Pular para o conteúdo principal

O FRACASSO DA VOLTA DO VELHO MEC


O governo Michel Temer começou bastante impopular.

A direita comemorou a saída de Dilma Rousseff, mas agora enfrenta o gosto amargo de um governo velho, com cheiro de mofo tóxico dos porões históricos de 1974.

O governo Michel Temer mais parece um governo Ernesto Geisel repaginado.

Até os governos Fernando Henrique Cardoso (1994-1998 e 1998-2002), por mais retrógrados e atrapalhados que fossem, parecem relativamente mais modernos.

Uma das medidas retrógradas da equipe ministerial que, com Temer, tomou posse ontem como uma quadrilha de mafiosos comemorando uma vitória, foi a extinção do Ministério da Cultura.

Foi ressuscitado o velho MEC, Ministério da Educação e Cultura, no lugar do já saudoso, por mais controverso que seja, MinC.

Como titular da pasta, foi escolhido um pernambucano filho de fazendeiros, o conservador Mendonça Filho, do Democratas (DEM).

Mendonça Filho não tem a menor vivência com Educação e muito menos com Cultura.

Para os cariocas, isso não faz muita diferença. Afinal, no Estado do Rio de Janeiro, uma emissora de rádio FM que se diz "especializada" em rock, a canastrona Rádio Cidade, é coordenada por um locutor sem vivência com rock.

O tal do Van Damme, que comanda a rádio do "rock de verdade", só entende de "sertanejo universitário" e "funk".

Van Damme, o radialista, é capaz de prever o próximo sucesso de Anitta para daqui a dois anos e qual vai ser a próxima dupla "sertaneja" a estourar no país, mas é incapaz de entender 0,1% da trajetória do rock no passado, presente e futuro.

Daí que, para os cariocas, tanto faz um filho de fazendeiros assumir a Educação e Cultura.

O próprio Rio de Janeiro, reduto do anti-petismo, está vivendo um surto de provincianismo e coronelismo político, como um Acre de 40 anos atrás, só que à beira-mar.

Ao lado de São Paulo, o Rio de Janeiro perdeu o rumo da modernidade. Ambos os Estados pararam no tempo e caíram num provincianismo digno de Estados nortistas e nordestinos no tempo do general Emílio Médici.

Viraram redutos da mais aberrante bregalização cultural, antes vigente nos redutos coronelistas do interior e das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Tudo para sabotar a cultura popular em todo o país.

Depois, viraram redutos do mais preocupante reacionarismo político-ideológico do país.

E aí lutaram para derrubar Dilma Rousseff, tirando-a do poder.

E agora ajudaram a derrubar o Ministério da Cultura, vítima de um "enxugamento" administrativo do governo Michel Temer.

O MinC não era perfeito, e agiu de forma complacente com a degradação cultural do brega-popularesco.

Embarcou na utopia de que aceitar o degradado comercialismo cultural brasileiro era "combater o preconceito" e "aceitar a cultura na sua amplitude".

Mordeu a isca. Priorizou o brega-popularesco, em detrimento da riqueza cultural brasileira.

A riqueza financeira das empresas de entretenimento popularesco se sobrepôs à riqueza de nossa cultura, condenada a virar peça de museu.

Mesmo assim, muitas manifestações culturais autênticas recebiam respaldo institucional e financeiro, sob gestões de gente como o músico Gilberto Gil e o sociólogo Juca Ferreira.

Agora, depois que o velho MEC ensaiou uma volta, os protestos da classe artística obrigaram Michel Temer a criar uma Secretaria da Cultura, subordinada ao Ministério da Educação.

Vão escolher um nome ligado à Cultura, para tentar fortalecer o setor.

Vai ser a primeira pressão sobre o governo de Michel Temer. Ele terá que se acostumar com isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…