Pular para o conteúdo principal

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"


O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média era sexualizada pelas atrações de televisão.

Acusavam de hipersexualização, exploração abusiva da beleza feminina e mercantilização do corpo.

Mas quando isso ocorria no âmbito do "popular", era "liberdade do corpo", "direito à sexualidade", "afirmação do desejo feminino".

Se a mulher de classe média era idiotizada pelos comerciais de TV, novelas e humorísticos, isso era fruto da ideologia machista, do sexismo mercadológico, da sociedade patriarcalista brasileira.

Mas quando a mulher simbolicamente "popular", como funqueiras e siliconadas em geral, alternam exibições corporais grotescas, alternadas com gafes diversas, isso era visto como "feminismo".

Reduzia-se a "obrigatoriedade" da mulher famosa simbolicamente elitista de exibir suas formas corporais.

Aumentava quando a mulher famosa era simbolicamente associada a atrações "populares".

Daí a contradição da restrição da sensualidade feminina, nas classes abastadas, e no aumento da mesma nas classes populares.

A retórica que se via, sobretudo no "funk" mas em outros fenômenos "populares demais", sinalizava sempre para a libertinagem e exploração máxima do erotismo feminino.

Intelectuais "bacanas" davam desculpas quando havia pornografia, pedofilia e estupro nas comunidades populares, vitimando moças inocentes e menores de idade.

A desculpa era a "iniciação sexual das jovens das periferias".

Os intelectuais "bacanas" alegavam que contestar essa "diversão das periferias" era "preconceito moralista e higienista".

Mulheres siliconadas aceitavam abertamente o papel de mercadorias sexuais, se limitando a mostrar seus corpos exagerados em fotos e até durante eventos.

Houve quem usasse blusas curtas até sob um frio de 10 graus.

Sem falar do contraste de calças, saias e shorts apertados e glúteos cada vez mais inflados pelo silicone.

É como se um balão se enchesse numa sala apertada com paredes móveis se aproximando entre si.

E esse "mundo maravilhoso" ainda tinha a prostituição.

Só na mente da intelligentzia dita "mais legal do país" é que ser prostituta é o máximo.

As mulheres pobres não queriam ser prostitutas a vida toda. Queriam ter trabalhos dignos e poder se sustentar de maneira segura e decente.

A intelectualidade "bacana" não. Queria que elas fossem prostitutas a vida toda, porque isso era o máximo, "expressão das periferias", "afirmação do corpo e da feminilidade (sic)".

Como se não houvessem cafetões exploradores nem clientes violentos nesse "mundo maravilhoso das putas".

Diante dessa permissividade pregada por intelectuais dotados de muita visibilidade e prestígio, que se atreviam a pregar seu obscurantismo nas mídias progressistas, um fato teve que ocorrer para derrubar essa ilusão.

Foi num subúrbio que ocorreu o pior caso de prostituição que abalou o Brasil e o mundo.

No mesmo dia em que um tresloucado fã de uma apresentadora de TV casada queria matá-la porque ela não correspondeu com a paixão obsessiva do cara.

Sim, a mulher de classe média tem muita razão quando reclama dos abusos e perigos que sofre.

Isso é muitíssimo correto e não há como contestar.

Mas o problema é que, quando era nas classes populares, o que era humilhante para a classe média os intelectuais "bacanas" definiam como "motivo de orgulho e afirmação pessoal".

As mulheres "populares" expressavam um modelo machista de sensualidade e, como mulheres-objetos, usavam apenas uma desculpa esfarrapada para serem vistas como feministas.

Não tinham, ao menos aparentemente, namorado ou marido algum em suas vidas amorosas.

Várias delas chegavam mesmo a "se oferecer" nas fotos do Instagram.

"Esta foto eu dedico a você (internauta)", "me deseje", "hoje visto uma roupa mais curta e quero que vocês digam como ficou", chegaram a dizer essas siliconadas que faziam a tal "liberdade do corpo".

Resultado: elas simbolizaram a ilusão fácil da permissividade feminina, da hipersexualização, da falsa certeza de que tudo é permitido e toda mulher é acessível.

As propagandistas? Funqueiras, ex-musas da Banheira do Gugu, peladonas, competidoras do Miss Bumbum, Musas do Brasileirão, algumas ex-Big Brother Brasil, dançarinas de "pagodão" baiano etc.

As mulheres pobres viam nessas moças um "ideal de sucesso" e os homens uma possibilidade de mulheres aceitarem qualquer assédio masculino.

O coronelismo midiático, sobretudo regional, manipulava essas situações e estimulava o sexo como mercadoria de impulsionar o sucesso de fenômenos "populares".

E aí criou-se tal situação: as mulheres eram induzidas pela mídia "popular" (e machista) a se erotizarem demais, os homens a acreditar que todo tipo de mulher é "gostosa" e "está a fim" deles.

Foi aí que veio o tal estupro coletivo. Ao som de "funk" e tudo.

A casa caiu. A intelectualidade "bacana", tão "desprovida de preconceito", viu a bomba explodir em suas mãos.

A "Disneylândia suburbana" que acreditavam mostrou seu lado sombrio, que pôs em xeque-mate tudo o que tendenciosos documentários, monografias, reportagens e outros discursos pregaram como "positivo" durante uma década.

A moça pobre estava "se iniciando sexualmente" ao ser agredida por 33 machões?

Ela estaria expressando a "liberdade do corpo" na "natural diversão das periferias"?

O episódio vergonhoso repercutiu no exterior.

Até a atriz Emma Watson se manifestou contra esse trágico incidente.

Como é que ficam aqueles intelectuais, durante muito tempo aplaudidos por causa de suas teses "provocativas"?

Com que cara ficam e com que moral eles têm agora para explicar a "liberdade" que defendiam com sua "generosa" visão etnocêntrica das classes populares?

Depois desse triste episódio, que pode não ter trazido muitos danos físicos à jovem, mas trouxe um dano muito maior e irreparável, que é o trauma dessa agressão, como é que os intelectuais "bacanas" sairão dessa?

Que poderão falar da "iniciação sexual das jovens pobres"?

Que poderão falar do "direito à sensualidade"?

Que poderão falar da "liberdade do corpo"?

Que "liberdade" é essa, do corpo e não da consciência da mulher?

Que feminismo é esse em que a mulher se afirma como uma mercadoria sexual?

E, no caso do discurso intelectualoide "etnicizar" as coisas, pouco importa se os agressores são brancos, negros ou índios. Porque isso não vem ao caso.

São homens de todo jeito que, manipulados por uma mídia grotesca e tendo baixa escolaridade, têm seus instintos sexuais descontrolados e tornados brutais.

Não se fala aqui em "eurocentrismos" e outras divagações.

Fala-se em preservar o direito de ir e vir da mulher, sem ser molestada pelo violento assédio machista.

A culpa não pode ser da vítima do estupro, como também a culpa não deve ser de nós que condenamos tantos retrocessos, sobretudo essa "cultura popular" trabalhada "admiravelmente" por esses intelectuais etnocêntricos.

Essa "elite pensante" deu um tiro no pé, legitimando preconceitos machistas que propiciaram esse estupro e que, durante anos, foram vistos como "combate ao preconceito".

Em nome desse falso feminismo, uma moça foi violentada por três dezenas de machistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MORTE DE FERNANDA YOUNG É UM PUXÃO DE ORELHA NO BRASIL

Foi um choque eu entrar num mercado de alimentos e ver, na televisão, que Fernanda Young faleceu.

Tão nova, um ano a mais do que eu, ela era uma das mentes mais criativas e modernas da cena cultural brasileira.

Eu não cheguei a ver o seriado Os Normais, a não ser alguns trechos da série e o primeiro longa-metragem, mas vi outras criações dela e de seu marido, meu xará Alexandre Machado, como Separação?, Os Aspones, Como Aproveitar o Fim do Mundo e O Dentista Mascarado.

Alexandre Machado nasceu dez anos antes dela, mas ele destoava completamente daquele tipo "o mais velho que ser mais velho ainda" e, de tão jovial, nem parecia estar próximo dos 60 anos.

É duro para ele viver sem sua companheira, e não era só pela alta cumplicidade que os dois tinham para criar diálogos e situações bastante hilárias.

Num ano em que um sem-número de personalidades de grande talento faleceu, 2019 parece um grande pesadelo.

Espera-se que 2020 não se torne um novo pesadelo, que possa virar o jogo…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

JORGE PAULO LEMANN FINANCIOU O "COMBATE AO PRECONCEITO" DO "POPULAR DEMAIS"

Já foi escrito isso em outra oportunidade, mas não custa enfatizar: Jorge Paulo Lemann financiou a campanha do "combate ao preconceito" da bregalização pelo "popular demais".

Tínhamos um cenário de cultura popularesca, marcado pelo politicamente incorreto, pela mediocridade artística e pelo grotesco comportamental, nos anos 1990, que estava se desgastando naturalmente.

Todo o brega-popularesco corria o risco de cair no esquecimento. Jornalistas sérios alertaram para a degradação cultural que tratava o povo de maneira caricatural.

Tudo isso se deu no fim dos anos 1990. Parecia que, se não toda a multidão popularesca, mas, ao menos, uma considerável maioria, iria arrumar as malas e deixar a fama para ir ao ostracismo.

Mas eis que uma geração de intelectuais virou a mesa: a intelectualidade "bacana", assim considerada por ela querer parecer "simpática" dentro de um cenário de anti-intelectualismo.

A partir de 2000, veio a tal campanha que consisti…

TV LINHAÇA - O QUE É O QUENUNCA?

Muitos ainda vão sabe desse novo tipo de pessoa que, sob o pretexto de se considerar imperfeito, faz apologia dos erros para continuar levando vantagens e privilégios na vida.

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

CO-DIFUSOR DA GÍRIA "BALADA", TUTINHA É ACUSADO DE CRIMES FINANCEIROS

GOSTA DE ESTAR NA "BALADA"? AGRADEÇA, EM PARTE, A ESSE CARA, O TUTINHA.

Uma longa reportagem de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo mostra um escândalo envolvendo o dono da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha.

Ele acabou desmentindo a acusação de que sua ex-mulher, Flávia Eluf, teria furtado bens do ex-casal após o divórcio, que havia sido difundida no Facebook, em julho de 2016.

A acusação se revelou falsa, e Tutinha e sua filha de outro casamento, Daniela, que apoiou o pai na acusação contra a madrasta, foram processados, por ação civil movida por Flávia, por danos morais.

Flávia também reagiu e recorreu ao Ministério Público Federal para lhe entregar um pen drive com as atividades financeiras do ex-marido, com quem esteve casada entre 2006 e 2015.

O pen drive contém acusações de crimes financeiros contra o empresário da Jovem Pan.

Segundo a denúncia, Tutinha seria acusado de evasão de divisas, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A PEGADINHA DE LÉO SANTANA AINDA PEGA AS ESQUERDAS

O Brasil é um país ainda muito, muito atrasado.

Tanto que só agora, nós temos movimentos identitários que, nos EUA, ocorriam há mais de 50 anos, através do fenômeno da Contracultura.

Já temos o grotesco Carlos Bolsonaro, o Carlucho, filho do presidente Jair Bolsonaro, conduzindo pautas reacionárias, desta vez dizendo que a democracia não permite mudanças rápidas no Brasil.

Eduardo Bolsonaro corroborou o irmão e o comparou a "Winston Church" (sic).

Se os filhos de Jair ameaçam a democracia - depois que os "filhos de Januário" da Operação Lava Jato ameaçavam a Justiça, com suas tramoias - , e ninguém mexe para tirar Jair do poder, então a coisa é séria.

As esquerdas ainda mantém muitos focos de ingenuidade.

Seus heróis são da direita: mulheres-objetos, funqueiros, ídolos popularescos em geral e até "médiuns espíritas".

Acham os esquerdistas mais ingênuos que, com um pouco de pensamento desejoso, as raposas podem não só reconstruir o galinheiro mas tornarem…