova novela das oito, o Jornal Nacional.

A mídia restante também mantém sua postura ultraconservadora e reaça. Com algumas ressalvas.

A Folha, mesmo com seu reacionarismo, no entanto tenta manter uma compostura.

O Estadão parece viver na República Velha. Só é "objetiva" quando trabalha uma visão favorável ao direitismo político que defende.

Mas a Veja é que se supera, na sua máquina de produzir calúnia.

É ela, juntamente com a Globo, que hipnotiza os brasileiros a odiar o PT.

Uma histeria que toma conta nas mídias sociais, com as pessoas expressando com raiva burra seu anti-petismo.

O que a Veja faz com Lula é de uma monstruosidade sem tamanho.

Que se critique o Lula, vá lá. Que se discorde dele, vá lá. Vale até dizer que os governos dele foram fracos, não atenderam as expectativas ou que não agradam uma parcela da sociedade.

Mas inventar desaforos não dá.

Os brasileiros têm mania de preciosismo e escondem seus chiliques pessoais.

Eles poderiam dizer apenas que gostam disso ou não gostam daquilo, em vez de inventar preciosismos aqui e ali.

Como no breganejo, que eles preferem dizer que é "genial" em vez de dizer apenas que gostam do gênero.

Ou em relação ao PT, que preferem dizer que é "entidade criminosa" em vez de afirmar que seu projeto político não lhes agrada.

Dessa forma, as pessoas ficam cada vez mais burras e estúpidas. Cometem gafes, surtam, demonstram seu lado sórdido e mesquinho.

São essas pessoas que vão pagar as contas da festa do impeachment e do governo de Michel Temer.

Vão pagar o preço caro da manipulação midiática em ruínas, com a Globo perdendo Ibope e a Veja acumulando pilhas de revistas encalhadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…