Pular para o conteúdo principal

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"


O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média era sexualizada pelas atrações de televisão.

Acusavam de hipersexualização, exploração abusiva da beleza feminina e mercantilização do corpo.

Mas quando isso ocorria no âmbito do "popular", era "liberdade do corpo", "direito à sexualidade", "afirmação do desejo feminino".

Se a mulher de classe média era idiotizada pelos comerciais de TV, novelas e humorísticos, isso era fruto da ideologia machista, do sexismo mercadológico, da sociedade patriarcalista brasileira.

Mas quando a mulher simbolicamente "popular", como funqueiras e siliconadas em geral, alternam exibições corporais grotescas, alternadas com gafes diversas, isso era visto como "feminismo".

Reduzia-se a "obrigatoriedade" da mulher famosa simbolicamente elitista de exibir suas formas corporais.

Aumentava quando a mulher famosa era simbolicamente associada a atrações "populares".

Daí a contradição da restrição da sensualidade feminina, nas classes abastadas, e no aumento da mesma nas classes populares.

A retórica que se via, sobretudo no "funk" mas em outros fenômenos "populares demais", sinalizava sempre para a libertinagem e exploração máxima do erotismo feminino.

Intelectuais "bacanas" davam desculpas quando havia pornografia, pedofilia e estupro nas comunidades populares, vitimando moças inocentes e menores de idade.

A desculpa era a "iniciação sexual das jovens das periferias".

Os intelectuais "bacanas" alegavam que contestar essa "diversão das periferias" era "preconceito moralista e higienista".

Mulheres siliconadas aceitavam abertamente o papel de mercadorias sexuais, se limitando a mostrar seus corpos exagerados em fotos e até durante eventos.

Houve quem usasse blusas curtas até sob um frio de 10 graus.

Sem falar do contraste de calças, saias e shorts apertados e glúteos cada vez mais inflados pelo silicone.

É como se um balão se enchesse numa sala apertada com paredes móveis se aproximando entre si.

E esse "mundo maravilhoso" ainda tinha a prostituição.

Só na mente da intelligentzia dita "mais legal do país" é que ser prostituta é o máximo.

As mulheres pobres não queriam ser prostitutas a vida toda. Queriam ter trabalhos dignos e poder se sustentar de maneira segura e decente.

A intelectualidade "bacana" não. Queria que elas fossem prostitutas a vida toda, porque isso era o máximo, "expressão das periferias", "afirmação do corpo e da feminilidade (sic)".

Como se não houvessem cafetões exploradores nem clientes violentos nesse "mundo maravilhoso das putas".

Diante dessa permissividade pregada por intelectuais dotados de muita visibilidade e prestígio, que se atreviam a pregar seu obscurantismo nas mídias progressistas, um fato teve que ocorrer para derrubar essa ilusão.

Foi num subúrbio que ocorreu o pior caso de prostituição que abalou o Brasil e o mundo.

No mesmo dia em que um tresloucado fã de uma apresentadora de TV casada queria matá-la porque ela não correspondeu com a paixão obsessiva do cara.

Sim, a mulher de classe média tem muita razão quando reclama dos abusos e perigos que sofre.

Isso é muitíssimo correto e não há como contestar.

Mas o problema é que, quando era nas classes populares, o que era humilhante para a classe média os intelectuais "bacanas" definiam como "motivo de orgulho e afirmação pessoal".

As mulheres "populares" expressavam um modelo machista de sensualidade e, como mulheres-objetos, usavam apenas uma desculpa esfarrapada para serem vistas como feministas.

Não tinham, ao menos aparentemente, namorado ou marido algum em suas vidas amorosas.

Várias delas chegavam mesmo a "se oferecer" nas fotos do Instagram.

"Esta foto eu dedico a você (internauta)", "me deseje", "hoje visto uma roupa mais curta e quero que vocês digam como ficou", chegaram a dizer essas siliconadas que faziam a tal "liberdade do corpo".

Resultado: elas simbolizaram a ilusão fácil da permissividade feminina, da hipersexualização, da falsa certeza de que tudo é permitido e toda mulher é acessível.

As propagandistas? Funqueiras, ex-musas da Banheira do Gugu, peladonas, competidoras do Miss Bumbum, Musas do Brasileirão, algumas ex-Big Brother Brasil, dançarinas de "pagodão" baiano etc.

As mulheres pobres viam nessas moças um "ideal de sucesso" e os homens uma possibilidade de mulheres aceitarem qualquer assédio masculino.

O coronelismo midiático, sobretudo regional, manipulava essas situações e estimulava o sexo como mercadoria de impulsionar o sucesso de fenômenos "populares".

E aí criou-se tal situação: as mulheres eram induzidas pela mídia "popular" (e machista) a se erotizarem demais, os homens a acreditar que todo tipo de mulher é "gostosa" e "está a fim" deles.

Foi aí que veio o tal estupro coletivo. Ao som de "funk" e tudo.

A casa caiu. A intelectualidade "bacana", tão "desprovida de preconceito", viu a bomba explodir em suas mãos.

A "Disneylândia suburbana" que acreditavam mostrou seu lado sombrio, que pôs em xeque-mate tudo o que tendenciosos documentários, monografias, reportagens e outros discursos pregaram como "positivo" durante uma década.

A moça pobre estava "se iniciando sexualmente" ao ser agredida por 33 machões?

Ela estaria expressando a "liberdade do corpo" na "natural diversão das periferias"?

O episódio vergonhoso repercutiu no exterior.

Até a atriz Emma Watson se manifestou contra esse trágico incidente.

Como é que ficam aqueles intelectuais, durante muito tempo aplaudidos por causa de suas teses "provocativas"?

Com que cara ficam e com que moral eles têm agora para explicar a "liberdade" que defendiam com sua "generosa" visão etnocêntrica das classes populares?

Depois desse triste episódio, que pode não ter trazido muitos danos físicos à jovem, mas trouxe um dano muito maior e irreparável, que é o trauma dessa agressão, como é que os intelectuais "bacanas" sairão dessa?

Que poderão falar da "iniciação sexual das jovens pobres"?

Que poderão falar do "direito à sensualidade"?

Que poderão falar da "liberdade do corpo"?

Que "liberdade" é essa, do corpo e não da consciência da mulher?

Que feminismo é esse em que a mulher se afirma como uma mercadoria sexual?

E, no caso do discurso intelectualoide "etnicizar" as coisas, pouco importa se os agressores são brancos, negros ou índios. Porque isso não vem ao caso.

São homens de todo jeito que, manipulados por uma mídia grotesca e tendo baixa escolaridade, têm seus instintos sexuais descontrolados e tornados brutais.

Não se fala aqui em "eurocentrismos" e outras divagações.

Fala-se em preservar o direito de ir e vir da mulher, sem ser molestada pelo violento assédio machista.

A culpa não pode ser da vítima do estupro, como também a culpa não deve ser de nós que condenamos tantos retrocessos, sobretudo essa "cultura popular" trabalhada "admiravelmente" por esses intelectuais etnocêntricos.

Essa "elite pensante" deu um tiro no pé, legitimando preconceitos machistas que propiciaram esse estupro e que, durante anos, foram vistos como "combate ao preconceito".

Em nome desse falso feminismo, uma moça foi violentada por três dezenas de machistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A POLÊMICA FESTA DA REVISTA VOGUE BRASIL

As elites brasileiras se consideram modernas e descoladas, mas andam bastante desnorteadas.

Um episódio que causou problemas foi a festa de aniversário de 50 anos de Donata Meirelles, mulher do publicitário baiano Nizan Guanaes e diretora da edição brasileira da revista Vogue.

A festa foi na sexta-feira passada e Donata tentou agradar os baianos, sentada numa cadeira de pavão de vime e cercada de duas negras vestidas de baianas. O tema da festa foi o candomblé.

A cadeira de pavão feita em fibra de vime, de origem asiática e utilizada por Huey P. Newton, dos Panteras Negras, e por Elza Soares, em um álbum de 1974, foi apropriada pela socialite que acabou sendo vista como a "sinhá" do cenário.

A imagem acabou remetendo ao Brasil colonial, com uma mulher branca ao lado de duas negras que sugerem simbolizar escravas vestindo roupas brancas.

A repercussão na Internet foi negativa.

A festa teve a participação de nomes como Caetano Veloso e Margareth Menezes.

No dia seguinte ao an…

DESEJO MUITA BOA SORTE A JEAN WYLLYS

Lamentável, porém necessário.

Jean Wyllys renunciou ao cargo de deputado federal, do qual foi reeleito por uma pequena vantagem, como exceção numa maioria de reacionários eleitos para o Legislativo federal.

Ele era um dos mais atuantes deputados federais do Brasil e sua experiência de oito anos foi marcada pela coragem, pela dignidade e pela honestidade.

Infelizmente, ele teve que desistir, por ser um dos dois parlamentares do PSOL ameaçados de morte por milicianos, além de Marcelo Freixo.

Os dois perderam a amiga e colega de partido, a vereadora Marielle Franco, covardemente morta junto com seu motorista Anderson Gomes.

Só agora foram presos ou identificados suspeitos do crime. E dois deles foram homenageados e tiveram familiares empregados no gabinete de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Jean Wyllys sentiu o peso desse cenário medonho, e teve que zelar por sua segurança, pela sua vida, e deixou o país rumo a um paradeiro oculto.

O motivo não foi exatamente o gov…

DESCASO PROVOCOU TRAGÉDIA NO CT DO FLAMENGO

Nem para defender seus interesses cariocas e fluminenses agem com prudência.

Eles se preocupam tanto em transformar o futebol em unanimidade, agindo com preconceito contra quem não curte futebol, que se esquecem de zelar pelos assuntos relacionados ao esporte.

Se preocupam, quando conhecem um possível amigo, em perguntar primeiro o seu time, antes do próprio nome, mas não se cuidam da segurança de um alojamento de jogadores.

Pois o time com maior número de torcedores, o Clube de Regatas Flamengo, sofreu uma tragédia que vitimou aqueles que seriam seus futuros jogadores.

Um incêndio ocorrido no Centro de Treinamento do Flamengo, na Vargem Grande, onde se alojaram meninos da equipe sub-17, matou 10 jovens atletas, além de deixar outros três feridos, um com gravidade, conforme informações dadas até a tarde de ontem.

Os mortos teriam sido sufocados por gases tóxicos expelidos pelas chamas, além de gravemente feridos por queimaduras e sem poderem sair de seus quartos, onde dormiam.

A trag…

BRUMADINHO: A PRIMEIRA TRAGÉDIA DO BRASIL DE BOLSONARO

Enquanto no Grande Rio um violento temporal causa estragos e até uma morte, a de um banhista em Copacabana atingido por um dos 700 raios que caíram na tarde de ontem, o lodo soterrou a região de Brumadinho, Minas Gerais, em mais uma queda de barreira.

Foi na hidrelétrica de Retiro Baixo, administrada pela Vale.

A informação inicial foi que, pelo menos, duzentas pessoas ficaram desaparecidas. Mais de cem foram resgatadas com vida.

Até o momento que escrevo este texto, por volta de 22h50, sete pessoas morreram.

A tragédia ocorreu cerca de três anos e dois meses após a tragédia de Mariana, que aconteceu de maneira semelhante.

Como um tsunami de lodo, o lamaçal se deslizou atingindo casas e moradores.

No caso de Mariana, a tragédia causou estragos em boa parte do Estado de Minas Gerais e parte do Espírito Santo.

A tragédia de Brumadinho é a primeira a ser enfrentada pelo governo Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro e seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiram ir ao local para ver…

QUAL O FUTURO DA BAND SEM RICARDO BOECHAT?

RICARDO BOECHAT, NO JORNAL DA BAND, AO LADO DE PALOMA TOCCI.
Um interessante texto do Gente, portal de celebridades do IG, indaga sobre o futuro do Grupo Bandeirantes sem Ricardo Boechat.
A morte do âncora da TV Bandeirantes e da Band News FM deixou uma lacuna irreparável.
Isso é consenso. Boechat tinha uma inteligência e uma competência ímpares e um talento peculiar que não deixará substituto.
O texto do portal Gente fala que mesmo possíveis candidatos à sucessão de Boechat não têm condições de substitui-lo.
Na TV, tem-se Fábio Pannunzio, que conduzirá o Jornal da Band agora como titular.
Na Band News, pelo menos na bancada matriz, de São Paulo, Carla Bigatto e Eduardo Barão continuarão no horário habitual, não havendo mais os comentários e a comunicação do finado jornalista.
Vários jornalistas especulados pelo artigo de Gente para substituir Boechat apresentam problemas aqui e ali.
Rachel Sheherazade e William Waack foram sondados pela Band, mas não foram contratados. Ambos causam p…

O SAUDOSISMO ARTIFICIAL DOS ANOS 90

Eu só errei um pouco a data de quando a década de 1990 seria alvo de um saudosismo mercadologicamente programado.

Pensava que era 2015, mas o saudosismo artificial se dá agora, quatro anos depois.

A década de 1990, no Brasil, diferente do que ocorreu nos EUA e Reino Unido, onde prevaleceu a ressaca melancólica após o fim das eras Margareth Thatcher e Ronald Reagan / George Bush (pai), foi uma tradução tardia do hedonismo vazio dos anos 1980.

Os anos 90 foram a década perdida do Brasil, marcada pela imbecilização cultural que a mídia venal, por eufemismo, define como "politicamente incorreto".

Filmes de violência na Sessão da Tarde, hegemonia do brega na música brasileira, erotização precoce em programas infantis, baixarias na TV para alavancar audiência, crescimento vertiginoso dos programas policialescos.

Tinha a Banheira do Gugu Liberato, a agressividade do Ratinho, a violência glamourizada do Aqui Agora.

A década de 1990 foi a colocação em prática da farra de concessões …

SÉRGIO MORO E SEU PACOTE POLICIALESCO

O Brasil se encontra numa situação delicada, desde que Jair Bolsonaro apresenta uma estranha piora no seu estado de saúde e a mídia hegemônica alega que está tudo bem.
Ressoa, nos nossos ouvidos, os ecos do sucesso do cantor Blecaute, "O General da Banda", que falava de um Mourão como "vara madura que não cai" e que "catuca por baixo que ele vai".
O "catuca por baixo" não seria o cargo de vice-presidente? Talvez o samba de 1949 feito para o Carnaval do ano seguinte não explique.
Mas os tempos atuais indicam isso. Mas como o governo Bolsonaro já nasceu fatiado, isso não faz diferença.
Afinal, tem-se como dois feudos estratégicos o de Paulo Guedes, na Economia, preparando o seu pacote de privatarias, e sobretudo o de Sérgio Moro, o lavajateiro ministro da Justiça.
Ontem o "superministro" e ex-juiz divulgou seu pacote anti-crime e anti-corrupção.
Como sempre, Sérgio Moro simboliza a falta de compreensão do brasileiro médio.
Este não sabe…