Pular para o conteúdo principal

NÃO, MICHEL TEMER NÃO É O NOVO JUSCELINO KUBITSCHEK


Sinceramente. Michel Temer não é o novo Juscelino Kubitschek.

Se Juscelino não foi eleito com maioria absoluta, naquele distante 1955, Temer foi eleito com ZERO voto.

Ele apenas viajou na garoupa das duas candidaturas de Dilma Rousseff à Presidência da República e transformou os 54 milhões de votos da presidenta em papel higiênico para o vice usar em suas "necessidades".

Se quando as esquerdas médias ainda eram condescendentes com Temer, achando que ele era "estadista" pelo simples fato de ser marido de uma moça bonita, Marcela Temer, eu considerava Temer um anti-Juscelino, hoje isso se comprovou de vez.

Juscelino era progressista, apesar de vindo de um partido conservador e ser formalmente um direitista.

Ele pelo menos impulsionou o país para um projeto de progresso econômico com promessas de reformas sociais.

JK, mesmo nos limites do capitalismo, pelo menos botou as multinacionais para terem fábricas próprias no Brasil e mostrar serviço. Menos mal.

Já Temer não quer desenvolvimento social pleno.

Temer pretende fazer o contrário, criando um ministério conservador e, ainda por cima, machista.

Em vez de escolher mulheres com competência técnica, escolheu uma equipe ministerial por interesses políticos. Um dos ministros é acusado de explorar trabalho escravo.

Sem falar os acusados pela Operação Lava-Jato. E pensar que havia todo o chilique quando Lula foi chamado para ser ministro-chefe da Casa Civil do governo Dilma.

No discurso, Temer disse que "vai manter as conquistas sociais do governo Dilma".

Na prática, porém, irá promover retrocessos por baixo dos panos.

Vai prolongar a idade das aposentadorias e estabelecer restrições salariais e trabalhistas.

Pode até aumentar os empregos, pelo menos na aparência, mas irá desqualificar as condições salariais, eliminando encargos e priorizando o "negociado sobre o legislado" nas relações entre patrão e empregado.

Ele irá fazer novas privatizações, para impulsionar o surgimento de empresas deficitárias, como se vê na telefonia móvel de funcionamento nem sempre eficiente.

Diz que vai manter os projetos sociais, mas deve extingui-los aos poucos.

Ou então mantê-los a contragosto, para evitar perdas eleitorais para seu partido ou sua coligação em 2018.

Até lá, Temer terá que fazer um progresso de aparências.

Terá que, ao menos, reduzir drasticamente o índice de 11 milhões de desempregados.

Mesmo que seja para criar uma multidão de terceirizados.

Pelo menos, fará bonito no Jornal Nacional e nas capas da revista Veja.

Enquanto isso, vamos nos segurando diante desse quadro político maluco, ensandecido, que deixa a imprensa estrangeira simplesmente sem entender bulhufas.

Pode ser que a economia possa melhorar um pouco.

Mas, no conjunto da obra, o Brasil permanecerá na deriva. Salve-se quem puder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…