Pular para o conteúdo principal

TEMPOS SOMBRIOS

DILMA ROUSSEFF, DE VERMELHO, FAZ SUA ÚLTIMA CAMINHADA COMO PRESIDENTA DA REPÚBLICA.

A oposição quis porque quis.

O governo Dilma Rousseff caminha para o fim.

A pressão contra ela é total, a ponto do Supremo Tribunal Federal ter se recusado a aceitar uma ação da Advocacia Geral da União para anular o processo do impeachment.

Embora com a responsabilidade legal para tal anulação, o STF disse que o caso deveria ser analisado no Senado Federal, que no momento discute o processo.

É como se o salva-vidas dissesse para uma pessoa se afogando em alto mar para ela pedir socorro a um tubarão.

Pois a teimosia dos oposicionistas fez de tudo para o governo Dilma se encerrar.

O resultado será divulgado oficialmente amanhã, de madrugada, o que poderá dar notícias frescas tanto na mídia impressa quanto na televisão, rádio e Internet.

Mas tudo indica que o desfecho não deva ser outro: Dilma fora da Presidência da República.

Ainda não é o impedimento definitivo, mas a oposição fará tudo para que ele seja definitivo, depois dos seis meses de julgamento pelo STF.

Nesse tempo, Michel Temer fará um governo de muitos agrados aos investidores estrangeiros.

Que investem milhões com a certeza que levarão um faturamento milhares de vezes maior.

Com toda certeza, as esquerdas erraram. E o PT errou muito, Lula e Dilma também erraram.

Abandonaram os movimentos sociais por causa dos investimentos empresariais para os grandes eventos esportivos.

As esquerdas caíram na armadilha de intelectuais alienígenas, surgidos dos porões do PSDB com esse papo de "cultura das periferias", "provocatividade" e "triunfo do mau gosto popular".

Deram um tiro no pé ao aceitar a pregação de intelectuais "bacanas" sobre uma abordagem espetacularizada e caricata das classes populares, através do brega-popularesco.

Isso eliminou os debates públicos sobre a cultura brasileira e empurrou a aceitação esquerdista de uma forma de "cultura popular" sempre apoiada pelo latifúndio e pela plutocracia midiática.

O "funk", subproduto do coronelismo midiático do Rio de Janeiro, é o maior exemplo disso.

Sem esse debate cultural, abriu-se o caminho para direitistas como Rodrigo Constantino, Rachel Sheherazade e Reinaldo Azevedo fingirem serem amigos do patrimônio cultural brasileiro.

Além disso, as classes populares, enganadas com a ilusão dada pela intelectualidade dita "mais legal do país" de que curtir brega, "funk", "sertanejo" e outras coisas "populares demais" era "ativismo".

Brincaram de ser "ativistas" com o brega-popularesco e deixaram de participar do debate público, que discutiria cultura, qualidade de vida, cidadania e direitos humanos de maneira mais ampla e participativa.

O debate ficou restrito a sindicalistas, uns poucos ativistas, os blogueiros progressistas e os políticos de esquerda.

As esquerdas deixaram a questão da cultura para intelectuais de centro-direita fantasiados de "esquerdistas sinceros" e enfraqueceram os debates sobre Educação e Cultura, impedindo um Brasil mais inteligente e digno.

O governo do PT também deixou de lado a questão da regulação da mídia, financiando as grandes corporações midiáticas que acabaram degolando o governo Dilma.

Com isso, o Partido dos Trabalhadores, para se sustentar no Governo Federal, fortaleceu as forças que iriam derrubá-lo de vez.

E hoje o governo Dilma Rousseff conta as horas para se encerrar, prematuramente, bem antes do prazo legal de 31 de dezembro de 2018.

E virá, no lugar, o governo plutocrático de Michel Temer, já anunciando um programa de governo bastante conservador.

Serão tempos sombrios, em que a crise não se encerrará com a saída do PT do poder.

Ela começará amanhã, depois da festa do anúncio do impeachment.

Será como uma grande festa que será sucedida por uma ressaca com vômitos, náuseas e dor de cabeça.

Como foi na ditadura militar, quando o golpe que derrubou João Goulart em 1964 gerou um grande pesadelo de duas décadas cujas feridas ainda não desapareceram totalmente hoje.

Portanto, seria melhor não comemorar e esperar o Brasil enfrentar problemas complicados.

Até que, num momento distante, as consciências despertem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…